Mudanças climáticas ameaçam florestas europeias

 

Abetos infestados e mortos por escaravelhos na região de Triglav, Eslovênia, 2020. (Foto: Henrik Hartmann)
Abetos infestados e mortos por escaravelhos na região de Triglav, Eslovênia, 2020. (Foto: Henrik Hartmann)

 

Mudanças climáticas ameaçam florestas europeias

Nos últimos anos, as florestas europeias sofreram muito com as condições climáticas extremas e seus impactos. Grandes partes das florestas da Europa estão potencialmente em risco de perturbações como ataques de insetos.

Este é o principal resultado de um estudo realizado por uma equipe internacional de cientistas com a participação de Henrik Hartmann do Instituto Max Planck de Biogeoquímica de Jena, Alemanha.

Max Planck Institute for Biogeochemistry*

As florestas cobrem um bom terço da massa de terra da Europa. Eles desempenham um papel importante na regulação do clima e do ciclo hídrico. Fornecem lenha, servem de habitat a uma vasta gama de espécies e de área de lazer para o ser humano. Alguns cientistas chegam a sugerir o florestamento como uma medida para mitigar as mudanças climáticas, uma vez que as florestas absorvem CO 2contanto que eles cresçam.

Atualmente, porém, acontece o contrário: nas últimas décadas, as mudanças climáticas têm causado danos consideráveis às florestas, que se tornaram cada vez mais vulneráveis a distúrbios. A estrutura da floresta e o clima predominante determinam em grande parte o quão vulneráveis as florestas são a perturbações e vulnerabilidade a infestações de insetos, especialmente no norte da Europa. As florestas boreais de coníferas das regiões frias e as florestas secas da Península Ibérica contam-se entre os ecossistemas mais frágeis.

Infestações de insetos cada vez mais colocam as florestas em risco

Cientistas da Itália, Espanha, Finlândia e Alemanha descobriram agora que mais da metade das florestas europeias sofreram gravemente com distúrbios relacionados à mudança climática, como queda inesperada, ataques de insetos e incêndios ou uma combinação de vários desses eventos. Usando dados de satélite e inteligência artificial, os cientistas estudaram a vulnerabilidade a distúrbios no período entre 1979 e 2018.

Henrik Hartmann, líder do grupo de pesquisa no Instituto Max Planck de Biogeoquímica, observa as respostas das florestas de uma perspectiva ecofisiológica e resume: “A experiência dos últimos anos, especialmente desde 2018, mostrou claramente que a ameaça às florestas representada por insetos-praga tem particularmente aumentou com a mudança climática em curso. Há o risco de que um aquecimento ainda maior aumente essa tendência. ”

Condições climáticas extremas, como ondas de calor e secas, enfraquecem as árvores e as tornam vulneráveis a insetos-praga. “Essa descoberta não é nova, e as florestas estão normalmente bem adaptadas para lidar com extremos climáticos ocasionais. O fato de esses extremos agora estarem ocorrendo com tanta frequência e repetidamente torna a exceção a norma, e as florestas não podem lidar com essa situação”, explica o especialista. .

Árvores velhas são particularmente vulneráveis

O estudo também mostra que árvores grandes e velhas são particularmente vulneráveis a extremos climáticos. Nos últimos anos de seca, isso também foi observado nas florestas de faias da Europa Central, onde um número crescente de árvores velhas morreu repentinamente. “Isso ocorre porque seu sistema de transporte de água tem que funcionar sob maior pressão para transportar a água do solo pelas raízes até a copa alta. Como resultado, as árvores grandes sofrem mais com a seca e ficam mais suscetíveis a doenças. ”

Árvores grandes e mais velhas também são hospedeiras preferidas de insetos nocivos. Por exemplo, o besouro da casca do abeto vermelho europeu, que ataca principalmente os pinheiros adultos, prefere voar para indivíduos maiores. Além disso, árvores grandes também fornecem uma área maior para ataques de vento durante eventos de tempestade. “Os resultados do estudo são conclusivos tanto do ponto de vista ecológico quanto ecofisiológico”, resume Henrik Hartmann.

À luz das alterações climáticas em curso, as suas conclusões são muito importantes para melhorar as estratégias de mitigação e adaptação, bem como a gestão florestal para tornar as florestas europeias mais resilientes para o futuro. As florestas europeias existentes não desaparecerão necessariamente, mas muitas delas podem ser seriamente danificadas por antecipadas perturbações induzidas pelas alterações climáticas e os serviços ecossistêmicos importantes podem ser prejudicados pela perda de árvores especialmente grandes e velhas.

Referência:

Forzieri, G., Girardello, M., Ceccherini, G. et al. Emergent vulnerability to climate-driven disturbances in European forests. Nat Commun 12, 1081 (2021). https://doi.org/10.1038/s41467-021-21399-7

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 02/03/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

Nota: Para receber atualizações pelo grupo de notícias do EcoDebate no WhatsApp, adicione o telefone 21 98682-4779 e, em seguida, envie uma mensagem com o texto ADICIONAR.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top