Poluição do ar durante a gravidez pode afetar o crescimento de recém-nascidos

 

gravidez

Poluição do ar durante a gravidez pode afetar o crescimento de recém-nascidos

A poluição do ar afeta as glândulas tireoides e os hormônios tireoidianos são essenciais para regular o crescimento e o metabolismo fetal e desempenham um papel importante no desenvolvimento neurológico

Um estudo da UPV / EHU-University of the Basque Country analisa a relação entre a poluição atmosférica durante a gravidez e o nível de tiroxina em recém-nascidos

A exposição materna à poluição do ar durante a gravidez tem sido frequentemente associada a efeitos adversos na saúde do recém-nascido. No entanto, existem poucos estudos sobre o assunto.

Um estudo realizado na UPV / EHU acaba de concluir em artigo publicado na revista Environmental Research que as fases mais sensíveis à poluição atmosférica são os primeiros e os últimos meses de gravidez.

De acordo com estudos realizados nos últimos anos, a poluição do ar afeta a tireóide. Os hormônios tireoidianos são essenciais para regular o crescimento e o metabolismo fetal e desempenham um papel importante no desenvolvimento neurológico.

A tiroxina (T4) é o principal hormônio da tireoide em circulação e o hormônio estimulador da tireoide é o TSH. Às 48 horas, os bebês recém-nascidos são submetidos a um teste de punção no calcanhar, no qual são medidos os níveis de tiroxina e TSH no sangue. Na verdade, se o equilíbrio desses hormônios da tireoide não estiver certo, o risco de desenvolver doenças graves aumenta. Por isso, “este estudo se propôs a analisar a relação entre a poluição atmosférica durante a gravidez e o nível de tiroxina no recém-nascido”, explicou Amaia Irizar-Loibide, pesquisadora do Departamento de Medicina Preventiva e Saúde Pública da UPV / EHU.

O dióxido de nitrogênio (NO 2 ) e partículas finas com menos de 2,5 micra de diâmetro (PM 2,5 ) são dois dos principais poluentes relacionados à poluição do ar e ao tráfego de veículos. As partículas de PM 2,5 , por exemplo, são muito finas e entram facilmente no trato respiratório.

“Neste trabalho, analisamos especificamente o efeito da exposição materna a essas partículas finas e ao dióxido de nitrogênio durante a gravidez e a ligação existente com os níveis de tiroxina em bebês recém-nascidos. Temos monitorado semanalmente, pois o desenvolvimento do feto varia muito de uma semana para a outra. Por isso procuramos fazer uma pesquisa o mais detalhada possível para saber quais são as semanas de gravidez mais sensíveis “, acrescentou a pesquisadora da UPV / EHU.

Assim, foi analisada a amostra do projeto INMA (Meio Ambiente e Infância) em Gipuzkoa. Também foram usados dados sobre os poluentes atmosféricos PM 2,5 e NO 2 , dados sobre os níveis de TSH e T4 de saltos neonatais, etc. coletados no projeto.

Segundo Amaia Irizar, “os resultados obtidos neste estudo revelaram a relação direta entre a exposição a partículas finas durante a gravidez e o nível de tiroxina nos recém-nascidos. No entanto, não observámos uma ligação clara com a exposição ao dióxido de azoto”. Esses resultados, portanto, coincidem com a limitada pesquisa anterior.

“O que vimos neste trabalho”, sublinhou Irizar, “é que a exposição durante os primeiros meses de gravidez influencia diretamente no equilíbrio das hormonas tiroideias. Esses bebês tendem a ter um nível mais baixo de tiroxina. À medida que a gravidez avança, descobrimos que essa relação diminui gradualmente, ou seja, a exposição da mãe torna-se gradualmente menos importante. No final da gravidez, no entanto, essa ligação torna-se aparente novamente, mas exibe um efeito oposto:à medida que aumenta a concentração dessas partículas finas, vimos que o nível dos hormônios tireoidianos também aumenta, o que tem efeito contrário no equilíbrio ”. “Não está claro qual é o mecanismo que está por trás de tudo isso. Em todo caso, chegamos à conclusão de que os períodos mais sensíveis da gravidez em termos de poluição atmosférica são os primeiros e os últimos meses”, destacou o pesquisador da UPV / EHU.

“A próxima tarefa seria estudar os mecanismos pelos quais essas partículas finas causam efeitos opostos no início e no final da gravidez. Na verdade, essas partículas nada mais são do que pequenas esferas feitas de carbono, e não está claro se o efeito dessas esferas exercem é porque passam da placenta para o bebê, se outros componentes presos às partículas são liberados assim que entram no corpo … ”, explicou. “Precisamos continuar investigando se a exposição durante a gravidez afeta não só os hormônios da tireoide, mas também outros aspectos como desenvolvimento neuropsicológico, crescimento, obesidade, etc.”, explicou Amaia Irizar.

Referência:

Amaia Irizar, Arantxa Txintxurreta, Amaia Molinuevo, Alba Jimeno-Romero, Asier Anabitarte, Jon Iñaki Álvarez, María Dolores Martínez, Loreto Santa-Marina, Jesús Ibarluzea, Aitana Lertxundi – Association between prenatal exposure to air pollutants and newborn thyroxine (T4) levels , Environmental Research DOI: 10.1016/j.envres.2021.111132

 

Henrique Cortez *, tradução e edição, a partir de original da University of the Basque Country – UPV/EHU

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 02/07/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top