Atuais metas de emissões devem elevar temperatura do planeta em 2,7ºC

 

Atuais metas de emissões devem elevar temperatura do planeta em 2,7ºC

Novas e atualizadas Contribuições Nacionalmente Determinadas só retiram 7,5% das emissões previstas para 2030, enquanto é necessário 55% para atingir a meta do Acordo de Paris de limitar o aquecimento a 1,5°C.

As últimas promessas climáticas para 2030 colocam o mundo no caminho para um aumento da temperatura neste século de pelo menos 2,7°C, de acordo com o último Relatório sobre a Lacuna de Emissões 2021 do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

Compromissos de emissões líquidas zero (net-zero, em inglês) poderiam reduzir outros 0,5°C, se estes compromissos fossem robustos e se as promessas de 2030 fossem coerentes com os compromissos de emissões líquidas zero.

ONU Brasil

A poluição do ar pelas usinas de energia
São necessárias reduções de 30% nas emissões para permanecermos no caminho de menor custo para a meta de 2°C e 55% para a de 1,5°C. Foto: © Marek Piwnicki/Unsplash

Novos e atualizados compromissos climáticos ficam muito aquém do que é necessário para cumprir as metas do Acordo de Paris, deixando o mundo no caminho para um aumento da temperatura global de pelo menos 2,7°C neste século, de acordo com o último Relatório sobre a Lacuna de Emissões 2021 do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA): O Aquecedor está Ligado.

O relatório, agora em sua 12º edição anual, conclui que as Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC, na sigla em inglês) atualizadas dos países, juntamente com outras promessas de mitigação anunciadas para 2030 mas ainda não submetidas como NDCs atualizadas, apenas retiram um adicional de 7,5% das emissões anuais de gases de efeito estufa previstas para 2030 quando comparamos com a rodada anterior de compromissos. São necessárias reduções de 30% para permanecermos no caminho de menor custo para a meta de 2°C e 55% para a de 1,5°C.

“Menos de uma semana antes da COP26 em Glasgow, ainda estamos no caminho para a catástrofe climática”, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, durante uma coletiva de imprensa sobre o documento.

“A lacuna de emissões é o resultado de uma lacuna de liderança. Mas os líderes ainda podem fazer disso um ponto de virada para um futuro mais verde em vez de um ponto de inflexão para uma catástrofe climática. A era de medidas pela metade e promessas vazias precisa acabar”, afirmou Guterres.

Lançado antes da 26a Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, a COP26, que é a mais recente rodada de negociações climáticas, realizada em Glasgow, o relatório descobre que os compromissos de emissões líquidas zero (net-zero, em inglês) poderiam fazer uma grande diferença. Se totalmente implementados, estes compromissos poderiam reduzir a previsão de aumento da temperatura global para 2,2°C – trazendo, assim, esperança de que novas ações ainda podem evitar os impactos mais catastróficos da mudança climática. Entretanto, as promessas de emissões líquidas zero ainda são vagas, incompletas em muitos casos e inconsistentes com a maioria das NDCs até 2030.

“A mudança climática não é mais um problema futuro. É um problema do agora. Para termos uma chance de limitar o aquecimento global a 1,5°C, temos oito anos para reduzir quase pela metade as emissões de gases de efeito estufa: oito anos para fazer os planos, colocar em prática as políticas, implementá-las e, em última instância, fazer os cortes. O relógio está correndo muito rápido”, disse a diretora executiva do PNUMA, Inger Andersen.

Em 30 de setembro de 2021, 120 países representando pouco mais da metade das emissões globais de gases de efeito estufa haviam comunicado suas novas ou atualizadas NDCs. Além disso, três membros do G20 anunciaram outras novas promessas de mitigação para 2030.

Para ter uma chance de limitar o aquecimento global a 1,5°C, o mundo precisa de oito anos para retirar 28 gigatoneladas adicionais de CO2 equivalente (GtCO2e) das emissões anuais, além do que é prometido nas NDCs atualizadas e outros compromissos para 2030. Quando todos os demais gases de efeito estufa são considerados, as emissões ficam próximas de 60 GtCO2e. Assim, para ter uma chance de alcançar a meta de 1,5°C, precisamos cortar praticamente metade das emissões de gases de efeito estufa. Para a meta de 2°C do Acordo de Paris, a necessidade adicional é menor: uma queda nas emissões anuais de 13 GtCO2e até 2030.

O novo presidente da COP26, Alok Sharma, disse que o relatório destaca o motivo pelo qual os países precisam mostrar ações climáticas ambiciosas na COP26: “Como este relatório aponta, se os países cumprirem seus NDCs para 2030 e os compromissos de emissões líquidas zero que foram anunciados até o final de setembro, estaremos caminhando para aumentos médios da temperatura global de pouco mais de 2°C. Análises complementares sugerem que os compromissos assumidos em Paris teriam limitado o aumento da temperatura a menos de 4°C.

“Portanto, houve progresso, mas não o suficiente. É por isso que precisamos que, especialmente os maiores emissores, as nações do G20, assumam compromissos mais fortes até 2030 se quisermos que seja possível manter 1,5°C no alcance durante esta década crítica”, acrescentou Sharma.

Foco nas emissões líquidas zero – De acordo com os autores, as promessas de emissões líquidas zero – e suas execuções efetivas – poderiam fazer uma grande diferença, mas os planos atuais são vagos e não estão refletidos nas NDCs. Um total de 49 países mais a União Europeia se comprometeram com metas de emissões líquidas zero. Isso cobre mais da metade das emissões domésticas globais de gases de efeito estufa, mais da metade do PIB e um terço da população global. Onze metas estão consagradas em lei, cobrindo 12% das emissões globais.

Se forem robustas e implementadas integralmente, as metas de emissões líquidas zero poderiam reduzir o aquecimento global em mais aproximadamente 0,5°C, reduzindo o aumento previsto da temperatura para 2,2°C. Entretanto, muitos dos planos climáticos nacionais postergam a ação para depois de 2030, levantando dúvidas se as promessas de neutralidade climática podem ser cumpridas. Doze membros do G20 se comprometeram com uma meta de emissões líquidas zero, mas elas ainda são altamente ambíguas. A ação também precisa ser antecipada para chegar às metas de 2030.

“O mundo tem que acordar para o perigo iminente que enfrentamos como espécie. As nações precisam implementar as políticas para cumprir seus novos compromissos, e começar já nos próximos meses. Elas precisam tornar seus compromissos de neutralidade climática mais concretos, garantindo que sejam incluídos nas NDCs e que as ações sejam apresentadas. Em seguida, precisam colocar as políticas em prática para apoiar esta ambição elevada e, novamente, começar a implementá-las urgentemente”, afirmou Andersen.

“É também essencial fornecer apoio financeiro e tecnológico às nações em desenvolvimento – para que possam se adaptar aos impactos já em curso da mudança climática e se lançar em um caminho de crescimento de baixas emissões”, complementou.

Potencial do metano e dos mecanismos de mercado – Todos os anos, o Relatório sobre a Lacuna de Emissões examina o potencial de setores específicos. Neste ano, ele se concentra no metano e nos mecanismos de mercado. A redução das emissões de metano dos setores de combustíveis fósseis, resíduos e agricultura pode contribuir para fechar a lacuna de emissões e reduzir o aquecimento no curto prazo.

As emissões de metano são o segundo maior vetor do aquecimento global. O gás tem um potencial de aquecimento global 80 vezes superior ao do dióxido de carbono em um horizonte de 20 anos; também tem uma vida útil na atmosfera menor que o dióxido de carbono – de apenas doze anos em comparação com até centenas para o CO2. Portanto, os cortes no metano limitarão o aumento da temperatura mais rapidamente que os cortes no dióxido de carbono.

Somente as medidas técnicas disponíveis de baixo ou nenhum custo poderiam reduzir as emissões antropogênicas de metano em cerca de 20% ao ano. A implementação de todas as medidas, juntamente com medidas estruturais e comportamentais mais amplas, poderia reduzir as emissões antropogênicas de metano em aproximadamente 45%.

Os mercados de carbono, por sua vez, têm o potencial de reduzir custos e, assim, incentivar compromissos de redução mais ambiciosos, mas somente se as regras forem claramente definidas, concebidas para assegurar que as transações reflitam as reduções reais de emissões, e sejam apoiadas por acordos para acompanhar o progresso e proporcionar transparência.

As receitas obtidas através destes mercados poderiam financiar soluções de mitigação e adaptação a nível interno e em nações vulneráveis, onde os encargos da mudança climática são maiores.

Oportunidade de recuperação da COVID-19 foi perdida – O relatório conclui que a oportunidade de usar o resgate fiscal e os gastos com a recuperação da COVID-19 para estimular a economia e, ao mesmo tempo, apoiar a ação climática, foi perdida na maioria dos países.

A pandemia da COVID-19 levou a uma queda nas emissões globais de CO2 de 5,4% em 2020. Entretanto, espera-se que as emissões de CO2 e de outras emissões em 2021 aumentem novamente para um nível apenas ligeiramente inferior ao recorde de alta em 2019.

Apenas cerca de 20% do total dos investimentos de recuperação até maio de 2021 deverão reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Destes gastos, quase 90% são de seis membros do G20 e um convidado permanente.

Os gastos da COVID-19 têm sido muito menores nas economias de baixa renda (60 dólares por pessoa) do que nas economias avançadas (11.800 dólares por pessoa). As lacunas nas finanças provavelmente agravarão as lacunas nas nações vulneráveis em matéria de resiliência climática e medidas de mitigação.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 26/10/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top