Verões do hemisfério norte podem durar quase metade do ano até 2100

 

Verões do hemisfério norte podem durar quase metade do ano até 2100

Sem esforços para mitigar a mudança climática, verões que duram quase seis meses podem se tornar o novo normal até 2100 no Hemisfério Norte, de acordo com um novo estudo. A mudança provavelmente teria impactos de longo alcance na agricultura, saúde humana e meio ambiente, de acordo com os autores do estudo.

American Geophysical Union*

Na década de 1950, no hemisfério norte, as quatro estações chegaram em um padrão previsível e bastante uniforme. Mas a mudança climática agora está causando mudanças dramáticas e irregulares na duração e nas datas de início das temporadas, que podem se tornar mais extremas no futuro em um cenário de clima de negócios como de costume.

“Os verões estão ficando mais longos e quentes, enquanto os invernos estão mais curtos e quentes devido ao aquecimento global”, disse Yuping Guan, oceanógrafo físico do Laboratório Estadual de Oceanografia Tropical, Instituto de Oceanologia do Mar do Sul da China, Academia Chinesa de Ciências e principal autor do livro o novo estudo em Geophysical Research Letters, o jornal da AGU para relatórios de alto impacto e formato curto com implicações imediatas abrangendo todas as ciências terrestres e espaciais.

Guan se inspirou para investigar as mudanças no ciclo sazonal enquanto orientava um aluno de graduação, o coautor Jiamin Wang. “Mais frequentemente, eu leio alguns relatórios meteorológicos fora de época, por exemplo, falsa primavera ou neve de maio e assim por diante”, disse Guan.

Os pesquisadores usaram dados climáticos diários históricos de 1952 a 2011 para medir as mudanças na duração das quatro estações e no início no hemisfério norte. Eles definiram o início do verão como o início das temperaturas nos 25% mais quentes durante esse período, enquanto o inverno começou com temperaturas nos 25% mais frios. Em seguida, a equipe usou modelos de mudança climática estabelecidos para prever como as estações mudarão no futuro.

O novo estudo descobriu que, em média, o verão cresceu de 78 para 95 dias entre 1952 e 2011, enquanto o inverno encolheu de 76 para 73 dias. A primavera e o outono também contraíram de 124 a 115 dias e de 87 a 82 dias, respectivamente. Consequentemente, a primavera e o verão começaram mais cedo, enquanto o outono e o inverno começaram mais tarde. A região do Mediterrâneo e o planalto tibetano experimentaram as maiores mudanças em seus ciclos sazonais.

Se essas tendências continuarem sem nenhum esforço para mitigar as mudanças climáticas, os pesquisadores preveem que em 2100, o inverno durará menos de dois meses, e as temporadas de transição da primavera e do outono também encolherão ainda mais.

“Numerosos estudos já mostraram que a mudança das estações causa riscos ambientais e de saúde significativos”, disse Guan. Por exemplo, os pássaros estão mudando seus padrões de migração e as plantas estão emergindo e florescendo em épocas diferentes. Essas mudanças fenológicas podem criar incompatibilidades entre os animais e suas fontes de alimento, perturbando as comunidades ecológicas.

As mudanças sazonais também podem causar estragos na agricultura, especialmente quando as fontes falsas ou as tempestades de neve tardias danificam as plantas em flor. E com estações de cultivo mais longas, os humanos respirarão mais pólen causador de alergias, e os mosquitos transmissores de doenças podem expandir sua distribuição para o norte.

Indo a extremos

Essa mudança nas estações pode resultar em eventos climáticos mais severos, disse Congwen Zhu, pesquisador de monções do Laboratório Estadual de Clima Severo e Instituto de Sistema Climático da Academia Chinesa de Ciências Meteorológicas de Pequim, que não participou do novo estudo. .

“Um verão mais quente e mais longo sofrerá eventos de alta temperatura mais frequentes e intensificados – ondas de calor e incêndios florestais”, disse Zhu. Além disso, invernos mais quentes e mais curtos podem causar instabilidade que leva a ondas de frio e tempestades de inverno, assim como as recentes tempestades de neve no Texas e em Israel, disse ele.

“Este é um bom ponto de partida abrangente para compreender as implicações das mudanças sazonais”, disse Scott Sheridan, um cientista climático da Kent State University que não fez parte do novo estudo.

É difícil conceituar um aumento médio de temperatura de 2 ou 5 graus, disse ele, mas “acho que perceber que essas mudanças forçarão mudanças potencialmente dramáticas nas estações provavelmente terá um impacto muito maior em como você percebe o que a mudança climática está fazendo. ”

Mudanças nas datas de início e durações médias das quatro estações nas latitudes médias do Hemisfério Norte para 1952, 2011 e 2100
Mudanças nas datas de início e durações médias das quatro estações nas latitudes médias do Hemisfério Norte para 1952, 2011 e 2100. Crédito: Wang et al 2020 / Geophysical Research Letters / AGU.

 

Referência:

Changing Lengths of the Four Seasons by Global Warming
Jiamin Wang, Yuping Guan, Lixin Wu, Xiaodan Guan, Wenju Cai, Jianping Huang, Wenjie Dong, Banglin Zhang
Geophysical Research Letters, First published: 19 February 2021
https://doi.org/10.1029/2020GL091753

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 10/03/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

Nota: Para receber atualizações pelo grupo de notícias do EcoDebate no WhatsApp, adicione o telefone 21 98682-4779 e, em seguida, envie uma mensagem com o texto ADICIONAR.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top