Urgência não aumenta o apoio às principais políticas climáticas, concluiu o estudo

 

Mudanças climáticas

Urgência não aumenta o apoio às principais políticas climáticas, concluiu o estudo

“Os formuladores de políticas podem e devem realmente agir de forma mais ambiciosa e rápida para evitar que o público sinta a mudança climática com muita força em suas próprias vidas em um futuro próximo”

Cell Press*

À luz dos recentes eventos climáticos extremos – desde incêndios florestais em todo o oeste dos Estados Unidos a tempestades de neve que varreram o Texas até um blecaute – cientistas do clima e meios de comunicação têm repetidamente chamado a urgência de enfrentar a crise climática. Mas em um novo estudo publicado em 19 de março na revista One Earth , os pesquisadores descobriram que enfatizar a urgência por si só não é suficiente para despertar o apoio público para as políticas de mudança climática.

“Tivemos a impressão de que os formuladores de políticas evitam adotar políticas climáticas ambiciosas e rigorosas porque temem uma reação pública. No entanto, se os comunicadores da mudança climática enfatizarem a urgência de abordar a mudança climática, os cidadãos podem apoiar políticas rápidas e ousadas” diz o coautor Adrian Rinscheid, da Universidade de St. Gallen, na Suíça. “Então pensamos: ‘Por que não fazemos um estudo examinando o efeito potencial que a percepção da urgência da mudança climática tem sobre o apoio das pessoas às políticas?’

Para encontrar respostas, os pesquisadores entrevistaram 9.911 pessoas na Alemanha e nos Estados Unidos. A equipe descobriu que as pessoas que percebem as mudanças climáticas como urgentes também tendem a apoiar planos gerais de mitigação, como temperatura de longo prazo e metas de mitigação. Mas quando se trata de sacrifícios pessoais, como cortar o consumo de carne e reduzir o uso de carros movidos a combustíveis fósseis, o senso de urgência não convence as pessoas a apoiar esses planos de “alto custo”.

No entanto, os pesquisadores encontraram algumas estratégias que podem ajudar os formuladores de políticas a defender políticas ambiciosas de mitigação do clima. Eles descobriram que fornecer contexto e informações sobre o propósito e a importância de certas medidas políticas pode aumentar o apoio das pessoas, mesmo para abordagens de mitigação impostas aos consumidores que requerem mudança de comportamento ou são caras para os indivíduos. Os pesquisadores observaram que os políticos também podem se comunicar e vincular a urgência da mudança climática às correspondentes soluções eficazes de curto prazo para criar “vitórias rápidas”.

“Se os governos forem abertos, transparentes, engajados e autênticos com as políticas climáticas, as pessoas realmente estarão mais propensas a segui-las, e o risco de reação pública é bem menor”, diz o coautor Lukas Fesenfeld do Instituto Federal Suíço de Tecnologia em Zurique, Suíça. “Os cidadãos não são o principal obstáculo.”

Os pesquisadores também descobriram que, embora 80% dos alemães e 64% dos americanos que participaram da pesquisa concordem que a mudança climática já é um problema sério hoje e para as gerações futuras, esses entrevistados estão significativamente menos preocupados com as consequências das mudanças climáticas para si próprios.

“As informações extraídas sobre urgência por conta própria provavelmente não mudarão os comportamentos e o suporte”, disse Fesenfeld. “Mas morar no Texas e experimentar dias de neve ou sentar em um apartamento frio porque seu isolamento não foi feito para neve – essas experiências do mundo real e reações emocionais combinadas com informações analíticas podem ajudar.” Uma das próximas etapas da equipe é comparar e investigar como os indivíduos que passaram por eventos climáticos extremos reagem a mensagens personalizadas sobre a urgência da mudança climática e como eles respondem a soluções de curto prazo.

“Os formuladores de políticas podem e devem realmente agir de forma mais ambiciosa e rápida para evitar que o público sinta a mudança climática com muita força em suas próprias vidas em um futuro próximo”, disse Rinscheid. “Alguns já estão sofrendo os impactos.”

Referência:

Emphasizing urgency of climate change is insufficient to increase policy support
Lukas Paul Fesenfeld, Adrian Rinscheid
One Earth, Volume 4, ISSUE 3, P411-424, March 19, 2021
DOI: https://doi.org/10.1016/j.oneear.2021.02.010

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 22/03/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

Nota: Para receber atualizações pelo grupo de notícias do EcoDebate no WhatsApp, adicione o telefone 21 98682-4779 e, em seguida, envie uma mensagem com o texto ADICIONAR.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

https://twitter.com/ecodebate/status/1373985326184677377

Top