Educação Ambiental e Geração Z no País do ‘Futuro’

 

artigo

Educação Ambiental e Geração Z no País do ‘Futuro’, artigo de José Rodrigues Filho

As gerações mais velhas estão diante de um dilema moral e ético devido aos reclamos ferozes e efetivos das gerações mais novas, principalmente da chamada Geração Z, ou seja, os nascidos entre 1996 e 2011, que mais tem se preocupado com as questões ambientais.

Diante dos fatos ecológicos, não é exagerado dizer, lamentavelmente, que estamos vivendo em tempos extremos em que preparar as crianças para o futuro significa prepará-las para a possibilidade de não terem um futuro.

Os riscos são reais e devemos enfrentá-los com muita habilidade, vontade política e uma profunda consideração ética, a menos que se queira simplesmente suspirar e baixar a cabeça com vergonha.

No Brasil a situação é mais complicada. Com a destruição das bases científicas e de conhecimento neste governo, o Brasil poderá levar de 10 a 15 anos para recuperar o tempo perdido, reforçando a descrença de ser um país do futuro, com indicadores de países pobres da África. Como a educação sempre desempenhou um papel fundamental nos processos de transformação das sociedades, qual o papel da educação ambiental no nosso país, no momento, preparando nossos jovens, principalmente a Geração Z, a serem agentes de mudanças?

Se as gerações dos Millenials e Z tem se preocupado com as questões ambientais não se pode deixar de oferecer a elas uma educação ambiental adequada e crítica, enfatizando a reflexão, transversalidade e interdisciplinaridade, de modo que adquiram uma base de conhecimento para combater os desequilíbrios ecológicos de nosso tempo. Só os interesses, vontade ou desejos podem não levar a mudanças. É preciso se ter uma base de conhecimento para resistir.

Não se pode ter muitas ilusões de que os jovens se transformem em bons, convivendo com os ruins, dotados de comportamento ganancioso, de usura e que exploram a Natureza como recurso, de forma descontrolada para acumular bens e fortalecer poder. Só através de uma educação ambiental no ensino básico, fundamental e universitário é possível levar a Geração Z a desenvolver atitudes de respeito e de preservação ambiental, refletir sobre os problemas locais, regionais e globais, propondo soluções para suas causas.

Estamos vendo e assistindo as gerações mais velhas engajadas na destruição de nossas florestas, acirrando a miséria, além das práticas destrutivas de nossos congressistas aprovando legislações voltadas para a destruição da Natureza. Em busca de acumulação de riquezas fingem que nada está acontecendo, mas não podemos deixar que seja desperdiçada as preocupações da Geração Z. Educadores deste país não podem simplesmente baixar a cabeça, mas se engajarem num processo de mudanças junto das gerações dos Millenials e Z, focando na espécie de mundo que devemos deixar para trás, que pode não deixar nenhuma possibilidade de futuro para estas gerações.

Os cientistas das ciências naturais realizaram diversos estudos sobre as condições climáticas, coletaram e analisaram dados e explicaram as causas e efeitos. Fizeram as previsões e ofereceram recomendações baseadas em dados. Isto é o que as ciências naturais podem fazer. O que elas não podem fazer é resolver os problemas das mudanças climáticas, uma vez que problemas ambientais não são problemas naturais. São problemas culturais e sociais, causados por décadas de mau comportamento humano.

A busca de caminhos apropriados é a chave pedagógica e o desafio didático em todas as formas de educação. Isto não é uma surpresa, na educação ambiental, quando emergem as pressões e batalhas com a verdade e os fatos. Questões sobre mudanças climáticas, perda da biodiversidade e destruição da natureza frequentemente não se adequam à visão dominante do mundo Ocidental, diante da divisão entre fatos e verdades objetivos versus crenças, preferências e valores subjetivos. Eles são caracterizados, de um lado, por um inseparável emaranhado de aspectos sociais, políticos e humanos e, de outro lado, por elementos materiais, naturais e técnicos. Assim sendo, educadores e pesquisadores em educação ambiental e de sustentabilidade são desafiados pela questão do que constitui o bom ensino em relação a estes aspectos.

A dimensão política na educação ambiental é institucionalizada na política internacional através de agendas, como a Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável e recomendações da UNESCO. É também incorporada nos currículos de ciências e educação ambiental. A integração das questões ambientais no conteúdo educacional é inseparável da questão de desenvolvimento, levando-as a controvérsias do discurso de desenvolvimento sustentável, que oferece uma série de vantagens, mas também perigos à educação e educadores. Como já foi dito, muitas promessas do desenvolvimento sustentável não levam a nada mais do que sustentar o insustentável.

Para alguns estudiosos é preciso esclarecer os problemas filosóficos que tratam universalmente dos valores e responsabilidades sustentáveis na educação ambiental e de sustentabilidade, uma vez que a educação precisa introduzir os estudantes a uma linguagem política que os capacitem a refletir criticamente por si mesmos e por ações e valores de outros grupos. Um fenômeno que se observa na educação é a lacuna entre a estrutura curricular formal e suas práticas, quando o educador neutraliza a dimensão política e determina que conhecimento e orientação moral os estudantes devem aprender.

Muitos acadêmicos, teóricos educacionais e pesquisadores em educação ambiental e de sustentabilidade enfatizam a importância de se reconhecer os desafios democráticos e políticos na educação ambiental e nas práticas educacionais.

Repensar a educação ambiental e de sustentabilidade é desmascarar a dimensão política vigente, re-politizar a educação, indo além da visão objetivista, usando a paixão como força.

Dorminhocos, acordem! Nossa casa está em chamas.

*José Rodrigues Filho é professor da Universidade Federal da Paraíba. Foi pesquisador nas Universidades de Johns Hopkins e Harvard. Recentemente foi professor visitante na McMaster University, Canadá.
https://jrodriguesfilho.blogspot.com/

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 19/06/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top