Mudanças climáticas ameaçam até 25% das safras globais

 

Mudanças climáticas ameaçam até 25% das safras globais

Mudanças nos padrões climáticos induzidas pelas mudanças climáticas aumentarão o calor extremo e reduzirão as chuvas nas principais regiões de cultivo. Isso vai provocar um declínio no fornecimento de calorias necessárias para sustentar a crescente população mundial.

De acordo com um estudo publicado no Journal of Environmental Economics and Management , o fornecimento global de calorias está sujeito à contínua ou mesmo crescente vulnerabilidade às mudanças climáticas.

A mudança climática pode afetar o rendimento global de culturas em 10% até meados do século e 25% até o final do século , sob um cenário de aquecimento vigoroso, se os agricultores não conseguem se adaptar melhor do que eles fizeram historicamente.

impactos das mudanças climáticas nas safras agrícolas

Para quantificar isso, uma equipe de pesquisadores da Universidade de Boston, da Universidade Ca ‘Foscari de Veneza e do Centro Euro-Mediterrâneo sobre Mudanças Climáticas (CMCC) combinou seus modelos estatísticos treinados em dados anteriores com previsões de temperatura e precipitação futuras em alta resolução. Simulações de Modelos Climáticos Globais (GCMs) para projetar como os rendimentos podem mudar em resposta a mudanças nos padrões climáticos.

“A capacidade de adaptação dos agricultores, mesmo por períodos mais longos, pode ser limitada”, explica o professor Ian Sue Wing, da Universidade de Boston, principal autor do estudo. “Mesmo nos Estados Unidos, a fronteira mundial da tecnologia agrícola, os agricultores foram capazes de compensar apenas ligeiramente os impactos adversos do calor extremo nas safras de milho e soja ao longo de décadas.”

Enrica De Cian , professora da Universidade Ca ‘Foscari e pesquisadora do Cmcc, acrescenta: “Nós nos perguntamos: se há dificuldades de adaptação nos Estados Unidos, o que podemos esperar dos produtores de alimentos nos trópicos , onde 40% do mundo Estima-se que a vida da população e os extremos de alta temperatura aumentem mais do que nas principais regiões produtoras de calorias dos Estados Unidos?

O estudo lança uma nova luz sobre esta questão. Os autores analisam a vulnerabilidade mundial de quatro culturas (milho, arroz, soja e trigo), que são responsáveis por 75% da ingestão global de calorias , a futuras mudanças nos padrões de temperatura e chuvas causadas pelas mudanças climáticas.

impacto das mudanças climáticas nas safras globais de grãos

A adaptação de longo prazo é necessária
“Usamos modelos estatísticos treinados em grandes conjuntos de dados globais em grade de rendimentos históricos de safras, temperatura e chuva, para separar as mudanças nas respostas de rendimento ao calor e à umidade ao longo de suas safras específicas de cultivo em dois tipos de adaptação”, explica Malcolm Mistry , pós-doutorado na Universidade Ca ‘Foscari de Veneza. “Por um lado, a resposta de curto prazo dos agricultores a choques climáticos imprevistos e, por outro lado, ajustes de longo prazo ao longo de décadas.”

Embora os agricultores tenham opções limitadas para se ajustar às mudanças climáticas no curto prazo – por exemplo, alterando a quantidade de fertilizante ou água de irrigação aplicada à sua cultura – em longos períodos de tempo, é possível para eles realizar uma adaptação substancial, alterando as variedades de culturas , mudando as datas de plantio e colheita, adotando novas tecnologias agrícolas e investindo em mais ou diferentes máquinas agrícolas. Em princípio, os ajustes de longo prazo têm o potencial de compensar os efeitos do clima adverso na produtividade.

A questão colocada pela pesquisa é: os agricultores realmente cumpriram esse potencial?

“Surpreendentemente, em escala global e na maioria das regiões do mundo, a resposta é não”, afirma a professora Enrica De Cian. “Nossos resultados mostraram que os impactos adversos de dias extremamente quentes ou secos na produtividade das safras das quais derivamos as calorias dos alimentos persistiram por décadas, em linha com as descobertas anteriores para os EUA. Pior ainda, esses efeitos negativos de longo prazo às vezes eram maiores do que os impactos na produtividade que ocorreram devido a choques climáticos transitórios. ”

“A implicação é que o suprimento global de calorias está sujeito à contínua ou mesmo crescente vulnerabilidade às mudanças climáticas – conclui o professor Ian Sue Wing -. Agora, planejamos desenvolver essas descobertas para investigar como os investimentos em irrigação e a agricultura itinerante no espaço podem ajudar a compensar os impactos das mudanças climáticas adversas ”.

O estudo no Journal of Environmental Economics and Management foi publicado com o apoio financeiro do Departamento de Energia dos Estados Unidos e do People Programme Marie Curie Actions da União Europeia (FP7 / 2007-2013).

Referência:

Ian Sue Wing, Enrica De Cian, Malcolm N. Mistry,
Global vulnerability of crop yields to climate change,
Journal of Environmental Economics and Management, Volume 109, 2021, 102462, ISSN 0095-0696,
https://doi.org/10.1016/j.jeem.2021.102462

 

Henrique Cortez, tradução e edição, a partir de original da Ca’ Foscari University

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 11/06/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top