Impactos psicológicos da alergia alimentar

 

Impactos psicológicos da alergia alimentar

Os desafios da gestão da alergia alimentar são complexos e podem gerar impactos psicológicos significativos nos pacientes e em seus pais.

Embora no Brasil ainda não haja estatísticas oficiais sobre alergia alimentar, a prevalência parece se assemelhar com a literatura internacional, que mostra cerca de 8% das crianças, com até dois anos de idade, com algum tipo de alergia alimentar. O primeiro tratamento, após o diagnóstico do especialista, é a exclusão do alimento que causa a alergia.

Porém, quanto menor a criança e maior o número de alérgenos a serem excluídos, maior também será o sofrimento psíquico de seus pais, que precisam assumir todos os cuidados envolvendo o estabelecimento e manutenção da dieta de restrição e o suporte com a administração de medicamentos em caso de reação acidental.

A psicóloga Érika Gomes, doutoranda e mestre em psicologia clínica pela PUC-SP, conta que pesquisas apontam que uma em cada cinco mães de alérgicos apresentam transtorno de ansiedade generalizada, um terço das mães acima do limiar para transtorno do pânico e ansiedade social e que a alergia é preditor positivo para depressão.

Leite, ovo, soja, trigo, amendoim, castanhas, gergelim, peixes e frutos do mar são os principais alimentos desencadeadores de alergia alimentar. Os sintomas são bastante variados. “Entre as manifestações possíveis, destacam-se as cutâneas, gastrointestinais, respiratórias, cardiovasculares e nos casos mais graves a anafilaxia, que pode levar a óbito”, explica a Coordenadora do Departamento Científico de Alergia Alimentar da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI) Dra. Jackeline Motta Franco.

Como minimizar os impactos na criança com a alergia alimentar: A forma como os pais estabelecerão o manejo da alergia com seu filho interferirá na forma como ele vivenciará a alergia. “É importante que os pais obtenham conhecimento adequado, suporte emocional e se sintam autoconfiantes para contribuir para que sua criança vivencie a alergia alimentar de forma leve e possam enfrentar as situações diárias envolvendo a sua restrição com autoconfiança”, explica Érika.

A psicóloga elenca algumas sugestões para as famílias que estão passando pela descoberta do diagnóstico de alergia alimentar:

– Busque não vitimizar a criança em função de sua alergia alimentar. Sendo empático, solidarizando-se com sua condição, mas ensinando que as limitações fazem parte da vida e é possível enfrentá-las de diferentes formas.

-Seja solidário com a criança! Estabeleça algumas refeições, no ambiente familiar, em que todos os membros possam desfrutar do mesmo alimento.

– Encontre maneiras de demonstrar afeto à criança que não estejam relacionadas ao alimento. Alimento não é a nossa única forma de demonstrar afeto: abraços, bilhetinhos, passeios, fotografias também revelam nosso amor.

– Busque realizar atividades sociais como ir a festas e eventos sociais, mantendo os devidos cuidados para que a criança não tenha contato com o alimento alergênico. Lembrando que há atividades sociais menos relacionadas ao consumo de alimentos como visitas à museus, feiras de livros que podem se apresentar como opções mais seguras e inclusivas.

– Estabeleça uma rede de apoio. Compartilhar com amigos e familiares informações sobre a alergia alimentar, buscando ampliar a conscientização. Dessa forma, a criança se sentirá mais respeitada, incluída e segura.

– Dê a oportunidade de a criança expressar seus sentimentos, dúvidas e desejos envolvendo a sua restrição, auxiliando-a a encontrar seus próprios recursos internos para lidar com as situações que precisa enfrentar envolvendo a sua alergia alimentar.

– Contribua para que a criança reconheça a alergia alimentar como parte da vida e que é possível estar bem lidando com ela.

Alergia alimentar na escola: A família e a escola precisam se preparar para gerenciar os cuidados com a alergia implementando práticas para minimizar riscos de contato acidental com o alimento alergênico tanto no ambiente familiar quanto no escolar. É preciso que professores e os demais funcionários da escola saibam reconhecer os sintomas e como agir em caso de reação. “É importante favorecer a inclusão da criança em diversas atividades familiares, sociais e escolares e, assim, propiciar que a criança viva a vida a despeito da alergia alimentar, não em função dela”, comenta a psicóloga.

A alergia alimentar é uma reação imunológica a determinado alimento. Existe uma predisposição genética para isso e, nos últimos anos, se reconhece a influência do meio ambiente neste processo – mudança de estilo de vida e alimentação são alguns dos fatores mais associados. “Ao reconhecer a proteína como alérgeno, o sistema imunológico deflagra algumas respostas que acabam por se manifestar em forma de sintomas desagradáveis e potencialmente graves”, explica Dra. Jackeline, da ASBAI.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 03/09/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe um comentário

Top