Centros urbanos respondem por 1/3 das emissões antropogênicas de CO2

 

poluição do ar
Poluição do ar na China, foto de arquivo

Centros urbanos respondem por 1/3 das emissões antropogênicas de CO2

Expandindo a definição de áreas urbanas para incluir subúrbios, cerca de 50% das emissões globais ocorrem em cerca de 1% da superfície global

Um novo estudo mostra como a urbanização influenciou as emissões antropogênicas de CO2 e de poluentes atmosféricos em todas as regiões do mundo, fazendo uso dos mais recentes desenvolvimentos no Banco de Dados de Emissões para Pesquisa Atmosférica Global (EDGAR, https://edgar.jrc.ec.europa.eu/) desenvolvido pelo Joint Research Centre da Comissão Europeia.

Os resultados mostram que, em 2015, os centros urbanos eram a fonte de um terço dos gases de efeito estufa antrópicos globais e da maioria das emissões de poluentes atmosféricos.

Os autores, de instituições da França e Itália, usaram o banco de dados EDGAR para fornecer uma visão global da evolução de poluentes atmosféricos e emissões de gases de efeito estufa específicos do setor de centros urbanos e outras entidades geográficas para diferentes tipos de assentamentos humanos ao longo nas últimas cinco décadas. Seus resultados foram publicados em 6 de julho na revista Environmental Research Letters do IOP .

Entre 1975 e 2015, a população global aumentou 80%; a população urbana global quase dobrou, enquanto a população rural global aumentou apenas 40%. A população urbana aumentou em todos os continentes. O crescimento mais rápido da população urbana ocorreu nas regiões em desenvolvimento e emergentes. Em 2015, quase metade da população global vivia em centros urbanos, enquanto os maiores centros urbanos com mais de 1 milhão de habitantes (representando apenas 5% da superfície global) tinham 22% da população mundial vivendo neles.

Do ponto de vista da sustentabilidade, a capacidade de identificar a natureza, localização e fonte das emissões é particularmente importante, para ser capaz de adequar as políticas de redução de emissões e avaliar a exposição da população de forma adequada.

A versão consolidada 5 do EDGAR representa o estado da arte dentro das comunidades de inventário de emissões, caracterizando as emissões atuais e históricas de poluentes atmosféricos e gases de efeito estufa em nível global, regional e nacional. EDGAR fornece dados de emissões de gases de efeito estufa e poluentes atmosféricos homogêneos espaço-temporais em escala global entre 1970 e 2015.

EDGAR distribui espacialmente as emissões antropogênicas em um mapa de grade global com uma resolução espacial de 0,1 grau (cerca de 10 km), permitindo a investigação de onde as emissões acontecem, e apoiando o desenvolvimento de medidas de mitigação baseadas no local, do nível global ao local.

Os resultados mostram que os centros urbanos contribuem significativamente para as emissões globais de poluentes atmosféricos e de CO2. Expandindo a definição de áreas urbanas para incluir subúrbios, cerca de 50% das emissões globais ocorrem em cerca de 1% da superfície global. Quando todas as áreas urbanas e não apenas os centros urbanos são incluídos, cerca de 70-80% das emissões globais são incluídas. Estes são principalmente impulsionados por fontes de combustão. Como essas emissões são concentradas espacialmente, elas podem se beneficiar de ações de mitigação com foco geográfico. A única exceção é o NH3, onde as áreas rurais são responsáveis por mais de 50% das emissões globais, principalmente associadas às atividades agrícolas.

As emissões nos centros urbanos aumentaram fortemente nas economias emergentes nas últimas cinco décadas, mas diminuíram nas economias de alta renda; As emissões de SO2 e PM10 nos países industrializados diminuíram, devido à maior eficiência energética e à implementação de novas tecnologias e medidas de redução. Para as megacidades, as emissões em países de alta renda foram reduzidas pela implementação de ações eficazes de mitigação, desindustrialização e crescimento da economia de serviços.

Finalmente, as emissões urbanas per capita de CO2 mostram diferenças espaciais em nível global, entre diferentes países e cidades; os países de alta renda desvincularam suas emissões do crescimento econômico.as emissões de CO2 urbano per capita mostram diferenças espaciais em nível global, entre diferentes países e cidades; os países de alta renda desvincularam suas emissões do crescimento econômico.as emissões de CO2 urbano per capita mostram diferenças espaciais em nível global, entre diferentes países e cidades; os países de alta renda desvincularam suas emissões do crescimento econômico.

Embora a mudança climática seja uma questão global, a qualidade do ar está relacionada ao problema mais local de reduzir a exposição da população urbana a poluentes nocivos, para diminuir o impacto na saúde humana e nos ecossistemas.

Ações locais são, portanto, necessárias por razões de poluição do ar e do clima. Deste ponto de vista, as ações no nível da cidade podem ser eficazes na redução da exposição da população ao PM 2,5; para as cidades europeias, uma redução de 30% de PM 2,5 pode ser alcançada com ações urbanas em pelo menos metade das cidades consideradas.

Referência:

Global anthropogenic emissions in urban areas: patterns, trends, and challenges
Monica Crippa,Diego Guizzardi, Enrico Pisoni, Efisio Solazzo, Antoine Guion, Marilena Muntean, Aneta Florczyk, Marcello Schiavina, Michele Melchiorri and Andres Fuentes Hutfilter
Published 6 July 2021 • © 2021 The Author(s). Published by IOP Publishing Ltd
Environmental Research Letters, Volume 16, Number 7
https://doi.org/10.1088/1748-9326/ac00e2

Henrique Cortez, tradução e edição, a partir de informações da IOP Publishing.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 06/07/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top