Povos indígenas são essenciais para o sucesso da conservação da natureza

O papel central e inseparável dos povos indígenas e comunidades locais na conservação equitativa e eficaz da biodiversidade
O papel central e inseparável dos povos indígenas e comunidades locais na conservação equitativa e eficaz da biodiversidade

Povos indígenas são essenciais para o sucesso da conservação da natureza

Povos indígenas e comunidades locais fornecem os melhores resultados de longo prazo para a conservação, de acordo com uma nova pesquisa da Universidade de East Anglia (UEA) e parceiros na França.

University of East Anglia*

O autor principal, Dr. Neil Dawson, da Escola de Desenvolvimento Internacional da UEA, fez parte de uma equipe internacional conduzindo uma revisão sistemática que concluiu que o sucesso da conservação é “a exceção e não a regra”.

Mas o estudo, publicado hoje na revista Ecology and Society, sugere que a resposta pode ser a conservação equitativa, que capacita e apóia a gestão ambiental dos povos indígenas e comunidades locais.

A equipe de pesquisa estudou os resultados de 169 projetos de conservação em todo o mundo – principalmente na África, Ásia e América Latina.

Da restauração de florestas nacionais em Taiwan e hortas comunitárias no Nepal à restauração de bacias hidrográficas no Congo, pesca sustentável na Noruega, gestão de caça na Zâmbia e preservação de zonas úmidas em Gana – a equipe levou em consideração uma série de projetos.

Eles investigaram como a governança – os arranjos e a tomada de decisões por trás dos esforços de conservação – afeta a natureza e o bem-estar dos povos indígenas e das comunidades locais.

O trabalho, que faz parte do projeto de pesquisa JustConservation financiado pela Fundação Francesa para Pesquisa em Biodiversidade (FRB) dentro de seu Centro de Síntese e Análise de Biodiversidade (CESAB), foi iniciado através da Comissão de Meio Ambiente da União Internacional para a Conservação da Natureza , Política Econômica e Social (IUCN CEESP).

É o resultado da colaboração entre 17 cientistas, incluindo investigadores da Escola Europeia de Ciências Políticas e Sociais (ESPOL) da Universidade Católica de Lille e da UEA.

O Dr. Dawson, pesquisador, examina a pobreza, o bem-estar e a justiça ambiental entre as populações rurais, particularmente os grupos sociais e étnicos pobres e marginalizados, e é membro do Comitê Diretor da Comissão de Política Ambiental, Econômica e Social da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN CEESP).

O Dr. Dawson disse: “Este estudo mostra que é hora de focar em quem conserva a natureza e como, em vez de qual porcentagem da Terra deve ser cercada.”

“A conservação liderada por Povos Indígenas e comunidades locais, com base em seus próprios conhecimentos e sistemas de posse, tem muito mais probabilidade de gerar resultados positivos para a natureza. Na verdade, a conservação muitas vezes falha porque exclui e subestima o conhecimento local e isso muitas vezes infringe os direitos e a diversidade cultural ao longo do caminho. ”

As organizações conservacionistas internacionais e os governos geralmente lideram os projetos de conservação, excluindo ou controlando as práticas locais, principalmente por meio de áreas estritamente protegidas.

O estudo recomenda que os Povos Indígenas e as comunidades locais precisam estar à frente dos esforços de conservação, com o apoio adequado de fora, incluindo políticas e leis que reconhecem seus sistemas de conhecimento ”.

Além disso, é imperativo mudar para essa abordagem sem demora, disse o Dr. Dawson.

“As negociações políticas atuais, especialmente as próximas cúpulas da ONU sobre clima e biodiversidade, devem abraçar e ser responsáveis ??por garantir o papel central dos Povos Indígenas e comunidades locais nos principais programas climáticos e de conservação. Caso contrário, eles provavelmente marcarão mais uma década de práticas bem-intencionadas que resultarão em declínio ecológico e danos sociais.

“Seja para reservas de tigres na Índia, comunidades costeiras no Brasil ou prados de flores silvestres no Reino Unido, as evidências mostram que a mesma base para uma conservação bem-sucedida por meio da administração é verdadeira. Atualmente, esta não é a forma como os principais esforços de conservação funcionam. ”

De um pool inicial de mais de 3.000 publicações, 169 foram encontrados para fornecer evidências detalhadas dos lados sociais e ecológicos da conservação.

Surpreendentemente, os autores descobriram que 56 por cento dos estudos que investigavam a conservação sob controle ‘local’ relataram resultados positivos tanto para o bem-estar quanto para a conservação humana.

Para a conservação controlada ‘externamente’, apenas 16 por cento relataram resultados positivos e mais de um terço dos casos resultaram em conservação ineficaz e resultados sociais negativos, em grande parte devido aos conflitos surgidos com as comunidades locais.

No entanto, simplesmente conceder controle às comunidades locais não garante automaticamente o sucesso da conservação.

As instituições locais são tão complexas quanto os ecossistemas que governam, e esta revisão destaca que uma série de fatores devem estar alinhados para realizar uma gestão bem-sucedida.

Coesão comunitária, conhecimento e valores compartilhados, inclusão social, liderança eficaz e autoridade legítima são ingredientes importantes que muitas vezes são interrompidos por processos de globalização, modernização ou insegurança e podem levar muitos anos para se restabelecer.

Além disso, fatores além da comunidade local podem impedir muito a administração local, como leis e políticas que discriminam os costumes e sistemas locais em favor de atividades comerciais. O movimento em direção a uma conservação mais equitativa e eficaz pode, portanto, ser visto como um processo contínuo e colaborativo.

O Dr. Dawson disse: “Os sistemas de conhecimento e ações dos povos indígenas e das comunidades locais são o principal recurso que pode gerar uma conservação bem-sucedida. Tentar substituí-los é contraproducente, mas continua, e as atuais negociações de política internacional e as promessas resultantes de aumentar muito a área global de terra e mar reservada para a conservação estão negligenciando esse ponto-chave.

“As estratégias de conservação precisam mudar, para reconhecer que o fator mais importante para alcançar resultados de conservação positivos não é o nível de restrições ou a magnitude dos benefícios fornecidos às comunidades locais, mas sim reconhecer as práticas culturais locais e a tomada de decisões. É imperativo mudar agora para uma era de conservação por meio da administração. ”

The role of Indigenous Peoples and local communities in effective and equitable conservation‘ foi publicado na revista Ecology and Society em 2 de setembro de 2021

Referência:

Dawson, N. M., B. Coolsaet, E. J. Sterling, R. Loveridge, N. D. Gross-Camp, S. Wongbusarakum, K. K. Sangha, L. M. Scherl, H. Phuong Phan, N. Zafra-Calvo, W. G. Lavey, P. Byakagaba, C. J. Idrobo, A. Chenet, N. J. Bennett, S. Mansourian, and F. J. Rosado-May. 2021. The role of Indigenous peoples and local communities in effective and equitable conservation. Ecology and Society 26(3):19.
https://doi.org/10.5751/ES-12625-260319

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 03/09/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe um comentário

Top