A 1ª onda da covid-19 no Vietnã e a 5ª onda no Irã

 

A 1ª onda da covid-19 no Vietnã e a 5ª onda no Irã, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

Os exemplos do Vietnã e do Irã mostram que a pandemia se expande de forma diferenciada nos diversos países

As primeiras infecções do novo coronavírus foram identificadas no final de 2019, mas somente no dia 11 de março de 2020 a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou que o mundo enfrentava uma emergência sanitária e elevou a classificação da “Corona VIrus Disease” (COVID) para o nível de pandemia da covid-19. Naquela data os registros mundiais indicavam 150 mil pessoas infectadas e 4,6 mil vidas perdidas para o SARS-CoV-2.

No dia 01 de janeiro de 2021 já havia 175 países com mais de 1 mil casos da covid-19, sendo 18 países com mais de 1 milhão de casos, 59 países no grupo de 100 mil a 1 milhão de casos, 50 países no grupo de 10 mil a 100 mil casos e 48 países com 1 a 10 mil casos. No dia 01 de setembro de 2021 eram 35 países com mais de 1 milhão de casos, 71 países no grupo de 100 mil a 1 milhão de casos, 61 países com 10 mil a 100 mil casos e 34 países com 1 mil a 10 mil casos (201 países no total). Mas a forma que a doença atingiu as diversas nações é bem diferenciada.

O Vietnã (com uma população de cerca de 100 milhões de habitantes) é um caso de sucesso inicial no controle da pandemia. Na última semana de janeiro todo o país estava parado para as comemorações do Ano Novo lunar (equivalente à última semana de dezembro nos países cristãos). As primeiras notícias da epidemia na China chegaram em meio às festividades. O Vietnã já teve experiências duras quando teve que lidar com a Síndrome Respiratória Aguda Grave – SARS, em 2002, e a Síndrome respiratória do Oriente Médio – MERS, em 2012, que são doenças advindas de outros tipos de coronavírus. Desta forma, o governo fechou imediatamente a fronteira com a China e não hesitou em alertar todo o país para a gravidade do que estava por vir.

O Vietnã teve sucesso inicial em fazer uma barreira sanitária, impondo um rígido controle sobre os portos e aeroportos, monitorando todas as pessoas que vinham de áreas expostas à epidemia. Depois interromperam as atividades nas escolas e universidades (que já estavam de recesso na última semana de janeiro). Na medida em que ia ficando clara a gravidade da situação o governo reforçou as medidas de quarentena fechando o comércio, fábricas e todas as atividades não essenciais. Rapidamente, o país adotou o lockdown (fechamento total) e realizou um rastreamento e monitoramento completo de todas as pessoas que entraram em contato com o vírus.

Como mostra o gráfico abaixo, o Vietnã teve sucesso em controlar a doença durante todo o ano de 2020 e o primeiro semestre de 2021. As ações adotadas no Vietnã garantiram que o país chegasse em 31/12/2020 com somente 1.465 casos registrados. No final do primeiro semestre, em 30/06/2021, o número de infectados chegou a 16.863 casos. Mas no dia 17 de setembro já tinha passado para 668 mil casos.

Desta forma, quando a pandemia já estava completamente espalhada pelo mundo, o Vietnã era um caso de sucesso. Mas a 1ª onda chegou no segundo semestre de 2021 na esteira da difusão da variante delta que atingiu diversos países do leste asiático.

casos diários da covid 19 vietnâ

 

Da mesma forma que o Vietnã conseguiu segurar o número de casos também conseguiu postergar o surto de mortes da covid-19. Até o dia 31/12/2020 foram registrados somente 105 mortes no Vietnã. Até o dia 30/06/2021 foram 81 vidas perdidas. Entretanto, no dia 17/09/2021 já eram 16,6 mil óbitos. Ou seja, a primeira onda da covid-19 só ocorreu no segundo semestre de 2021.

Em termos de coeficiente de incidência e de mortalidade dos montantes acumulados, o Vietnã tem 6,9 mil casos por milhão e 171 óbitos por milhão de habitantes. São números bem menores do que a média mundial que é de 30 mil casos por milhão e 603 óbitos por milhão. E menores também do que os coeficientes brasileiros, com cerca de 100 mil casos por milhão e 2,8 mil óbitos por milhão de habitantes.

óbitos diários da covid 19 vietnã

 

O exemplo do Irã é completamente diferente, pois os iranianos experimentaram a 1ª onda da covid-19 ainda em março de 2020, teve uma 2ª onda em meados de 2020, a 3ª onda no final do ano de 2020, a 4ª onda em abril de 2021 e a 5ª onda em agosto de 2021. Em termos acumulados, o Irã chegou a 5,4 milhões de casos no dia 17 de setembro, com coeficiente de incidência de 63,5 mil casos por milhão de habitantes.

casos diários da covid 19 irã

 

Em termos de mortalidade, o Irã também já experimentou cinco ondas. As ondas de mortalidade seguem as ondas de infecção, sendo que a 5ª onda foi a mais letal no Irã. Em termos acumulados, o Irã chegou a 117 mil óbitos no dia 17 de setembro, com coeficiente de mortalidade de 1,4 mil óbitos por milhão de habitantes.

óbitos diários da covid 19 irã

 

Os exemplos do Vietnã e do Irã mostram que a pandemia se expande de forma diferenciada nos diversos países. Os Estados Unidos estão vivendo a 3ª onda e o Brasil ultrapassou a 2ª onda e não se sabe se a pandemia vai continuar caindo ou se o Brasil vai enfrentar um novo surto covídico. Na dúvida, todo o cuidado é pouco. Portanto, não se pode abrir mão das medidas preventivas e nem relaxar antes da hora.

A pandemia está se mostrando muito resiliente e para vencer a doença a luta continua e não tem prazo para terminar.

José Eustáquio Diniz Alves
Doutor em demografia, link do CV Lattes:
http://lattes.cnpq.br/2003298427606382

 

Referências:

ALVES, JED. A pandemia de Coronavírus e o pandemônio na economia internacional, Ecodebate, 09/03/2020
https://www.ecodebate.com.br/2020/03/09/a-pandemia-de-coronavirus-covid-19-e-o-pandemonio-na-economia-internacional-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

Jornal da Globo. Brasil pode registrar mais mortes do que nascimentos em um mês. Rede Globo, 08/04/2021
https://g1.globo.com/jornal-da-globo/noticia/2021/04/08/pais-pode-registrar-mais-mortes-do-que-nascimentos-em-um-mes-dizem-pesquisadores.ghtml

ALVES, JED. Covid-19. Brasil regista pela primeira vez mais mortes que nascimentos, entrevista a Pedro Sá Guerra na Televisão Portuguesa (RTP), 15/04/2021
https://www.rtp.pt/noticias/mundo/covid-19-a-situacao-ao-minuto-do-novo-coronavirus-no-pais-e-no-mundo_e1313075

ALVES, JED; CAMARANO, AA. Tendências demográficas e pandemia de covid-19, Webinário IPEA, 23/06/2021
https://www.youtube.com/watch?v=Bzog2U-zBo0

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 20/09/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top