Emergência Climática – Chuvas extremas desaceleram a economia global

 

Emergência Climática – Chuvas extremas desaceleram a economia global

O crescimento econômico diminui quando o número de dias úmidos e de dias com chuvas extremas aumenta, segundo uma equipe de cientistas de Potsdam.

Os países ricos são os mais severamente afetados e, neste caso, os setores manufatureiro e de serviços, de acordo com seu estudo agora publicado como reportagem de capa na renomada revista científica Nature.

Potsdam Institute for Climate Impact Research (PIK)*

Emergência Climática - Chuvas extremas desaceleram a economia global

 

A análise de dados de mais de 1.500 regiões nos últimos 40 anos mostra uma conexão clara e sugere que a intensificação das chuvas diárias impulsionadas pelas mudanças climáticas pela queima de petróleo e carvão prejudicará a economia global.

“Trata-se de prosperidade e, em última análise, dos empregos das pessoas. As economias em todo o mundo são desaceleradas por mais dias úmidos e chuvas diárias extremas – uma visão importante que contribui para nossa crescente compreensão dos verdadeiros custos das mudanças climáticas”, diz Leonie Wenz, do Instituto Potsdam para Pesquisa de Impacto Climático (PIK) e do Mercator Research Institute on Global Commons and Climate Change (MCC), que liderou o estudo.

“As avaliações macroeconômicas dos impactos climáticos até agora se concentraram principalmente na temperatura e consideraram – se for o caso – as mudanças nas chuvas apenas em escalas de tempo mais longas, como anos ou meses, perdendo assim o quadro completo”, explica Wenz. a precipitação é geralmente boa para as economias, especialmente as dependentes da agricultura, a questão é também como a chuva é distribuída ao longo dos dias do ano. A intensificação das chuvas diárias acaba sendo ruim, especialmente para países ricos e industrializados como EUA, Japão ou Alemanha.”

Uma análise global inédita dos efeitos das chuvas subnacionais

“Identificamos uma série de efeitos distintos na produção econômica, mas o mais importante realmente é de chuvas diárias extremas”, diz Maximilian Kotz, primeiro autor do estudo e também do Instituto Potsdam. “Isso ocorre porque os extremos de chuva são onde já podemos ver a influência das mudanças climáticas com mais clareza e porque estão se intensificando em quase todos os lugares do mundo”.

A análise avalia estatisticamente os dados da produção econômica subnacional para 1.554 regiões em todo o mundo no período 1979-2019, coletados e disponibilizados publicamente pela MCC e PIK. Os cientistas combinam isso com dados de chuva de alta resolução. A combinação de detalhes cada vez maiores em dados climáticos e econômicos é de particular importância no contexto da chuva, um fenômeno altamente local, e revelou os novos insights.

“É a chuva diária que representa a ameaça ”

Ao carregar a atmosfera da Terra com gases de efeito estufa de usinas de energia fóssil e carros, a humanidade está aquecendo o planeta. O ar aquecido pode reter mais vapor de água que eventualmente se torna chuva. Embora a dinâmica atmosférica torne as mudanças regionais nas médias anuais mais complicadas, os extremos diários de chuva estão aumentando globalmente devido a esse efeito do vapor d’água.

“Nosso estudo revela que é precisamente a impressão digital do aquecimento global na precipitação diária que tem fortes efeitos econômicos que ainda não foram contabilizados, mas são altamente relevantes”, diz o coautor Anders Levermann, chefe do domínio Ciência da Complexidade do Instituto Potsdam, professor na Universidade de Potsdam e pesquisador do Observatório da Terra Lamont Doherty da Universidade de Columbia, em Nova York. “Examinar mais de perto as escalas de tempo curtas em vez das médias anuais ajuda a entender o que está acontecendo: é a precipitação diária que representa a ameaça. São mais os choques climáticos dos extremos climáticos que ameaçam nosso modo de vida do que as mudanças graduais. Ao desestabilizar nosso clima, prejudicamos nossas economias. Temos que garantir que nossa queima de combustíveis fósseis também não desestabilize nossas sociedades”.

Referência:

Maximilian Kotz, Anders Levermann, Leonie Wenz (2022): The effect of rainfall changes on economic production. Nature [DOI:10.1038/s41586-021-04283-8]

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 12/01/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top