Não existe tratamento preventivo para a covid-19, reafirmam especialistas

 

Não existe tratamento preventivo para a covid-19, reafirmam especialistas

Ivermectina, azitromicina, hidroxicloroquina ou cloroquina, Annita são drogas usadas como preventivas da covid-19, mas não apresentam eficácia
Ivermectina, azitromicina, hidroxicloroquina ou cloroquina, Annita são drogas usadas como preventivas da covid-19, mas não apresentam eficácia – Fotomontagem: Freepik/Wikipedia

Gonzalo Vecina Neto comenta que, entre as consequências do uso desses medicamentos sem necessidade e sem eficácia, pode-se citar o surgimento de superbactérias, no caso da azitromicina, e o uso da ivermectina que comprometeu o fígado dos pacientes, de acordo com relatos médicos

Rádio USP

Você já ouviu falar em tratamento preventivo para covid-19? Na lista de medicamentos a serem tomados, citam ivermectina, azitromicina, hidroxicloroquina ou cloroquina, Annita… Mas será que isso funciona mesmo?

Sobre o uso desses medicamentos como tratamento preventivo contra a covid-19, Gonzalo Vecina Neto, médico e professor do Departamento de Política, Gestão e Saúde da Faculdade de Saúde Pública da USP e que também já foi secretário nacional da Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde e diretor da Anvisa, diz que as drogas não apresentaram eficácia.

Quando realizados os testes em um grupo de pessoas, os medicamentos não demonstraram nenhuma eficácia contra a doença. “Pelo contrário, no caso da cloroquina, há um aumento da probabilidade da ocorrência de arritmias cardíacas”, afirma o especialista.

Entre os casos da doença, em muitos, ela é desenvolvida de maneira muito leve. Nesses casos, as pessoas se curariam de qualquer forma, tomando ou não tomando os medicamentos levantados como tratamento preventivo. Nos demais casos, em que os pacientes precisam ir para o hospital por conta da gravidade, “não houve mudança na orientação da doença, porque tomou ou não os medicamentos. Os únicos medicamentos que fizeram diferença nesse grupo foram os anti-inflamatórios hormonais e, em uma fase um pouco mais avançada, os anticoagulantes”, explica.

Entre as consequências do uso desses medicamentos sem necessidade e sem eficácia, pode-se citar o surgimento de superbactérias, no caso da azitromicina. Além disso, recentemente médicos têm relatado casos em que o uso da ivermectina comprometeu o fígado dos pacientes.

Caso um médico prescreva esses medicamentos para alguém, Vecina recomenda que se troque de médico e seria o caso até mesmo de denunciá-lo para o Conselho de Medicina do Estado onde estiver.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 16/02/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

Nota: Para receber atualizações pelo grupo de notícias do EcoDebate no WhatsApp, adicione o telefone 21 98682-4779 e, em seguida, envie uma mensagem com o texto ADICIONAR.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top