A principal corrente do oceano Atlântico pode estar próxima do limite crítico

 

principal corrente do oceano Atlântico
Imagem: NASA/Goddard Space Flight Center Scientific Visualization Studio / Agência FAPESP

A principal corrente do oceano Atlântico pode estar próxima do limite crítico

Circulação de Revolvimento Meridional do Atlântico – Um colapso potencial deste sistema de correntes oceânicas poderia ter consequências graves

A principal corrente do oceano Atlântico, à qual pertence também a corrente do Golfo, pode ter perdido estabilidade ao longo do século passado. Isso é mostrado em um novo estudo publicado na Nature Climate Change.

A Circulação de Revolvimento Meridional do Atlântico, ou AMOC, transporta massas de água quente dos trópicos para o norte na superfície do oceano e água fria para o sul no fundo do oceano, o que é mais relevante para as temperaturas relativamente amenas na Europa. Além disso, influencia os sistemas meteorológicos em todo o mundo. Um colapso potencial deste sistema de correntes oceânicas poderia, portanto, ter consequências graves.

Potsdam Institute for Climate Impact Research*

“O Atlantic Meridional Overturning é realmente um dos principais sistemas de circulação do nosso planeta”, diz o autor do estudo, Niklas Boers, do Instituto Potsdam para Pesquisa de Impacto Climático, Freie Universität Berlin e Exeter University. “Já sabemos de algumas simulações de computador e de dados do passado da Terra, os chamados registros proxy paleoclimáticos, que o AMOC pode exibir – além do modo forte atualmente obtido – uma alternativa, modo de operação substancialmente mais fraco. Esta bi-estabilidade implica que as transições abruptas entre os dois modos de circulação são, em princípio, possíveis. ”

A perda de estabilidade dinâmica pode levar ao colapso

Foi demonstrado anteriormente que o AMOC está atualmente em seu ponto mais fraco em mais de 1000 anos. No entanto, até agora permaneceu uma questão em aberto se o enfraquecimento observado corresponde a uma mudança no estado médio de circulação, ou se está associado a uma perda real de estabilidade dinâmica. “A diferença é crucial”, diz Niklas Boers, “porque a perda de estabilidade dinâmica implicaria que o AMOC se aproximou de seu limite crítico, além do qual poderia ocorrer uma transição substancial e na prática provavelmente irreversível para o modo fraco”.

Infelizmente, não existem dados observacionais de longo prazo sobre a força do AMOC, mas o AMOC deixa as chamadas impressões digitais na temperatura da superfície do mar e nos padrões de salinidade do oceano Atlântico. “Uma análise detalhada dessas impressões digitais em oito índices independentes sugere agora que o enfraquecimento do AMOC durante o século passado provavelmente está associado a uma perda de estabilidade”, diz Boers. “Os resultados apoiam a avaliação de que o declínio do AMOC não é apenas uma flutuação ou uma resposta linear ao aumento das temperaturas, mas provavelmente significa a aproximação de um limite crítico além do qual o sistema de circulação pode entrar em colapso.”

Além do aquecimento global, o influxo de água doce é um fator – que também está ligado às mudanças climáticas
Vários fatores são provavelmente importantes para o fenômeno – fatores que contribuem para o efeito direto que o aquecimento do oceano Atlântico tem sobre sua circulação. Isso inclui o influxo de água doce do derretimento da camada de gelo da Groenlândia, derretimento do gelo marinho, aumento da precipitação e escoamento do rio. A água doce é mais leve do que a salgada e reduz a tendência da água de afundar da superfície para maiores profundidades, o que é um dos motores do tombamento.

“Eu não esperava que as quantidades excessivas de água doce adicionadas no decorrer do século passado já produzissem tal resposta na circulação”, diz Boers. “Precisamos urgentemente reconciliar nossos modelos com as evidências observacionais apresentadas para avaliar quão longe ou quão perto de seu limite crítico o AMOC realmente está.” Embora a relevância respectiva dos diferentes fatores deva ser investigada mais profundamente, eles estão todos ligados às mudanças climáticas causadas pelo homem.

Referência:

Niklas Boers (2021): Observation-based early-warning signals for a collapse of the Atlantic Meridional Overturning Circulation. Nature Climate Change. DOI: 10.1038/s41558-021-01097-4

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 05/08/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top