As florestas intactas globais estão sob pressão das indústrias extrativas

 

As florestas intactas globais estão sob pressão das indústrias extrativas

Florestas intactas são críticas para a conservação da biodiversidade e o combate às mudanças climáticas

Um novo estudo da WCS e WWF revela que quase 20 por cento das paisagens de floresta intacta tropical (IFLs) se sobrepõem com concessões para indústrias extrativas, como mineração, petróleo e gás. A área total de sobreposição é de 376.449 milhas quadradas (975.000 quilômetros quadrados), aproximadamente o tamanho do Egito.

As concessões de mineração se sobrepõem principalmente aos IFLs tropicais, com 11,33% da área total, enquanto as concessões de petróleo e gás se sobrepõem com 7,85% da área total.

Os IFLs são globalmente importantes para a conservação da biodiversidade e o combate às mudanças climáticas. Essas paisagens representam alguns dos últimos lugares da Terra que ainda contêm conjuntos de espécies em níveis quase naturais de abundância. De acordo com as estimativas de 2013, restam 549 milhões de acres de florestas tropicais intactas. Apenas 20% das florestas tropicais podem ser consideradas “intactas”, mas essas áreas armazenam cerca de 40% do carbono acima do solo encontrado em todas as florestas tropicais. Pelo menos 35% das florestas intactas abrigam e são protegidas por povos indígenas marginalizados política e economicamente.

Apesar do valor extraordinário das florestas intactas para a biodiversidade e a humanidade, elas estão diminuindo a uma taxa alarmante, com mais de 7 por cento de sua área total perdida entre 2000 e 2013. Embora o crescimento das indústrias extrativas seja reconhecido como uma ameaça aos IFLs, a extensão de esta ameaça não foi bem compreendida antes deste estudo.

Os autores calcularam a sobreposição espacial das concessões extrativas – especificamente, mineração e petróleo e gás – com conjuntos de dados do IFL em três regiões tropicais: América do Sul, Ásia-Pacífico e África Central. Destas regiões, os IFLs da África Central tiveram a maior sobreposição com as concessões extrativas (26 por cento). Além disso, eles identificaram os estágios específicos de projetos extrativos que se sobrepõem aos IFLs e descobriram que a maioria dos arrendamentos está em estágio de exploração.

Disse o Dr. Hedley Grantham, principal autor do estudo. “Muitos desses projetos extrativos ainda estão nos estágios iniciais. Embora isso possa implicar em uma ameaça futura significativa para os IFLs, também significa que há uma oportunidade de mitigar os impactos potenciais antes que eles ocorram.”

Os autores recomendam que as empresas incorporem o planejamento de prevenção na fase de concepção dos projetos extrativos, levando em consideração as áreas de floresta intacta mais importantes. Idealmente, a coordenação com os governos permitirá o planejamento em escala da paisagem. Os autores encorajam os governos a não alocar concessões extrativas dentro dos IFLs, sempre que possível. Com o planejamento apropriado, impactos futuros para esses ecossistemas cruciais podem ser evitados.

O estudo foi publicado na revista Frontiers in Forests and Global Change .

WCS é membro da Forests for Life (FFL), uma parceria com Re: wild, Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas, World Resources Institute e Rainforest Foundation Norway. Trabalhando com governos nacionais, povos indígenas, comunidades locais e outros, a FFL tem dois objetivos – colocar a integridade ecológica no centro do manejo e conservação das florestas do mundo e interromper e reverter declínios de integridade em 1 bilhão de hectares das florestas mais intactas em todo o mundo .

Referência:

Grantham Hedley S., Tibaldeschi Paolo, Izquierdo Pablo, Mo Karen, Patterson David J., Rainey Hugo, Watson J. E. M., Jones Kendall R.
The Emerging Threat of Extractives Sector to Intact Forest Landscapes
Frontiers in Forests and Global Change
DOI=10.3389/ffgc.2021.692338

 

Henrique Cortez, tradução e edição, a partir de informações da WCS (Wildlife Conservation Society)

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 16/07/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top