Reflorestamento não é capaz de reduzir sozinho temperatura do planeta

 

 

Reflorestamento não é capaz de reduzir sozinho temperatura do planeta

Qualquer habilidade que as soluções baseadas na natureza tenham para baixar as temperaturas globais não ameniza em nada a necessidade de que o mundo atinja o mais rapidamente possível o pico de emissões

Pesquisadores de Oxford examinam papel da natureza em planos de emissão zero de empresas e países e alertam para a necessidade de ações de curto prazo

Por Cínthia Leone*, Instituto ClimaInfo

O papel da natureza no enfrentamento às mudanças climáticas é quase sempre visto da perspectiva de remover o carbono da atmosfera, mas um grupo de pesquisadores da Universidade de Oxford resolveu fazer uma pergunta diferente: qual seu impacto para resfriar a temperatura global?

Eles descobriram que qualquer habilidade que as soluções baseadas na natureza tenham para baixar as temperaturas globais não ameniza em nada a necessidade de que o mundo atinja o mais rapidamente possível o pico de emissões. Segundo afirmam, há um intervalo bastante amplo entre a proteção e a restauração dos ecossistemas agora e o efeito disso na redução da temperatura global. Isso porque o carbono permanece na atmosfera por décadas – ainda não é possível sentir o impacto do aquecimento das emissões liberadas este ano, por exemplo.

Essa conclusão é preocupante porque muitos planos nacionais e empresariais de emissões zero dão importância central às soluções baseadas na natureza. Proteger e restaurar ecossistemas são medidas vitais para todos os compromissos climáticos, além de tornar as sociedades mais resistentes aos impactos da mudança do clima, mas o que os estudiosos apontam é que o papel da natureza é muitas vezes exagerado e mal comunicado.

Por exemplo, o plano de emissão zero da Shell exigiria a plantação de uma floresta do tamanho do Brasil para compensar suas emissões. Claramente não há terra disponível suficiente no planeta para atender as necessidades de compensação da empresa, sem contar todos os outros produtores de combustíveis fósseis.

“Nossa análise mostra que Soluções Baseadas na Natureza – proteger e restaurar ecossistemas e gerir melhor as terras em uso – têm um impacto real, mas limitado, na redução de nosso pico de aquecimento até meados do século”, afirma Cécile Girardin, autora principal da pesquisa e diretora técnica da Oxford’s Nature Based Solutions Initiative.

Segundo a pesquisadora, essas soluções podem ter um papel importante no resfriamento das temperaturas globais até o final do século, mas isso significa que seus efeitos são de longo prazo e não podem substituir medidas urgentes. “O mundo deve investir agora em soluções baseadas na natureza que sejam ecologicamente corretas, socialmente justas e concebidas para proporcionar múltiplos benefícios à sociedade ao longo de um século ou mais.”

“Metas climáticas ambiciosas nas empresas com planos de médio prazo que dependem de soluções baseadas na natureza como uma alternativa para reduzir as emissões de combustíveis fósseis simplesmente não fazem sentido”, afirma Myles Allen, coautor da pesquisa e professor do Departamento de Física Atmosférica, Oceânica e Planetária da Universidade de Oxford.

“Quanto mais ambiciosa for a meta climática, menor será o prazo para que tais soluções tenham um efeito sobre o pico de aquecimento”, resume o coautor da pesquisa, Yadvinder Malhi, professor de Ciência de Ecossistemas de Oxford.

Referência:

Nature-based solutions can help cool the planet — if we act now
Nature 593, 191-194 (2021)
doi: https://doi.org/10.1038/d41586-021-01241-2

 

* Edição de Henrique Cortez, EcoDebate

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 15/05/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top