Há duas vezes mais carbono fluindo da terra para o oceano do que se pensava

 

Há duas vezes mais carbono fluindo da terra para o oceano do que se pensava

Todos os anos, 600-900 milhões de toneladas de carbono fluem pelos rios para o oceano, como partículas ou na forma dissolvida. 

Os pesquisadores sabem há muito tempo que isso não representa a quantidade total de carbono que é transportado da terra para o oceano. Mas os contribuintes restantes, principalmente de ecossistemas costeiros, como florestas de manguezais ricas em carbono, e da descarga de água subterrânea no oceano têm sido notoriamente difíceis de medir.

IBS Center for Climate Physics South Korea*

Um novo estudo publicado na revista Global Biogeochemical Cycles e liderado pelo Dr. Eun Young Kwon, líder do projeto no Centro IBS de Física Climática da Coreia do Sul fornece novas estimativas deste componente indescritível do ciclo global do carbono.

O estudo faz uso da existência de dois isótopos de carbono estáveis, 12 C e 13 C, sendo este último um pouco mais pesado, por possuir mais um nêutron em seu núcleo. A razão de concentração entre esses dois isótopos de carbono (referido como δ 13 C) fornece um meio de rastrear o carbono através dos diferentes componentes do ciclo do carbono, incluindo a atmosfera, os oceanos, os sistemas fluviais e a biosfera. Conhecendo o típico δ 13Valor C da biosfera terrestre e da vegetação costeira, agora é possível rastrear como essa quantidade se dilui nos oceanos. “Os valores dos isótopos de carbono agem como um corante invisível que nos diz algo sobre a fonte de onde veio e quanto foi liberado inicialmente”, diz o Dr. Kwon, principal autor do estudo.

Figura esquemática que mostra as novas estimativas de transporte de carbono em rios, águas subterrâneas e ecossistemas costeiros da terra para o oceano
Figura esquemática que mostra as novas estimativas de transporte de carbono em rios, águas subterrâneas e ecossistemas costeiros da terra para o oceano. (Crédito: Eun Young Kwon)

 

Usando observações oceânicas de δ 13 C e estimativas das correntes oceânicas, a Dra. Kwon e sua equipe internacional foram capazes de calcular quanto carbono teria que vir da terra para explicar os dados do oceano. Os cálculos são um pouco mais complicados porque o carbono também pode ser depositado nas profundezas do oceano como sedimento ou gás para a atmosfera. Além disso, a queima de combustível fóssil também altera o δ 13 C do carbono atmosférico e, eventualmente, oceânico.

Depois de contabilizar esses efeitos, os autores se surpreenderam: eles encontraram números muito mais altos para a transferência de carbono da terra para o oceano de 900-1900 milhões de toneladas por ano (ver Figura). A maior parte das entradas de carbono não ribeirinhas de cerca de 300-1300 milhões de toneladas de carbono por ano ocorrem principalmente ao longo das costas dos oceanos Índico e Pacífico. “Isso é consistente com a ideia de que a descarga de água subterrânea e os ecossistemas costeiros, o chamado carbono azul, desempenham um papel fundamental no ciclo global do carbono”, diz o Dr. Kwon.

Uma das questões que permanecem em aberto é quais processos oceânicos são responsáveis ​​por transportar o carbono dissolvido das zonas costeiras para o oceano aberto, de onde parte dele é liberado de volta para a atmosfera. “Essa questão será tratada no futuro com uma série de simulações de novos modelos de sistemas terrestres que acabamos de realizar em nosso supercomputador Aleph”, diz Axel Timmermann, coautor do estudo e diretor do IBS Center for Climate Physics.

Referência:

Kwon, E. Y., DeVries, T., Galbraith, E., Hwang, J., Kim, G., & Timmermann, A. (2021). Stable Carbon Isotopes Suggest Large Terrestrial Carbon Inputs to the Global Ocean. Global Biogeochemical Cycles, 35, e2020GB006684. https://doi.org/10.1029/2020GB006684

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 19/03/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

Nota: Para receber atualizações pelo grupo de notícias do EcoDebate no WhatsApp, adicione o telefone 21 98682-4779 e, em seguida, envie uma mensagem com o texto ADICIONAR.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

https://twitter.com/ecodebate/status/1373318949958467593
https://twitter.com/ecodebate/status/1372890610911301634

Top