Sustentabilidade de Marketing e Mídias Sociais nas Pequenas e Médias Empresas (PMEs)

 

Sustentabilidade de Marketing e Mídias Sociais nas Pequenas e Médias Empresas (PMEs), artigo de José Rodrigues Filho

Baseado nas atuais tendências da existência digital e os recursos online, muitas das PMEs estão buscando caminhos que as levam a envolver as mídias sociais, adotando estratégias que vem alcançando atenção do consumidor.

Reconhecendo o amplo uso da mídia social e o crescimento exponencial da tecnologia digital, organizações reputáveis e as pequenas e médias empresas (PMEs) começaram uma transição das ferramentas tradicionais de marketing para as plataformas de mídia social, visando alcançar novos mercados para o crescimento de seus negócios. Tais empresas introduziram seus negócios através das mídias sociais visando obter maior atenção dos consumidores.

Todavia, uma das preocupações debatidas é sobre como produtos e serviços estão sendo promovidos online e, ao mesmo tempo, relacionados ao marketing sustentável, considerando que muitos consumidores gostariam de visualizar nos negócios online fatores essenciais que refletissem a sustentabilidade. Neste caso, as PMEs começaram a analisar alguns alertas, que contribuem para desenvolver a mídia social de acordo com o comportamento e percepções dos consumidores. Assim sendo, o marketing sustentável é de fundamental importância na elaboração de estratégias das PMEs para promoção de seus produtos, observando os principais elementos considerados vitais em termos de se ganhar maior atenção deles.

A Sustentabilidade tornou-se parte de muitas disciplinas e, em marketing, não é diferente. Aliás, marketing foi uma das primeiras disciplinas a tratar de questões ambientais e ecológicas, através do chamado marketing ecológico, no século passado, embora na visão tradicional de marketing, que difere do marketing sustentável.

Embora o marketing sustentável tenha avançado muito em relação ao pensamento tradicional e dominante de marketing, as pesquisas em marketing sustentável são ainda limitadas e carentes, principalmente em áreas como mudanças climáticas, saúde etc. Alguns países já começam a estudar o marketing de mudanças climáticas junto da área de comunicação, mas é reconhecido que a falta de informação, tanto dentro como fora das empresas, ainda é a grande barreira em se estudar a sustentabilidade de marketing.

Na última década, as mídias sociais e a sustentabilidade desempenharam um papel muito importante na melhoria da gestão dos negócios. Juntas, contribuíram para direcionar as empresas para a transparência, abrindo oportunidades para aumentar seus compromissos, forçando as organizações reposicionarem seu papel na sociedade, na tentativa de alinhar os indivíduos, empresas e comunidades em direção aos objetivos comuns. Em geral, a sustentabilidade de marketing envolve o estabelecimento e manutenção de relações sustentáveis dos consumidores.

Baseado nas atuais tendências da existência digital e os recursos online, muitas das PMEs estão buscando caminhos que as levam a envolver as mídias sociais, adotando estratégias que vem alcançando atenção do consumidor.

Pesquisas estão mostrando que os consumidores estão dando respostas positivas ao marketing sustentável, da mesma forma que estão apreciando às estratégias de produtos orgânicos. Trabalho recente da OECD apresenta as políticas de resposta ao Covid-19, a serem adotadas para as PMEs, que estiveram no centro da Pandemia e, um ano depois, permanecem em posição ainda mais precárias, principalmente empresas iniciantes, microempresas e negócios liderados por mulheres.

As PMEs dos ramos de transporte, varejo, alimentos e imobiliários, que representam em torno de 75% da empregabilidade em muitos países, foram as mais afetadas. Por terem uma base de empregabilidade em torno de 70%, em geral, as PMEs devem ser contempladas por políticas de apoio não só financeiro, mas várias outras que ajudem na recuperação nesta era pós-Covid-19. Uma destas políticas enfatiza a digitalização das PMEs como pedra fundamental de recuperação. Para os marqueteiros, as ferramentas de mídias sociais já vêm sendo usadas por algum tempo, mas não tanto na área de sustentabilidade. As mídias sociais são muito mais do que ferramentas do marketing tradicional. São plataformas poderosas que levam ao engajamento de questões críticas, historicamente nunca ouvidas, que podem ser exploradas pelo marketing sustentável.

Os sistemas de informações tradicionais são iguais para todas as empresas e os sistemas de informação de marketing tradicionais não entregaram o que prometeram, mas cada uma das mídias sociais tem suas próprias especificidades que precisam ser avaliadas pelas empresas no âmbito do mercado. Alguns estudos precisam ser elaborados para se estabelecer que fatores são essenciais para serem adotados nas estratégias de marketing sustentável, acompanhando as preferências dos consumidores e os aspectos das mídias sociais que possam ser integradas nestas estratégias. Em resumo, as PMEs devem buscar entender primeiramente a importância da sustentabilidade e depois tentar promover produtos e serviços eficientes no mercado.

Não há provas de que as mídias sociais e a sustentabilidade sejam uma força tremenda para mudanças positivas, mas é tempo de entender como usá-las em conjunto, considerando suas influências na competitividade das PMEs nos dias de hoje. Além disto, seria benéfico para as PMEs explorar as plataformas de média social de seus competidores a fim de entenderem as lógicas e estratégias que são usadas para influenciar o comportamento dos consumidores em geral, com o propósito de gerar lucros e alcançar a sobrevivência e objetivos da empresa.

Aliado às mídias sociais, a sustentabilidade de marketing já é percebida como sendo de grande importância para as PMEs.

* José Rodrigues Filho é professor da Universidade Federal da Paraíba. Foi pesquisador nas Universidades de Johns Hopkins e Harvard. Recentemente foi professor visitante na McMaster University, Canadá.
https://jrodriguesfilho.blogspot.com/

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 01/07/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top