Covid-19 – Estudo liga a resposta imune da vacina à idade

 

vacina covid 19

Covid-19 – Estudo liga a resposta imune da vacina à idade

“A vacina ainda produz fortes respostas imunológicas em comparação com a infecção natural na maioria dos indivíduos mais velhos, mesmo que sejam mais baixas do que os mais jovens”

Nova pesquisa destaca a importância de aumentar a vacinação para proteger adultos mais velhos vacinados

Por Erik Robinson *

Pessoas mais velhas parecem ter menos anticorpos contra o novo coronavírus, sugere um novo estudo de laboratório da Oregon Health & Science University.

Os anticorpos são proteínas do sangue que são produzidas pelo sistema imunológico para proteger contra infecções. Eles são conhecidos por serem importantes na proteção contra a infecção por SARS-CoV-2.

O estudo foi publicado hoje no Journal of the American Medical Association .

“Nossas populações mais velhas são potencialmente mais suscetíveis às variantes, mesmo se forem vacinadas”, disse o autor sênior Fikadu Tafesse. , professor assistente de microbiologia molecular e imunologia na OHSU School of Medicine.

Tafesse e colegas enfatizaram que, embora tenham medido a resposta diminuída de anticorpos em pessoas mais velhas, a vacina ainda parecia ser eficaz o suficiente para prevenir infecções e doenças graves na maioria das pessoas de todas as idades.

“A boa notícia é que nossas vacinas são realmente fortes”, disse Tafesse.

No entanto, com a desaceleração da adoção da vacina em Oregon e nos Estados Unidos, os pesquisadores dizem que suas descobertas ressaltam a importância de promover a vacinação nas comunidades locais.

A vacinação reduz a propagação do vírus e de variantes novas e potencialmente mais transmissíveis, especialmente para pessoas mais velhas que parecem ser mais suscetíveis a infecções invasivas.

“Quanto mais pessoas são vacinadas, menos o vírus circula”, disse Tafesse. “Os idosos não estão totalmente seguros apenas porque foram vacinados; as pessoas ao seu redor também precisam ser vacinadas. No final das contas, este estudo realmente significa que todos precisam ser vacinados para proteger a comunidade. ”

Os pesquisadores mediram a resposta imunológica no sangue de 50 pessoas, duas semanas após a segunda dose da vacina Pfizer contra COVID-19. Eles agruparam os participantes em grupos de idade e, em seguida, expuseram seu soro sanguíneo em tubos de ensaio ao vírus SARS-CoV-2 “selvagem” original e à variante P.1 (também conhecida como gama), originários do Brasil.

O grupo mais jovem – todos na casa dos 20 anos – teve um aumento de quase sete vezes na resposta de anticorpos em comparação com o grupo mais velho de pessoas entre 70 e 82 anos de idade. Na verdade, os resultados do laboratório refletiram uma progressão linear clara do mais jovem ao mais velho: quanto mais jovem o participante, mais robusta é a resposta de anticorpos.

“Pessoas mais velhas podem ser mais suscetíveis a variantes do que indivíduos mais jovens”, disse Tafesse.

Os resultados destacam a importância da vacinação de pessoas idosas, bem como outras pessoas que podem ser mais vulneráveis ao COVID-19, disse o co-autor Marcel Curlin, MD , professor associado de medicina (doenças infecciosas) na Escola de Medicina OHSU.

“A vacina ainda produz fortes respostas imunológicas em comparação com a infecção natural na maioria dos indivíduos mais velhos, mesmo que sejam mais baixas do que os mais jovens”, disse Curlin. “A vacinação neste grupo pode fazer a diferença entre doenças graves e leves e provavelmente reduz as chances de transmissão da SARS-CoV-2 a outra pessoa.”

A pesquisa foi apoiada em parte por uma doação irrestrita do MJ Murdock Charitable Trust; o National Institutes of Health concede R01AI145835 e a bolsa de treinamento T32AI747225; e OHSU Innovative IDEA grant 1018784.

Referência:

Bates TA, Leier HC, Lyski ZL, et al. Age-Dependent Neutralization of SARS-CoV-2 and P.1 Variant by Vaccine Immune Serum Samples. JAMA. Published online July 21, 2021. doi:10.1001/jama.2021.11656
https://doi.org/10.1001/jama.2021.11656

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 21/07/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top