Aquecimento do clima está fazendo com que os animais ‘mudem de forma’

 

Troca de calor de (a) Geospiza fortis e (b) Geospiza fuliginosa
Troca de calor de (a) Geospiza fortis e (b) Geospiza fuliginosa. A temperatura do ar (Ta) e a temperatura medida na superfície do bico, da perna e da asa são mostradas. Barra de escala de 15 ° C (preto) a 40 ° C (branco). Reproduzido, com permissão, de Tattersall G.J. et al. Thermoregulatory windows in Darwin’s finches. Funct. Ecol. 2018; 32: 358-368

Aquecimento do clima está fazendo com que os animais ‘mudem de forma’

A mudança climática não é apenas um problema humano; os animais também precisam se adaptar a ela.

Alguns animais de “sangue quente” estão mudando de forma e ganhando bicos, pernas e orelhas maiores para regular melhor a temperatura do corpo conforme o planeta fica mais quente.

A pesquisadora Sara Ryding, da Deakin University, na Austrália, descreve essas mudanças em uma revisão publicada em 7 de setembro na revista Trends in Ecology and Evolution.

“Muitas vezes, quando as mudanças climáticas são discutidas na mídia tradicional, as pessoas se perguntam ‘os humanos podem superar isso?’, Ou ‘que tecnologia pode resolver isso?’. É hora de reconhecer que os animais também precisam se adaptar a essas mudanças, mas isso está ocorrendo em uma escala de tempo muito mais curta do que teria ocorrido na maior parte do tempo evolutivo ”, diz Ryding. “A mudança climática que criamos está acumulando muita pressão sobre eles e, embora algumas espécies se adaptem, outras não.”

Ryding observa que a mudança climática é um fenômeno complexo e multifacetado que vem ocorrendo progressivamente, então é difícil apontar apenas uma das causas da mudança de forma. Mas essas mudanças têm ocorrido em amplas regiões geográficas e entre uma ampla gama de espécies, portanto, há pouco em comum além das mudanças climáticas.

Mudanças de forma fortes têm sido relatadas principalmente em pássaros. Várias espécies de papagaios australianos mostraram, em média, um aumento de 4% a 10% no tamanho do bico desde 1871, e isso está positivamente correlacionado com a temperatura do verão a cada ano. Os juncos de olhos escuros norte-americanos, um tipo de pequeno pássaro canoro, tinham uma ligação entre o aumento do tamanho do bico e os extremos de temperatura de curto prazo em ambientes frios. Também foram relatadas mudanças em espécies de mamíferos. Os pesquisadores relataram aumentos no comprimento da cauda em ratos de madeira e aumentos no tamanho da cauda e das pernas em musaranhos mascarados.

“Os aumentos no tamanho do apêndice que vimos até agora são muito pequenos – menos de 10% – portanto, é improvável que as mudanças sejam imediatamente perceptíveis”, diz Ryding. “No entanto, prevê-se que apêndices proeminentes, como orelhas, aumentem, então podemos acabar com um Dumbo de ação em um futuro não muito distante.”

Em seguida, Ryding pretende investigar a mudança de forma em pássaros australianos em primeira mão, digitalizando em 3D espécimes de pássaros de museu nos últimos 100 anos. Isso dará a sua equipe uma melhor compreensão de quais pássaros estão mudando o tamanho do apêndice devido às mudanças climáticas e por quê.

“A mudança de forma não significa que os animais estão lidando com as mudanças climáticas e que tudo está ‘bem’, diz Ryding. “Significa apenas que eles estão evoluindo para sobreviver – mas não temos certeza de quais são as outras consequências ecológicas dessas mudanças, ou mesmo se todas as espécies são capazes de mudar e sobreviver.”

Referência:

Trends in Ecology & Evolution, Ryding et al.: “Shape-shifting: changing animal morphologies as a response to climatic warming
https://doi.org/10.1016/j.tree.2021.07.006

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 09/09/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe um comentário

Top