Aquecimento acelerado aumenta a frequência e intensidade das ondas de calor

 

ondas de calor na Europa

Aquecimento acelerado aumenta a frequência e intensidade das ondas de calor

Ondas de calor que obliteram os recordes de temperatura como no oeste do Canadá no mês passado e na Sibéria no ano passado são causadas pelo ritmo acelerado do aquecimento global, disseram os pesquisadores na segunda-feira.

Por Marlowe Hood *, in Phys.org

As descobertas, relatadas na Nature Climate Change , sugerem que a humanidade provavelmente verá muito mais temperaturas mortais nas próximas décadas.

“Como estamos em um período de aquecimento muito rápido, precisamos nos preparar para mais eventos de calor que quebrem os recordes anteriores por grandes margens”, autor principal Erich Fischer, um cientista sênior da ETH Zurich e um dos principais autores da avaliação de ciência do clima da ONU atualmente em revisão, disse à AFP.

A onda de calor que devastou a Colúmbia Britânica viu as temperaturas atingirem 49,6 graus Celsius (121 Fahrenheit), mais de cinco graus acima do dia mais quente registrado no Canadá até aquele ponto.

As taxas atuais de aquecimento – cerca de 0,2 graus Celsius por décadas – provavelmente continuarão por pelo menos mais 10 a 20 anos, não importa a rapidez com que a humanidade reduza a poluição de carbono que impulsiona o aquecimento global, alerta o estudo.

Mas os esforços para reduzir os gases do efeito estufa na próxima década terão retorno mais tarde.

“A probabilidade futura de extremos que quebrem recordes depende do caminho das emissões que nos leva a um determinado nível de aquecimento”, disse Fischer.

Até agora, a pesquisa sobre como o aquecimento global afetará as ondas de calor tem se concentrado principalmente em quanto as temperaturas aumentaram em comparação com algum período de referência, e não na rapidez.

É claro que isso é extremamente importante, e a ciência mostrou sem dúvida que um mundo mais quente produzirá mais e mais ondas de calor.

Mas não levar em conta a rapidez com que as temperaturas sobem não consegue capturar uma parte importante da imagem.

Clima com esteroides

“Sem as mudanças climáticas, seria de se esperar que as temperaturas recordes se tornassem mais raras quanto mais medimos”, explicou Fischer.

Da mesma forma, se as temperaturas globais médias se estabilizassem – digamos, 1,5 grau Celsius acima dos níveis de meados do século 19, a meta aspiracional do Acordo de Paris – novos registros dramáticos se tornariam progressivamente menos frequentes.

Fischer o compara ao atletismo, onde quanto mais tempo uma disciplina existe, mais difícil é bater o recorde mundial. Os recordes de salto em comprimento e em altura, por exemplo, já existem há décadas, ou só foram ultrapassados ??por um ou dois centímetros.

Mas se os atletas começarem a tomar drogas para melhorar o desempenho, como aconteceu no beisebol dos Estados Unidos no final da década de 1990, os recordes serão repentinamente quebrados com frequência e muito.

“O clima atualmente se comporta como um atleta em esteroides”, disse Fischer.

Pelas taxas atuais de emissões de gases de efeito estufa, o mundo está a caminho de continuar aquecendo às taxas atuais para mais de 3ºC em 2100.

“Este é um estudo muito importante”, comentou Tim Palmer, um professor pesquisador da Universidade de Oxford que não esteve envolvido nas descobertas.

Mas modelos climáticos com resolução muito mais alta – como uma câmera com 64 megapixels em vez de 16 – são necessários para simular as ondas de calor monstruosas observadas no mundo nos últimos 20 anos.

“Este novo estudo destaca o alto potencial de extremos que quebram recordes “, incluindo o tipo de chuva extrema que assolou a Alemanha e a China no início deste mês, observou Rowan Sutton, professor do Centro Nacional de Ciência Atmosférica da Universidade de Reading , na Grã-Bretanha.

“Embora possa não parecer rápido para nós, a Terra está se aquecendo a uma taxa sem precedentes na história da civilização humana.”

Referência:

Fischer, E.M., Sippel, S. & Knutti, R. Increasing probability of record-shattering climate extremes. Nat. Clim. Chang. (2021). https://doi.org/10.1038/s41558-021-01092-9

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 26/07/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top