Mudanças climáticas terão impacto na produção global de alimentos e na saúde

 

seca
As alterações climáticas têm implicações graves para a agricultura e a segurança alimentar. Foto: FAO/L. Dematteis

Mudanças climáticas terão impacto na produção global de alimentos e na saúde

Estudo pede uma ação urgente contra as mudanças climáticas para garantir o abastecimento global de alimentos

A pesquisa conduzida pela New Curtin University descobriu que a mudança climática terá um impacto substancial na produção global de alimentos e na saúde se nenhuma ação for tomada por consumidores, indústrias alimentícias, governo e organismos internacionais.

Curtin University*

Publicado em uma das revistas de saúde pública de maior classificação, a Annual Review of Public Health , os pesquisadores concluíram uma revisão abrangente de 12 meses da literatura publicada sobre mudança climática, dieta saudável e ações necessárias para melhorar a nutrição e a saúde em todo o mundo.

O pesquisador principal John Curtin Emérito Emérito Professor Colin Binns, da Curtin School of Population Health da Curtin University, disse que a mudança climática teve um impacto prejudicial na saúde e na produção de alimentos nos últimos 50 anos e muito mais precisa ser feito para superar seus efeitos adversos efeitos.

“A combinação das mudanças climáticas com a qualidade da nutrição é o grande desafio para a saúde pública desta década e, certamente, deste século. Apesar dos avanços positivos nas taxas de nutrição mundiais, ainda enfrentamos a ameaça contínua da mudança climática para o nosso abastecimento global de alimentos, com a África Subsaariana e parte da Ásia em maior risco ”, disse o professor Binns.

“Por enquanto, será possível produzir alimentos suficientes para manter a ingestão adequada, usando melhores práticas agrícolas e tecnologia e mais equidade na distribuição, mas estimamos que até 2050 a produção mundial de alimentos precisará aumentar em 50 por cento para superar apresentar carências e atender às necessidades da crescente população.

“Nossa revisão recomenda que, ao seguir as orientações dietéticas necessárias e escolher alimentos com baixo impacto ambiental, como peixes, cereais integrais, frutas, vegetais, legumes, nozes, frutas vermelhas e azeite de oliva, melhoraria a saúde, ajudaria a reduzir os gases de efeito estufa e cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas , o que, por sua vez, melhoraria os níveis de produção de alimentos no futuro ”.

O professor Binns disse que, embora as mudanças climáticas tenham um efeito significativo sobre o abastecimento de alimentos, o compromisso político e os investimentos substanciais podem contribuir para reduzir os efeitos e fornecer os alimentos necessários para atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

“Algumas mudanças precisarão ser feitas na produção de alimentos, o conteúdo de nutrientes precisará ser monitorado e uma distribuição mais equitativa será necessária para atender às diretrizes dietéticas propostas. Também era importante aumentar as taxas de amamentação para melhorar a saúde infantil e adulta, ao mesmo tempo que ajudava a reduzir os gases de efeito estufa e beneficiava o meio ambiente ”, disse o professor Binns.

“A pesquisa em andamento será vital para avaliar os impactos de longo prazo das mudanças climáticas sobre o abastecimento de alimentos e a saúde, a fim de se preparar adequadamente para o futuro.”

Este estudo foi um esforço colaborativo envolvendo pesquisadores da Curtin School of Population Health, da Murdoch University, da University of Exeter, da University of Malaya, da Oslo Metropolitan University, da University of Tokyo e da Hanoi University of Public Health.

Referência:

Climate Change, Food Supply, and Dietary Guidelines
Annual Review of Public Health
Vol. 42:233-255 (Volume publication date April 2021)
First published as a Review in Advance on January 26, 2021
https://doi.org/10.1146/annurev-publhealth-012420-105044

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 08/04/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top