Aquecimento global já é responsável por uma em cada três mortes relacionadas ao calor

 

temperatura anual entre 1880 e 2020

Aquecimento global já é responsável por uma em cada três mortes relacionadas ao calor

Entre 1991 e 2018, mais de um terço de todas as mortes em que o calor desempenhou um papel foram atribuídas ao aquecimento global induzido pelo homem

Novas estimativas sugerem as regiões mais afetadas da América Central, do Sul e do Sudeste Asiático

Entre 1991 e 2018, mais de um terço de todas as mortes em que o calor desempenhou um papel foram atribuídas ao aquecimento global induzido pelo homem, de acordo com um novo estudo na Nature Climate Change .

O estudo, o maior de seu tipo, foi liderado pela Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres (LSHTM) e pela Universidade de Berna, dentro da Rede de Pesquisa Colaborativa Multi-Country Multi-City (MCC). Usando dados de 732 locais em 43 países ao redor do mundo, ele mostra pela primeira vez a real contribuição da mudança climática causada pelo homem no aumento dos riscos de mortalidade devido ao calor.

No geral, as estimativas mostram que 37% de todas as mortes relacionadas ao calor nos últimos períodos de verão foram atribuídas ao aquecimento do planeta devido a atividades antropogênicas. Esta porcentagem de mortes relacionadas ao calor atribuídas à mudança climática induzida por humanos foi maior na América Central e do Sul (até 76% no Equador ou na Colômbia, por exemplo) e no Sudeste Asiático (entre 48% a 61%).

As estimativas também mostram o número de mortes por mudanças climáticas induzidas pelo homem que ocorreram em cidades específicas; 136 mortes adicionais por ano em Santiago do Chile (44,3% do total de mortes relacionadas ao calor na cidade), 189 em Atenas (26,1%), 172 em Roma (32%), 156 em Tóquio (35,6%), 177 em Madrid (31,9%), 146 em Bangkok (53,4%), 82 em Londres (33,6%), 141 em Nova York (44,2%) e 137 na cidade de Ho Chi Minh (48,5%).

Os autores dizem que suas descobertas são mais uma evidência da necessidade de adotar políticas de mitigação fortes para reduzir o aquecimento futuro e implementar intervenções para proteger as populações das consequências adversas da exposição ao calor.

O aquecimento global está afetando nossa saúde de várias maneiras, desde impactos diretos ligados a incêndios florestais e condições climáticas extremas, até mudanças na propagação de doenças transmitidas por vetores, entre outros. Talvez o mais impressionante seja o aumento da mortalidade e morbidade associada ao calor. Os cenários das condições climáticas futuras preveem um aumento substancial nas temperaturas médias, com eventos extremos, como ondas de calor, levando a aumentos futuros na carga de saúde relacionada. No entanto, nenhuma pesquisa foi realizada em que extensão esses impactos já ocorreram nas últimas décadas até agora.

Este novo estudo enfocou o aquecimento global causado pelo homem por meio de um estudo de ‘detecção e atribuição’ que identifica e atribui fenômenos observados a mudanças no clima e tempo. Especificamente, a equipe examinou as condições meteorológicas anteriores simuladas em cenários com e sem emissões antrópicas. Isso permitiu aos pesquisadores separar o aquecimento e o impacto na saúde relacionado às atividades humanas das tendências naturais. A mortalidade relacionada ao calor foi definida como o número de mortes atribuídas ao calor, ocorrendo em exposições superiores à temperatura ideal para a saúde humana, que varia entre os locais.

Embora, em média, mais de um terço das mortes relacionadas ao calor sejam causadas por mudanças climáticas induzidas pelo homem, o impacto varia substancialmente entre as regiões. As vítimas de calor relacionadas ao clima variam de algumas dezenas a várias centenas de mortes por ano por cidade, conforme mostrado acima, dependendo das mudanças locais no clima em cada área e da vulnerabilidade de sua população. Curiosamente, as populações que vivem em países de renda baixa e média, que eram responsáveis ??por uma pequena parte das emissões antrópicas no passado, são as mais afetadas.

No Reino Unido, 35% das mortes relacionadas ao calor podem ser atribuídas às mudanças climáticas induzidas pelo homem, o que corresponde a aproximadamente 82 mortes em Londres, 16 mortes em Manchester, 20 em West Midlands ou 4 em Bristol e Liverpool a cada temporada de verão.

O professor Antonio Gasparrini da LSHTM, autor sênior do estudo e coordenador da Rede MCC, disse: “Este é o maior estudo de detecção e atribuição sobre os riscos atuais das mudanças climáticas para a saúde. A mensagem é clara: as mudanças climáticas não terão apenas impactos devastadores no futuro, mas todos os continentes já estão experimentando as terríveis consequências das atividades humanas em nosso planeta. Devemos agir agora. ”

Os autores reconhecem as limitações do estudo, incluindo a impossibilidade de incluir locais em todas as regiões do mundo – por exemplo, grandes partes da África e do Sul da Ásia – devido à falta de dados empíricos.

Referência:

Vicedo-Cabrera, A.M., Scovronick, N., Sera, F. et al. The burden of heat-related mortality attributable to recent human-induced climate change. Nat. Clim. Chang. (2021). https://doi.org/10.1038/s41558-021-01058-x

 

Henrique Cortez, tradução e edição, a partir de original da London School of Hygiene & Tropical Medicine

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 31/05/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top