Poluição microplástica colabora para a resistência a antibióticos

 

Poluição microplástica colabora para a resistência a antibióticos

O recipiente de isopor que contém seu cheeseburger para viagem pode contribuir para a resistência crescente da população aos antibióticos.

Por Mike Williams*

De acordo com cientistas da Escola de Engenharia George R. Brown da Rice University, o poliestireno descartado, dividido em microplásticos, fornece um lar aconchegante não apenas para micróbios e contaminantes químicos, mas também para materiais genéticos flutuantes que entregam às bactérias o dom da resistência.

Um estudo no Journal of Hazardous Materials descreve como o envelhecimento ultravioleta dos microplásticos no ambiente os torna plataformas adequadas para genes resistentes a antibióticos (ARGs). Esses genes são protegidos por cromossomos bacterianos, fagos e plasmídeos, todos vetores biológicos que podem espalhar resistência aos antibióticos nas pessoas, reduzindo sua capacidade de combater infecções.

O estudo liderado pelo engenheiro civil e ambiental de Rice, Pedro Alvarez, em colaboração com pesquisadores da China e da Universidade de Houston, também mostrou que a lixiviação do plástico à medida que envelhece aumenta a suscetibilidade dos vetores à transferência horizontal de genes, através da qual a resistência se espalha.

“Ficamos surpresos ao descobrir que o envelhecimento microplástico aumenta o ARG horizontal ”, disse Alvarez, o George R. Brown Professor de Engenharia Civil e Ambiental e diretor do Centro de Tratamento de Água Habilitado para Nanotecnologia com base em arroz . “A disseminação aprimorada da resistência aos antibióticos é um impacto potencial esquecido da poluição dos microplásticos.”

Os pesquisadores descobriram que os microplásticos (100 nanômetros a cinco micrômetros de diâmetro) envelhecidos pela parte ultravioleta da luz solar têm áreas de superfície altas que prendem os micróbios. À medida que os plásticos se degradam, eles também lixiviam os produtos químicos da despolimerização que rompem as membranas dos micróbios, dando aos ARGs a oportunidade de invadir.

Eles observaram que as superfícies microplásticas podem servir como locais de agregação para bactérias suscetíveis, acelerando a transferência de genes ao colocar as bactérias em contato umas com as outras e com produtos químicos liberados. Essa sinergia pode enriquecer as condições ambientais favoráveis ??à resistência aos antibióticos, mesmo na ausência de antibióticos, de acordo com o estudo.

Os coautores do artigo são Ruonan Sun, estudante de pós-graduação da Rice; o ex-pesquisador de pós-doutorado de Rice Pingfeng Yu, agora um membro do corpo docente da Universidade de Zhejiang; o professor associado Qingbin Yuan, Yuan Cheng e o conferencista Wenbin Wu, da Nanjing Tech University, e Jiming Bao, um professor de engenharia elétrica e de computação na Universidade de Houston.

A Fundação de Ciências Naturais da Província de Jiangsu (BK20201367), a Fundação Nacional de Ciências Naturais da China (42177348) e o financiamento da Fundação Nacional de Ciências da NEWT (1449500) apoiaram a pesquisa.

Uma imagem de microscopia fluorescente mostra fagos absorvidos por microplásticos. Os pesquisadores do Rice e seus colegas descobriram que os plásticos de lixiviação química atraem bactérias e outros vetores e os tornam suscetíveis a genes resistentes a antibióticos
Uma imagem de microscopia fluorescente mostra fagos absorvidos por microplásticos. Os pesquisadores do Rice e seus colegas descobriram que os plásticos de lixiviação química atraem bactérias e outros vetores e os tornam suscetíveis a genes resistentes a antibióticos. Cortesia do Alvarez Research Lab

 

Leia o resumo em https://doi.org/10.1016/j.jhazmat.2021.127895 .

 

&

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 09/12/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top