Mudança climática pode limitar o papel do ecossistema na remoção de CO2 atmosférico

 

Florestas de sequoias como esta no condado de Humboldt, na Califórnia, são componentes-chave dos esforços de mitigação das mudanças climáticas do estado. Foto: Shane Coffield / UCI
Florestas de sequoias como esta no condado de Humboldt, na Califórnia, são componentes-chave dos esforços de mitigação das mudanças climáticas do estado. Foto: Shane Coffield / UCI

Mudança climática pode limitar o papel do ecossistema na remoção de CO2 atmosférico

Pesquisadores sugerem que as emissões contínuas de gases de efeito estufa podem limitar a capacidade das árvores de remover dióxido de carbono da atmosfera

Para cumprir uma meta ambiciosa de neutralidade de carbono até 2045, os legisladores da Califórnia estão contando em parte com florestas e arbustos para remover CO2 da atmosfera, mas pesquisadores da Universidade da Califórnia em Irvine alertam que as mudanças climáticas futuras podem limitar a capacidade do ecossistema de realizar este serviço.

Em um artigo publicado no jornal da American Geophysical Union AGU Advances , os cientistas do sistema UCI Earth enfatizaram que o aumento das temperaturas e a precipitação incerta causarão uma diminuição na capacidade de armazenamento natural de carbono da Califórnia de até 16 por cento sob uma projeção climática extrema e de quase 9 por cento em um cenário mais moderado.

“Este trabalho destaca o enigma que a mudança climática representa para o estado da Califórnia”, disse o autor principal Shane Coffield, um UCI Ph.D. candidato em ciência do sistema terrestre. “Precisamos de nossas florestas e outras áreas cobertas por plantas para fornecer uma ‘solução climática natural’ de remoção de dióxido de carbono do ar, mas o calor e a seca causados pelo próprio problema que estamos tentando resolver podem tornar mais difícil alcançar nosso Objetivos.”

Árvores e plantas retiram CO2 da atmosfera quando fazem a fotossíntese, e parte do carbono acaba sendo armazenado em sua biomassa ou no solo. A estratégia climática da Califórnia depende em parte de um armazenamento aprimorado de carbono para compensar algumas das emissões de transporte, geração de energia e outras fontes. Espera-se que a combinação desse sistema natural de sequestro de carbono e medidas para promover a energia verde ajude o estado a alcançar sua meta de não contribuir com carbono líquido para o meio ambiente até 2045.

Mas os cientistas da UCI sugerem que uma abordagem ainda mais agressiva para reduzir as emissões pode ser necessária.

“O cenário de emissões que seguimos terá um grande efeito no potencial de armazenamento de carbono de nossas florestas”, disse o coautor James Randerson, que detém a cadeira Ralph J. & Carol M. Cicerone em Ciência do Sistema Terrestre na UCI. “Um cenário de emissões mais moderado em que convertemos para fontes de energia mais renováveis leva a cerca de metade da perda de carbono do ecossistema [sequestro] em comparação com um cenário de emissões mais extremas.”

Coffield disse que os modelos climáticos atuais não estão de acordo sobre a precipitação futura da Califórnia, mas é provável que a parte norte do estado fique mais úmida e a parte sul mais seca. Ele também disse que as áreas costeiras do centro e norte da Califórnia e áreas montanhosas de baixa e média elevação – locais de grandes projetos de compensação – têm maior probabilidade de perder parte de seus poderes de sequestro de carbono nas próximas décadas.

Além disso, os pesquisadores foram capazes de estimar os efeitos das mudanças climáticas em espécies de árvores específicas. Eles projetam que as sequoias costeiras ficarão restritas ao extremo norte de sua área de distribuição no final do século e que as condições mais quentes e secas favorecerão os carvalhos em detrimento das coníferas.

Embora o estudo tenha usado modelagem estatística para perscrutar o futuro dos ecossistemas do estado, a pesquisa também destaca a importância da seca e dos incêndios florestais atuais como principais condutores mecanicistas das perdas por sequestro de carbono. Outros estudos estimam que a seca de 2012-2015 matou mais de 40 por cento dos pinheiros ponderosa na cordilheira de Sierra Nevada. Outro problema que os pesquisadores descrevem é a perda de árvores devido ao agravamento da situação do incêndio florestal na Califórnia.

“Esperamos que este trabalho forneça informações sobre a gestão da terra e as políticas climáticas para que medidas possam ser tomadas para proteger os estoques de carbono existentes e as espécies de árvores nos locais mais vulneráveis ao clima”, disse Randerson. “A gestão eficaz do risco de incêndio é essencial para limitar as perdas de carbono [sequestro] em grande parte do estado.”

Junto com Coffield e Randerson neste projeto estavam Kyle Hemes, do Stanford Woods Institute for the Environment da Stanford University; Charles Koven, da Divisão de Ciências Climáticas e Ecossistêmicas do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley; e Michael Goulden, professor de ciência do sistema terrestre e ecologia e biologia evolutiva da UCI. O estudo recebeu financiamento da National Science Foundation, do UC National Laboratory Fees Research Program e do California Strategic Growth Council’s Climate Change Research Program.

Referência:

Coffield, S. R., Hemes, K. S., Koven, C. D., Goulden, M. L., & Randerson, J. T. (2021). Climate-driven limits to future carbon storage in California’s wildland ecosystems. AGU Advances, 2, e2021AV000384. https://doi.org/10.1029/2021AV000384

 

Henrique Cortez, tradução e edição, a partir de original da University of California, Irvine

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 22/07/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top