Apenas 18% dos gastos de recuperação econômica global podem ser considerados sustentáveis

 

Apenas 18% dos gastos de recuperação econômica global podem ser considerados sustentáveis

  • Um ano após o início da pandemia, os gastos com a recuperação ficaram aquém dos compromissos das nações de reconstruir de forma mais sustentável.

  • Uma análise dos gastos das principais economias, liderada pelo Projeto de Recuperação Econômica de Oxford e pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), concluiu que apenas 18% dos gastos de recuperação anunciados podem ser considerados “verdes”.
  • O relatório “Estamos reconstruindo melhor? Evidências a partir de 2020 e caminhos para gastos verdes e inclusivos na recuperação pós COVID-19”, apela para que os governos invistam de forma mais sustentável e enfrentem as desigualdades à medida que estimulam o crescimento na sequência da devastação provocada pela pandemia.
O relatório, feito pela Universidade de Oxford e PNUMA, enfatiza que a recuperação verde pode trazer um crescimento econômico mais forte, ao mesmo tempo em que ajuda a cumprir as metas ambientais globais e a enfrentar a desigualdade estrutural.
O relatório, feito pela Universidade de Oxford e PNUMA, enfatiza que a recuperação verde pode trazer um crescimento econômico mais forte, ao mesmo tempo em que ajuda a cumprir as metas ambientais globais e a enfrentar a desigualdade estrutural. Foto | Pixabay

Um ano após o início da pandemia, os gastos com a recuperação ficaram aquém dos compromissos das nações de reconstruir de forma mais sustentável. Uma análise dos gastos das principais economias, liderada pelo Projeto de Recuperação Econômica de Oxford e pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), concluiu que apenas 18% dos gastos de recuperação anunciados podem ser considerados “verdes”.

O relatório “Estamos reconstruindo melhor? Evidências a partir de 2020 e caminhos para gastos verdes e inclusivos na recuperação pós COVID-19”, disponível em inglês, apela para que os governos invistam de forma mais sustentável e enfrentem as desigualdades à medida que estimulam o crescimento na sequência da devastação provocada pela pandemia.

A análise mais abrangente até hoje dos esforços de resgate fiscal e recuperação fiscal relacionados à COVID-19 por 50 economias líderes, e revela que apenas 368 bilhões de dólares de um total de 14,6 bilhões de dólares gastos induzidos pela COVID (resgate e recuperação) em 2020 foram verdes.

Para a diretora-executiva do PNUMA, Inger Andersen, a humanidade está enfrentando uma pandemia, uma crise econômica e um colapso ecológico. “Não podemos nos dar ao luxo de perder em nenhuma frente. Os governos têm uma chance única de colocar seus países em trajetórias sustentáveis que priorizam oportunidades econômicas, redução da pobreza e saúde planetária de uma só vez – o Observatório de Recuperação Global lhes dá as ferramentas para navegar para recuperações mais sustentáveis e inclusivas”.

O principal pesquisador do Projeto de Recuperação Econômica da Universidade de Oxford e autor do relatório, Brian O’Callaghan, afirmou que “apesar dos passos positivos em direção a uma recuperação sustentável da COVID-19 de algumas nações líderes, o mundo tem até agora ficado aquém das aspirações de reconstruir melhor. Mas as oportunidades de gastar sabiamente com a recuperação ainda não terminaram. Os governos podem usar este momento para garantir prosperidade econômica, social e ambiental a longo prazo”.

“Nossa capacidade de informar e monitorar melhor os investimentos feitos pelos países para enfrentar os efeitos socioeconômicos da pandemia da COVID-19 é vital para manter a recuperação verde e inclusiva no caminho certo”, disse o administrador do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Achim Steiner.

“A este respeito, o Observatório de Recuperação Global e a Plataforma Futuros de Dados do PNUD oferecem aos formuladores de políticas um novo e robusto conjunto de pontos de coleta de dados e insights. A expansão do acesso a tais recursos ajudará a aumentar a transparência, a responsabilidade e a eficácia dos investimentos que estão sendo feitos agora e seu impacto em nosso futuro sustentável”.

O professor de Economia Ambiental em Oxford, Cameron Hepburn, explicou que este relatório é uma chamada de atenção. “Os dados do Observatório de Recuperação Global mostram que não estamos reconstruindo melhor, pelo menos ainda não. Sabemos que uma recuperação verde seria uma vitória para a economia, bem como para o clima, agora precisamos agir”.

O relatório enfatiza que a recuperação verde pode trazer um crescimento econômico mais forte, ao mesmo tempo em que ajuda a cumprir as metas ambientais globais e a enfrentar a desigualdade estrutural. Para evitar que décadas de progresso contra a pobreza se desenrolem, os países de baixa renda exigirão um financiamento substancial em condições favoráveis dos parceiros internacionais.

O relatório levanta cinco questões-chave para o caminho da recuperação sustentável:

  • O que está em jogo agora que os países estão comprometendo recursos sem precedentes para a recuperação?
  • Que caminhos para os gastos públicos poderiam melhorar a recuperação econômica e a sustentabilidade ambiental?
  • Que papel podem desempenhar as despesas de recuperação no combate às desigualdades exacerbadas pela COVID-19?
  • Que tipo de investimentos de recuperação os países estão fazendo atualmente para enfrentar a mudança climática, a perda da biodiversidade e a poluição?
  • O que mais precisa ser feito para garantir uma recuperação sustentável e equitativa?

De um modo geral, os gastos verdes globais até agora “têm sido incomensuráveis com a escala das crises ambientais em curso”, de acordo com o relatório, incluindo mudança climática, perda de biodiversidade e poluição, com perda significativa de benefícios sociais e econômicos a longo prazo.

Principais conclusões da análise em termos de gastos de recuperação:

  • 341 bilhões de dólares ou 18% dos gastos foram verdes, sendo a maior parte deles de um pequeno grupo de países de alta renda. Os gastos de recuperação global têm perdido até agora a oportunidade de investimento verde.
  • Foram investidos 66,1 bilhões de dólares em energia de baixo carbono, em grande parte graças aos subsídios espanhóis e alemães para projetos de energia renovável e investimentos em hidrogênio e infraestrutura.
  • 86,1 bilhões de dólares anunciados para o transporte verde através de transferências e subsídios para veículos elétricos e subsídios, investimentos em transporte público, infraestrutura para ciclismo e pedestres.
  • Foram anunciados 35,2 bilhões de dólares para melhorias em edifícios verdes para aumentar a eficiência energética, principalmente através de modernizações, notadamente na França e no Reino Unido.
  • Foram anunciados 56,3 bilhões de dólares para capital natural ou Soluções baseadas na Natureza (NbS) iniciativas de regeneração de ecossistemas e reflorestamento. Dois quintos foram direcionados para parques públicos e medidas contra a poluição, especialmente nos EUA e na China, para melhorar a qualidade de vida e atender as preocupações ambientais.
  • Foram anunciados 28,9 bilhões de dólares em P&D verde. P&D verde inclui tecnologias de energia renovável, tecnologias para descarbonização de setores como aviação, plásticos e agricultura, e sequestro de carbono. Sem progresso em P&D verde, o cumprimento das metas do Acordo de Paris exigiria preços de longo alcance e mudanças no estilo de vida.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 29/03/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

Nota: Para receber atualizações pelo grupo de notícias do EcoDebate no WhatsApp, adicione o telefone 21 98682-4779 e, em seguida, envie uma mensagem com o texto ADICIONAR.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Apenas 18% dos gastos de recuperação econômica global podem ser considerados sustentáveis
https://twitter.com/ecodebate/status/1376506940331810822
https://twitter.com/ecodebate/status/1376574874458730504
No IHU

Top