Aumento da acidez na atmosfera afeta o equilíbrio ecológico dos oceanos

 

poluição
Foto: Banco Mundial/Curt Carnemark

Aumento da acidez na atmosfera afeta o equilíbrio ecológico dos oceanos

O primeiro estudo a examinar o impacto da acidez no transporte de nutrientes para o oceano demonstra que a forma como os nutrientes são entregues afeta a produtividade do oceano e sua capacidade de absorver CO 2 da atmosfera .

A pesquisa, ‘Changing atmospheric acidity as a modulator of nutrient deposition and ocean biogeochemistry‘, foi publicada na Science Advances . A análise foi realizada por uma equipe internacional de especialistas, patrocinada pelo Grupo de Especialistas das Nações Unidas em Aspectos Científicos da Proteção Ambiental Marinha (GESAMP).

O professor Alex Baker, professor de química marinha e atmosférica na Escola de Ciências Ambientais da University of East Anglia (UEA), é o autor principal. Ele disse: “As emissões humanas de poluentes têm causado mudanças significativas na acidez da atmosfera, levando a impactos ambientais bem conhecidos, como a chuva ácida .

“A acidez atmosférica afeta a quantidade e distribuição de nutrientes (nitrogênio, fósforo e ferro) entregues ao oceano.

“Os ácidos atacam a superfície das partículas de poeira do deserto à medida que são transportadas pela atmosfera, aumentando a proporção do fósforo e do ferro contidos nessas partículas que se dissolvem quando a poeira cai no oceano.

“Nosso trabalho sugere que o aumento da acidez desde a Revolução Industrial aumentou as proporções de fósforo e ferro que são solúveis em 14% e 16%, respectivamente. Esses aumentos terão um efeito fertilizante direto no fitoplâncton marinho.”

No mesmo período, as emissões de poluentes pelo menos dobraram a quantidade de nitrogênio adicionado aos oceanos por meio da atmosfera.

A professora Maria Kanakidou da Universidade de Creta em Heraklion, Grécia, também contribuiu para a pesquisa usando modelagem de deposição de transporte química global. Ela disse: “A acidez controla a distribuição do nitrogênio entre as partículas e os gases na atmosfera, de modo que as mudanças na acidez alteram o período de tempo que o nitrogênio permanece na atmosfera e, portanto, onde no oceano será depositado.”

Além da fertilização, essas mudanças na quantidade e na distribuição geográfica da deposição de nutrientes também afetam o equilíbrio ecológico do oceano.

O professor Kanakidou disse: “As comunidades fitoplanctônicas são sensíveis às proporções de nutrientes disponíveis para elas. As mudanças na deposição de nutrientes que identificamos provavelmente levaram a mudanças ecológicas, já que a entrada atmosférica altera o equilíbrio de nutrientes das águas superficiais. Essas mudanças podem promover certos tipos de fitoplâncton sobre outros, dependendo da adaptação dos organismos aos níveis relativos de nutrientes presentes na água. ”

Outro membro da equipe, Prof Athanasios Nenes, é da Ecole Polytechnique Fédérale de Lausanne, Suíça, e do Centro para o Estudo da Qualidade do Ar e Mudanças Climáticas da Fundação para Pesquisa e Tecnologia Hellas em Patras, Grécia.

O professor Nenes disse: “As partículas finas de aerossol tendem a permanecer fortemente ácidas, apesar das consideráveis reduções nos poluentes. Entender esse comportamento contraintuitivo e seu impacto no fornecimento de nutrientes ao oceano só se tornou possível graças aos avanços na teoria e na modelagem.

“As emissões antropogênicas continuarão a mudar a acidez da atmosfera no futuro. Os controles de emissões implementados para lidar com a chuva ácida reduzirão a acidez do aerossol em muitas regiões do mundo, enquanto o desenvolvimento econômico contínuo provavelmente verá mais aumentos na acidez em outras regiões. ”

É improvável que o sistema retorne à sua condição pré-industrial, porque os incêndios florestais – que influenciam tanto o fornecimento de nutrientes quanto a acidez – terão um papel mais importante em um clima mais quente e o impacto disso é altamente incerto.

O professor Baker disse: “O conhecimento das complexas interações entre o fornecimento de nutrientes e as comunidades microbianas marinhas é limitado. As previsões das consequências das mudanças de longo prazo na acidez atmosférica nos ecossistemas marinhos precisarão ser consideradas juntamente com outros fatores de estresse no sistema, como acidificação, aquecimento e desoxigenação. ”

Referência:

Changing atmospheric acidity as a modulator of nutrient deposition and ocean biogeochemistry
Science Advances 07 Jul 2021:
Vol. 7, no. 28, eabd8800
DOI: 10.1126/sciadv.abd8800
https://doi.org/10.1126/sciadv.abd8800

 

* Henrique Cortez, tradução e edição, a partir de informações da University of East Anglia

 
in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 07/07/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top