Conhecimento tradicional dos habitantes da Amazônia é essencial para as estratégias de conservação

 

Conhecimento tradicional dos habitantes da Amazônia é essencial para as estratégias de conservação

O conhecimento ecológico das populações locais permite um melhor controle da fauna amazônica

Um estudo do ICTA-UAB mostra que o conhecimento ambiental local é uma ferramenta valiosa para a conservação na Amazônia, comparável a outros métodos científicos.

O conhecimento ecológico das populações locais provou ser mais preciso do que 10 anos de estudos convencionais

Universitat Autònoma de Barcelona*

Um estudo internacional liderado pelo Instituto de Ciência e Tecnologia Ambiental da Universitat Autònoma de Barcelona (ICTA-UAB) e o Departamento de Saúde e Anatomia Animal da UAB mostra que o conhecimento dos habitantes da Amazônia pode ser um divisor de águas na corrida para avaliar as tendências da população animal em um contexto de necessidade urgente de estratégias de conservação e recursos financeiros limitados.

O estudo, publicado recentemente na revista científica Methods in Ecology and Evolution , envolve pesquisadores da Espanha, Brasil, Peru, Estados Unidos e Reino Unido.

A floresta amazônica abriga 390 bilhões de árvores e abriga uma das maiores regiões de biodiversidade do mundo na principal bacia hidrográfica do planeta. No entanto, o desmatamento na Amazônia está aumentando continuamente, resultando em uma perda de biodiversidade sem precedentes. Considerando as taxas atuais de desmatamento, 27% da Amazônia será perdida até o ano 2030. O impacto das diferentes atividades humanas sobre sua vida selvagem só pode ser medido por estimativas precisas e atualizadas da abundância das populações animais. Quanto maior a velocidade de obtenção de informações de alta qualidade sobre as tendências populacionais, mais eficazes podem ser as ações de manejo e conservação.

No entanto, o levantamento da abundância da vida selvagem continua sendo um desafio. Os estudos científicos utilizam tradicionalmente métodos que consistem em caminhar repetidamente pela floresta para contar os animais avistados, mas esses métodos requerem elevados recursos logísticos e financeiros, especialmente para estudos de longo prazo realizados em áreas de difícil acesso, que são aquelas que tendem a ter o maior valor biológico.

Métodos baseados em conhecimento ecológico local (LEK) começaram recentemente a ser considerados como um método potencial na comunidade científica para estimativas de abundância de vida selvagem. LEK é definido como o conhecimento, práticas e crenças que são obtidos através da observação empírica pessoal por povos locais e sua interação com os ecossistemas locais. No entanto, o obstáculo da utilização dos métodos LEK é a subjetividade reivindicada de suas observações empíricas e a ausência de sua validação como método científico, padronizado e preciso.

Neste estudo inovador, os pesquisadores compararam a abundância de 91 espécies selvagens (entre mamíferos, pássaros e tartarugas) obtidas após amostragem de mais de 7 mil quilômetros de trajetos lineares e realizando 291 entrevistas no LEK de pessoas locais em 17 áreas ao longo do Amazonas. Os resultados mostraram uma grande similaridade na abundância estimada entre os dois métodos, o que indica que o conhecimento local é tão confiável quanto os métodos científicos padrão atualmente em uso. Além disso, os pesquisadores descobriram que o LEK é muito mais poderoso do que os transectos de linha convencionais quando se trata de algumas espécies que são raramente observadas em trajetos, como espécies noturnas, crípticas, menos abundantes ou caçadas.

Franciany Braga-Pereira, pesquisadora do ICTA-UAB e da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e principal autora do estudo, comenta que “a percepção da população local é multissensorial, envolvendo audição, olfato e observação de sinais visuais indiretos, como pegadas e arranhões, que aumentam a capacidade da população local de detectar a presença e estimar a abundância de um animal. Além disso, diferente dos levantamentos em trajetos de linha convencionais, o esforço da LEK envolve escalas diferentes, uma vez que a população local tem contato com a floresta no desempenho de suas atividades habituais, como caça, pesca, agricultura e colheita de produtos madeireiros e não madeireiros. horas do dia e do ano, e em todo o território onde vivem. ”

O professor Pedro Mayor, investigador do Departamento de Saúde e Anatomia Animal da UAB e autor principal do estudo, afirma que “em termos de esforço, o LEK implica um elevado número de horas dedicadas à observação de animais na floresta, amplamente distribuídas ao longo do tempo durante suas atividades diárias. Por outro lado, os trajetos lineares pressupõem um esforço consideravelmente menor, mas muito intenso, uma vez que geralmente se concentram em duas ou três semanas de trabalho. A população local visita a floresta à noite e durante o dia, enquanto os trajetos lineares geralmente são realizados apenas durante o dia. Essa diferença explica porque o monitoramento convencional por meio de trajetos lineares não pode fornecer informações sobre todas as espécies, principalmente aquelas que são secretas e têm hábitos noturnos, como constatado em nosso estudo ”.

Os autores destacam que a incorporação do LEK em projetos de monitoramento da vida selvagem baseados na comunidade (nos quais os habitantes locais participam tanto do registro quanto da interpretação de seus dados) pode melhorar significativamente a qualidade da ciência e contribuir para a sustentabilidade das florestas tropicais do mundo. “O conhecimento ecológico das populações locais é mais preciso do que 10 anos de monitoramento científico convencional da abundância animal na Amazônia”, afirma Franciany Braga-Pereira.

Além disso, este método capacita as comunidades locais, que são partes interessadas fundamentais com direito a gerenciar seus recursos naturais e desenvolver iniciativas de conservação legítimas, justas e bem-sucedidas. Por fim, o conhecimento que emerge das comunidades locais é autônomo e depende unicamente de sua vontade, de forma que pode ser realizado mesmo com constrangimentos financeiros ou suspensão de pesquisas externas em decorrência de crises nacionais ou internacionais. “Um grande exemplo foi a restrição de movimentos durante a recente pandemia COVID-19, em que muitas áreas protegidas em todo o mundo permaneceram por um longo período fechadas a pesquisadores externos, e o único monitoramento de fauna possível era aquele realizado de forma independente pelos moradores locais” , conclui Franciany Braga-Pereira.

Referência:

Braga-Pereira, F., Morcatty, T. Q., El Bizri, H. R., Tavares, A. S., Mere-Roncal, C., González-Crespo, C., Bertsch, C., Rodriguez, C. R., Bardales-Alvites, C., von Mühlen, E. M., Bernárdez-Rodríguez, G. F., Paim, F. P., Tamayo, J. S., Valsecchi, J., Gonçalves, J., Torres-Oyarce, L., Lemos, L. P., de Mattos Vieira, M. A. R., Bowler, M., … Mayor, P. (2021). Congruence of local ecological knowledge (LEK)-based methods and line-transect surveys in estimating wildlife abundance in tropical forests. Methods in Ecology and Evolution, 00, 1– 14. https://doi.org/10.1111/2041-210X.13773

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 08/12/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top