Microplásticos estão no ar que respiramos e afetam o clima

 

Microplásticos estão no ar que respiramos e afetam o clima

Os microplásticos são encontrados nos lugares mais remotos da terra e no oceano, bem como na nossa alimentação. Agora, vários estudos (https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0013935120312366) em todo o mundo confirmaram que eles também estão presentes no ar que respiramos.

Laura Revell*
Palestrante sênior em física ambiental, University of Canterbury

Em nossa pesquisa (https://www.nature.com/articles/s41586-021-03864-x), investigamos pela primeira vez como os microplásticos aerotransportados se comportam na atmosfera e se eles contribuem para o aquecimento ou resfriamento do sistema climático da Terra.

Outros tipos de partículas transportadas pelo ar (aerossóis), como poeira, borrifos do mar e fuligem, espalham ou absorvem a luz do sol e, como consequência, resfriam ou aquecem o sistema climático. Descobrimos que os microplásticos fazem as duas coisas.

Neste primeiro estudo para ligar os microplásticos aerotransportados e as mudanças climáticas, destacamos o quão difundida a poluição microplástica é e o potencial que tem para influenciar o clima em uma escala global.

A concentração atual de microplásticos na atmosfera é baixa e eles têm apenas uma influência muito pequena no clima global neste momento. Mas, dadas as projeções de uma duplicação dos resíduos de plástico nas próximas décadas, esperamos que os microplásticos possam ter um impacto maior no sistema climático da Terra, a menos que tomemos medidas para lidar com a poluição do plástico.

Um ciclo de plástico

Microplásticos são pequenos fragmentos ou fibras perdidas durante a degradação de pedaços maiores de plástico. Eles são leves o suficiente para serem transportados pelo vento em grandes distâncias.

Recentemente, pesquisadores confirmaram microplásticos em bacias remotas em montanhas (https://www.nature.com/articles/s41561-019-0335-5) , na neve do Ártico (https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31453336/) e em áreas de conservação (https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32527833/) . No início deste ano, nós os relatamos em precipitação atmosférica coletada na Nova Zelândia (https://link.springer.com/article/10.1007/s11270-021-05080-9).

Outros estudos mostraram que, uma vez que os poluentes microplásticos entram no oceano, eles não necessariamente permanecem lá, mas podem sair do mar com respingos do mar (https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0232746) e, impulsionados pelas correntes de vento, retornar à atmosfera.

Isso nos levou a pensar em um ciclo do plástico : os microplásticos não ficam no solo, nos rios, no oceano ou no ar, mas se movem entre diferentes partes do sistema terrestre.

Inicialmente, esperávamos que os microplásticos transportados pelo ar dispersassem a luz do sol como a maioria dos aerossóis, que agem como pequenas bolas de discoteca e refletem a luz do sol de volta para o espaço. Isso tem um efeito de resfriamento no clima da Terra.

A maioria dos tipos de aerossóis na atmosfera da Terra espalha a luz – portanto, em geral, os aerossóis compensaram parcialmente o aquecimento dos gases de efeito estufa nas últimas décadas. Uma exceção é a fuligem (ou carbono preto), que é boa para absorver a luz do sol e tem um efeito de aquecimento.

Descobrimos que, em geral, os microplásticos aerotransportados são eficientes em espalhar a luz solar, o que implica em um efeito de resfriamento no clima. No entanto, também podem absorver a radiação emitida pela Terra, o que significa que contribuem, de forma muito pequena, para o efeito estufa.

Impactos microplásticos no clima

As maiores concentrações relatadas de microplásticos aerotransportados (milhares de fragmentos por metro cúbico de ar) foram medidas em locais de amostragem urbanos em Londres e Pequim .

Não sabemos ainda a que distância na atmosfera os microplásticos chegaram, mas um estudo baseado em aeronaves (https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0048969720367449) os encontrou em altitudes de até 3,5 quilômetros.

Isso apresenta questões adicionais se os microplásticos podem alterar a química atmosférica, fornecendo superfícies para as reações químicas ocorrerem, e como eles interagem com as nuvens (https://pubs.acs.org/doi/abs/10.1021/acsearthspacechem.9b00132).

A magnitude da influência dos microplásticos no clima varia em nossas simulações de modelos climáticos, dependendo das suposições que fizemos sobre como os fragmentos de plástico estão distribuídos pela atmosfera da Terra.

Como a pesquisa de microplásticos aerotransportados é tão nova, tivemos um número limitado de estudos para informar nossa pesquisa.

Nosso estudo mostra que a influência dos microplásticos no clima global é atualmente muito pequena e um efeito de resfriamento predomina. No entanto, esperamos que aumente no futuro, a ponto de os microplásticos aerotransportados exercerem uma influência climática comparável a outros tipos de aerossóis.

Cerca de 5 bilhões de toneladas de resíduos de plástico já se acumularam em aterros ou no meio ambiente até o momento. Este número deve dobrar nas próximas três décadas (https://www.science.org/doi/10.1126/sciadv.1700782). Sem esforços sérios para lidar com a poluição por microplásticos, os resíduos plásticos mal gerenciados continuarão a aumentar a abundância de microplásticos transportados pelo ar e sua influência no clima no futuro.

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

* Este artigo foi publicado originalmente no site The Conversation e republicado aqui sob uma licença Creative Commons. Leia aqui a versão original em inglês: https://theconversation.com/microplastics-are-in-the-air-we-breathe-and-in-earths-atmosphere-and-they-affect-the-climate-170093

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 22/10/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top