Estudo global associa a poluição do ar a quase 6 milhões de nascimentos prematuros

 

Estudo global associa a poluição do ar a quase 6 milhões de nascimentos prematuros

A poluição do ar provavelmente contribuiu para quase 6 milhões de nascimentos prematuros e quase 3 milhões de bebês com baixo peso em 2019, de acordo com um estudo e meta-análise da carga global da UC San Francisco e da Universidade de Washington que quantifica os efeitos da poluição interna e externa em todo o mundo.

University of California, San Francisco (UCSF)*

A análise , publicada em 28 de setembro de 2021, na PLOS Medicine , é a análise mais aprofundada de como a poluição do ar afeta vários indicadores-chave da gravidez, incluindo idade gestacional no nascimento, redução do peso ao nascer, baixo peso ao nascer e nascimento prematuro . E é o primeiro estudo global sobre a carga de doenças desses indicadores a incluir os efeitos da poluição do ar interno, principalmente dos fogões, que responderam por dois terços dos efeitos medidos.

Um crescente corpo de evidências aponta para a poluição do ar como uma das principais causas de nascimentos prematuros e baixo peso ao nascer. O nascimento prematuro é a principal causa de mortalidade neonatal em todo o mundo, afetando mais de 15 milhões de crianças todos os anos. Crianças com baixo peso ao nascer ou que nascem prematuras apresentam taxas mais altas de doenças graves ao longo da vida.

A Organização Mundial da Saúde estima que mais de 90 por cento da população mundial vive com o ar externo poluído, e metade da população global também está exposta à poluição do ar interno pela queima de carvão, esterco e madeira dentro de casa.

“A carga atribuível à poluição do ar é enorme, mas com esforço suficiente, ela poderia ser amplamente mitigada”, disse o autor principal Rakesh Ghosh, PhD, especialista em prevenção e saúde pública do Instituto de Ciências da Saúde Global da UCSF.

A análise, que foi conduzida com pesquisadores do Institute for Health Metrics and Evaluation (IHME) da Universidade de Washington, quantificou os riscos de nascimento prematuro e baixo peso ao nascer com base na exposição total à poluição interna e externa, ao mesmo tempo em que explica a probabilidade de que o os efeitos diminuem em níveis mais elevados.

O estudo concluiu que a incidência global de nascimentos prematuros e baixo peso ao nascer poderia ser reduzida em quase 78 por cento se a poluição do ar fosse minimizada no sudeste da Ásia e na África subsaariana, onde a poluição interna é comum e as taxas de nascimentos prematuros são as mais altas do mundo.

Mas também encontrou riscos significativos de poluição do ar ambiente em partes mais desenvolvidas do mundo. Nos Estados Unidos, por exemplo, estima-se que a poluição do ar externo tenha contribuído para quase 12.000 nascimentos prematuros em 2019.

Anteriormente, a mesma equipe de pesquisa quantificou os efeitos da poluição do ar na mortalidade precoce, concluindo que contribuiu para a morte de 500.000 recém-nascidos em 2019.

“Com esta evidência nova, global e gerada de forma mais rigorosa, a poluição do ar agora deve ser considerada o principal fator de morbidade e mortalidade infantil, não apenas de doenças crônicas em adultos”, disse Ghosh. “Nosso estudo sugere que tomar medidas para mitigar as mudanças climáticas e reduzir os níveis de poluição do ar terá um co-benefício significativo para a saúde dos recém-nascidos.”

poluição do ar
A redução global estimada no peso ao nascer ponderado pela população (gramas) atribuível à poluição atmosférica total por PM 2.5 (de fontes ambientais e domésticas) para 2019.

 

Referência

Ambient and household PM2.5 pollution and adverse perinatal outcomes: A meta-regression and analysis of attributable global burden for 204 countries and territories
Rakesh Ghosh, Kate Causey, Katrin Burkart, Sara Wozniak, Aaron Cohen, Michael Brauer
PLOS
Published: September 28, 2021
https://doi.org/10.1371/journal.pmed.1003718

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 29/09/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top