O aumento dos anos de vida perdidos nos EUA com a pandemia

 

O aumento dos anos de vida perdidos nos EUA com a pandemia, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

Esperança de vida ao nascer – Uma grande conquista demográfica da humanidade pode ser revertida por um simples e minúsculo vírus. E as perdas serão muito maiores naqueles países que os governantes negaram a gravidade da situação

Sinopse em áudio, mp3, do artigo “O aumento dos anos de vida perdidos nos EUA com a pandemia”, de José Eustáquio Diniz Alves

Arquivo de áudio mp3

[EcoDebate] Uma conquista secular da humanidade está prestes a sofrer uma reversão preocupante. A esperança de vida ao nascer da população mundial era de 28 anos em 1800, passou para 32 anos em 1900 e deu um salto no século XX, quando chegou a 66 anos no ano 2000. Portanto, os anos médios de vida mais que dobraram em um século. E continuaram subindo e chegaram a 72,6 anos em 2019. Mas a alta mortalidade provocada pela pandemia da covid-19 está ameaçando os avanços no anos médios de vida em todo o mundo. Os EUA eram o país com maior esperança de vida ao nascer em 1900, com 49 anos. Em 1950, mantinham a dianteira com 68 anos, chegaram a 76,8 anos no ano 2000, atingiram 78,6 anos em 2010 e 78,8 anos em 2019. Entre os países ricos do mundo, os EUA passaram a ter os menores níveis de esperança de vida ao nascer. Na última década houve estagnação dos anos médios de vida da população americana.

Mas o que estava ruim piorou em 2020 com o avanço do SARS-CoV-2 e o indicador sintético da esperança de vida reverteu a tendência em 2020, devendo apresentar valores ainda menores em 2021. O artigo “Reductions in 2020 US life expectancy due to COVID-19 and the disproportionate impact on the Black and Latino populations”, de Theresa Andrasfay e Noreen Goldman, publicado em PNAS (02/02/2021), mostra que o grande número de mortes da covid-19 nos Estados Unidos, ocorreu de forma desproporcional entre as populações negra e latina. As medidas de expectativa de vida quantificam essas disparidades de uma forma facilmente interpretável. As autoras projetaram uma redução de 1,13 anos na esperança de vida ao nascer, voltando para 77,5 anos, nível equivalente ao de 2003.

esperança de vida ao nascer nos eua por raça cor

Contudo, as reduções estimadas para as populações negra e latina são 3 a 4 vezes maiores que para as brancas. Consequentemente, espera-se que COVID-19 reverta mais de 10 anos de progresso feito no fechamento do hiato entre negros e brancos na expectativa de vida e reduza a vantagem anterior de mortalidade latina em mais de 70%. As autoras consideram que algumas reduções na expectativa de vida podem persistir além de 2020, em decorrência da elevada e contínua mortalidade por covid-19 e aos impactos de longo prazo na saúde e nos indicadores sociais e econômicos da pandemia.

Infelizmente, esta situação americana vai se repetir na maioria dos países do mundo, especialmente no hemisfério ocidental. Artigo de J.M. Aburto e colegas, “Recent Gains in Life Expectancy Reversed by the COVID-19 Pandemic”, publicado na medRxiv (03/03/2021) apresenta estimativas de perdas na esperança de vida em vários países, conforme mostra o gráfico abaixo. De modo geral, as perdas serão maiores entre a população masculina.

estimativas de perdas na esperança de vida em vários países

Os dados ainda não são definitivos, mas existe uma certeza que haverá queda na esperança de vida nos países que não conseguiram controlar o novo coronavírus. No Brasil a queda deve ficar entre 1,5 e 2,0 anos, tendo como referência o ano 2020, interrompendo ganhos contínuos ocorridos nos últimos 130 anos. E se a pandemia não for controlada rapidamente, as perdas vão se prolongar ao longo do ano 2021.

Uma grande conquista demográfica da humanidade pode ser revertida por um simples e minúsculo vírus. E as perdas serão muito maiores naqueles países que os governantes negaram a gravidade da situação.

José Eustáquio Diniz Alves
Colunista do EcoDebate.
Doutor em demografia, link do CV Lattes:

Referências:

ALVES, JED. Esperança de vida diante da emergência sanitária e climática, Ecodebate, 26/02/2021
https://www.ecodebate.com.br/2021/02/26/esperanca-de-vida-diante-da-emergencia-sanitaria-e-climatica/

ALVES, JED. A Polêmica Malthus versus Condorcet reavaliada à luz da transição demográfica, IBGE, RJ, 2002
https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv1642.pdf

ALVES, JED. A Transição Demográfica nos 200 anos da Independência do Brasil, Ecodebate, 05/09/2018
https://www.ecodebate.com.br/2018/09/05/a-transicao-demografica-nos-200-anos-da-independencia-do-brasil-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. Bônus demográfico no Brasil: do nascimento tardio à morte precoce pela Covid-19, R. bras. Est. Pop., v.37, 1-18, e0120, 2020
https://www.scielo.br/pdf/rbepop/v37/0102-3098-rbepop-37-e0120.pdf

Theresa Andrasfay, Noreen Goldman. Reductions in 2020 US life expectancy due to COVID-19 and the disproportionate impact on the Black and Latino populations, PNAS, 02/02/2021
https://www.pnas.org/content/118/5/e2014746118

J.M. Aburto et. al. Recent Gains in Life Expectancy Reversed by the COVID-19 Pandemic, medRxiv, 03/03/2021
https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2021.03.02.21252772v1

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 24/03/2021

https://twitter.com/ecodebate/status/1374718417257775111

https://twitter.com/ecodebate/status/1374710100510838784

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

Nota: Para receber atualizações pelo grupo de notícias do EcoDebate no WhatsApp, adicione o telefone 21 98682-4779 e, em seguida, envie uma mensagem com o texto ADICIONAR.

IHU

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top