Pesquisa revela a localização e a intensidade das ameaças globais à biodiversidade

 

Pesquisa revela a localização e a intensidade das ameaças globais à biodiversidade

Usando uma nova abordagem de modelagem, uma nova pesquisa publicada na Nature Ecology and Evolution revela a localização e intensidade das principais ameaças à biodiversidade em terra e identifica áreas prioritárias em todo o mundo para ajudar a informar a tomada de decisões de conservação em níveis nacional e local.

International Institute for Applied Systems Analysis (IIASA)*

Os cientistas da IIASA fazem parte de uma equipe de pesquisadores líderes que produziram mapas globais para as seis principais ameaças que afetam anfíbios terrestres, pássaros e mamíferos: agricultura, caça e captura, extração madeireira, poluição, espécies invasivas e mudança climática. Os resultados mostram que a agricultura e a exploração madeireira são difundidas nos trópicos e que a caça e a captura é a ameaça geograficamente mais difundida para mamíferos e pássaros. Existem áreas continentais consideráveis ??nas quais há mais de 50% de chance de que qualquer espécie de anfíbio, mamífero ou ave seja ameaçada pela exploração madeireira, caça e captura, agricultura, espécies invasoras ou mudanças climáticas.

O mundo está enfrentando uma crise global da natureza, mas as informações sobre a localização e a intensidade das ameaças responsáveis ??pela perda de biodiversidade permanecem limitadas. As informações sobre a intensidade espacial das ameaças e como elas afetam as espécies no solo são extremamente importantes para melhorar e direcionar as respostas de conservação. Este estudo apresenta uma primeira tentativa de mapear essas informações e uma trilha de pesquisa para melhorar nossa compreensão de como as ameaças à biodiversidade variam em todo o mundo.

O uso da Lista Vermelha da IUCN para mapear ameaças aos vertebrados terrestres em uma escala global identifica a ameaça mais prevalente para cada taxa. Ele conclui que a agricultura é a maior ameaça aos anfíbios, sendo a ameaça mais prevalente a essas espécies em 44% das terras globais. Para pássaros e mamíferos, a caça e captura são mais prevalentes, classificando-se como a maior ameaça em 50% da terra para pássaros e 73% da terra para mamíferos. A agricultura é a ameaça mais prevalente para anfíbios, mamíferos e pássaros juntos.

A pesquisa também identifica locais onde as ameaças são particularmente prevalentes. No sudeste da Ásia, especialmente nas ilhas de Sumatra e Bornéu, bem como em Madagascar, há um alto risco de impacto de todas as seis ameaças a anfíbios, pássaros e mamíferos. Para os anfíbios, a Europa se destacou como uma região de alto impacto ameaçador devido a uma combinação de agricultura, espécies invasoras e poluição. As regiões polares, a costa leste da Austrália e a África do Sul são mais propensas a sofrer o impacto das mudanças climáticas, afetando principalmente as aves.

O Dr. Mike Harfoot, um dos dois principais autores do artigo, Centro de Monitoramento da Conservação Mundial do Programa Ambiental da ONU (UNEP-WCMC), diz: “Estamos enfrentando uma crise global da natureza e os próximos dez anos são uma janela crucial para aproveitar ação decisiva para enfrentar a perda de biodiversidade. Nossos resultados revelam a localização e a intensidade das ameaças à natureza causadas pelo homem. Essas informações podem apoiar os tomadores de decisão em uma variedade de níveis na identificação de onde as ações para reduzir essas ameaças podem produzir os melhores resultados para as pessoas e o planeta. Com mais trabalho, vamos melhorar essas informações em termos de precisão e amplitude de natureza considerada. ”

Para ajudar a orientar a ação de conservação, os autores também combinaram dados de impacto de ameaças com informações espaciais sobre a importância da biodiversidade para criar mapas de risco de conservação que identificam áreas de alta prioridade para mitigação de ameaças. Esses mapas são uma ferramenta que pode apoiar e informar a tomada de decisões em nível nacional e em outros níveis, conforme apropriado. As áreas identificadas incluem o Himalaia, sudeste da Ásia, a costa leste da Austrália, a floresta seca de Madagascar, a fenda Albertine e as montanhas do arco leste na África oriental, as florestas guineenses da África Ocidental, a Mata Atlântica, a bacia amazônica e o norte Andes no Panamá e Costa Rica na América do Sul e Central.

O Dr. Piero Visconti, coautor do estudo que lidera o Grupo de Pesquisa em Biodiversidade, Ecologia e Conservação da IIASA, afirma: “Apesar dos sensores onipresentes e da tecnologia avançada, ainda sabemos muito pouco sobre a localização exata e a intensidade de alguns dos mais importantes ameaças a espécies, como caça e captura e a presença de espécies invasoras. Levantamentos locais são insubstituíveis para se ter uma imagem local precisa da distribuição e impactos dessas ameaças, mas são desafiadores e intensivos em recursos, portanto, difíceis de fazer na escala em que algumas decisões de conservação são tomadas. Esta análise é um primeiro passo importante que pode ajudar a direcionar eficientemente as avaliações locais de ameaças específicas à biodiversidade terrestre e começar a identificar as soluções locais mais adequadas. ”

Em 2022, a Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica se reunirá em Kunming, China, e deverá adotar uma estrutura de biodiversidade global pós-2020, um novo plano global para a natureza. A pesquisa divulgada hoje ajuda a demonstrar os vários tipos e amplitude geográfica das ameaças às espécies terrestres e, portanto, a escala do desafio de transformação que a estrutura deve oferecer se quisermos conservar a vida na Terra.

Crédito da imagem: Harfoot et al., (2021) Usando a Lista Vermelha da IUCN para mapear ameaças aos vertebrados terrestres em escala global, Nature Ecology and Evolution. https://doi.org/10.1038/s41559-021-01542-9
Crédito da imagem: Harfoot et al., (2021) Usando a Lista Vermelha da IUCN para mapear ameaças aos vertebrados terrestres em escala global, Nature Ecology and Evolution. https://doi.org/10.1038/s41559-021-01542-9

 

Referência:

Harfoot, M.B.J., Johnston, A., Balmford, A. et al. Using the IUCN Red List to map threats to terrestrial vertebrates at global scale. Nat Ecol Evol (2021). https://doi.org/10.1038/s41559-021-01542-9

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 31/08/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top