Turismo é o principal responsável pelo lixo marinho nas praias do Mediterrâneo

 

lixo - canudos plásticos

Turismo é o principal responsável pelo lixo marinho nas praias do Mediterrâneo

A pandemia global COVID19 pode ser uma oportunidade para repensar o modelo de turismo sustentável

Universitat Autònoma de Barcelona*

Pesquisadores do Instituto de Ciência e Tecnologia Ambiental da Universitat Autònoma de Barcelona (ICTA-UAB) alertam para o impacto do atual modelo de turismo nas ilhas mediterrâneas na produção de lixo marinho nas praias, e recomendam aproveitar a situação gerada pela pandemia Covid19 para repensar um novo modelo mais sustentável.

A pesquisa, publicada recentemente na revista Scientific Reports , mostra que o uso recreativo das praias das ilhas mediterrâneas durante o verão é responsável por até 80% do lixo marinho que se acumula nessas praias, e gera grandes quantidades de microplásticos através da fragmentação de maiores artigos de plástico.

O estudo internacional liderado por pesquisadores do ICTA-UAB analisou os efeitos dos resíduos gerados pelo turismo em oito ilhas do Mediterrâneo nos últimos quatro anos. O lixo marinho, incluindo microplásticos, pode ser definido como qualquer material sólido persistente, manufaturado ou processado descartado, descartado ou abandonado no meio marinho e costeiro. Resulta da atividade humana e pode ser encontrado em todos os oceanos e mares do mundo. “Esta questão ambiental está ameaçando a boa saúde dos ecossistemas marinhos e pode levar à perda de biodiversidade. Ela também pode ter impactos econômicos enormes para as comunidades costeiras que dependem dos serviços ecossistêmicos, aumentando os gastos com limpeza de praias, saúde pública ou eliminação de resíduos” , afirma o Dr. Michaël Grelaud, pesquisador do ICTA-UAB e autor do artigo.

A região do Mediterrâneo acolhe cerca de um terço do turismo mundial todos os anos e é particularmente afetada pela poluição ambiental relacionada com este setor. Devido à sua atratividade, as ilhas do Mediterrâneo multiplicam sua população em até 20 durante a alta temporada. Isto representa um desafio para os municípios costeiros, que dependem deste setor mas têm de se adaptar e fazer face ao aumento dos resíduos gerados, inclusive nas praias, pelo afluxo sazonal de turistas. Espera-se que o turismo costeiro seja uma das principais fontes terrestres de lixo marinho.

A quantidade e o tipo de resíduos coletados foram caracterizados durante 147 pesquisas de lixo marinho realizadas durante a temporada de turismo baixa e alta de 2017, em 24 praias de 8 ilhas mediterrâneas diferentes. Os resultados mostram que a grande maioria dos itens coletados são de plástico, pois representam mais de 94% do lixo marinho.

Durante o verão, em média 330 itens se acumulam por 1000m2 de praia por dia nas praias turísticas mais populares, 5,7 vezes mais do que na baixa temporada. Isso representa um item a cada três etapas. O número de itens provavelmente deixados nas praias pelos visitantes, como bitucas de cigarro, canudos ou latas de bebidas, representam mais de 65% da quantidade de lixo marinho que se acumula nas praias mais procuradas pelos turistas. Isso pode aumentar até 80% se os microplásticos grandes forem incluídos como sugerido pelos resultados: durante o verão, os itens de plástico deixados na praia sofrerão fragmentação sob os efeitos combinados da irradiância solar e atrito com a areia, acelerados pelo alto volume de visitantes. Extrapolado para todas as ilhas do Mar Mediterrâneo,

Em 2019, e após a realização de campanhas de sensibilização cidadã, os resultados apontaram para uma diminuição de mais de 50% dos itens associados a visitantes.

“Esses resultados muito encorajadores provavelmente se beneficiam da crescente atenção do público à poluição do plástico nos oceanos ou às medidas adotadas pela Comissão Europeia para reduzir o lixo marinho, como a diretriz de uso único do plástico”, diz a Dra. Patrizia Ziveri , Professor Pesquisador do ICREA do ICTA-UAB.

Além disso, eles lembram que “o confinamento pela COVID19 e a redução drástica temporária do turismo associada oferece uma oportunidade para repensar a importância fundamental do turismo sustentável para garantir um futuro saudável para o meio ambiente e, portanto, também para as pessoas”, Dr. Patrizia Ziveri conclui.

Referência:

Grelaud, M., Ziveri, P. The generation of marine litter in Mediterranean island beaches as an effect of tourism and its mitigation. Sci Rep 10, 20326 (2020). https://doi.org/10.1038/s41598-020-77225-5

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 09/02/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

Nota: Para receber atualizações pelo grupo de notícias do EcoDebate no WhatsApp, adicione o telefone 21 98682-4779 e, em seguida, envie uma mensagem com o texto ADICIONAR.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top