EUA retornam ao Acordo de Paris e ampliam o isolamento negacionista do Brasil

 

Joe Biden e Kamala Harris
Joe Biden e Kamala Harris, Foto: Casa Branca

EUA retornam ao Acordo de Paris e ampliam o isolamento negacionista do Brasil

O discurso de posse do presidente Joe Biden, na quarta-feira (20), confirmou mudanças de peso na política ambiental americana. Biden mencionou “o clima em crise” entre os maiores desafios à frente dos EUA, juntamente com a pandemia e o racismo estrutural, e deve anunciar nas próximas horas o retorno do país ao Acordo do Clima de Paris.

Por Solange A. Barreira

Mas é urgente ir do discurso à prática, já que os EUA, atualmente segundo maior emissor mundial de gases de efeito estufa, possuem uma dívida ambiental histórica com o planeta — que se agravou ao longo dos últimos quatro anos do governo Trump.

Mesmo com maioria no Congresso, Biden deve enfrentar resistência de importantes setores da economia americana para cumprir com a extensa agenda ambiental planejada, que inclui um investimento de US$ 2 trilhões em iniciativas para alcançar o crescimento econômico com redução de emissões.

“Os Estados Unidos viraram a página do negacionismo e do populismo. Os novos rumos da política americana são um sopro de esperança e precisam se transformar em ações o quanto antes. Já os governos negacionistas, como o de Jair Bolsonaro, ficarão cada vez mais pressionados e devem ser responsabilizados pelo desastre que provocam à humanidade”, diz Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima.

A postura do mandatário americano frente às questões ambientais representa também um isolamento ainda maior do Brasil no cenário internacional.

Com a pior taxa de desmatamento dos últimos 12 anos e metas menos ambiciosas para o Acordo do Clima, Jair Bolsonaro perdeu a referência do trumpismo e caminha para acastelar cada vez mais o Brasil devido a sua política antiambiental, sob o risco de sofrer sanções das grandes economias mundiais e perder acordos importantes, além de investimentos essenciais para a recuperação econômica pós-pandemia.

“Sob Bolsonaro, o Brasil é visto hoje como um exemplo negativo dentro das discussões de clima. Lamentavelmente, viramos o problema de uma agenda que deveríamos liderar”, afirma Astrini.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 21/01/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

Nota: Para receber atualizações pelo grupo de notícias do EcoDebate no WhatsApp, adicione o telefone 21 98682-4779 e, em seguida, envie uma mensagem com o texto ADICIONAR.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top