2020 a caminho de ser um dos três anos mais quentes já registrados

 

2020 a caminho de ser um dos três anos mais quentes já registrados

WMO

A mudança climática continuou sua marcha implacável em 2020, que está prestes a ser um dos três anos mais quentes já registrados. 2011-2020 será a década mais quente já registrada, com os seis anos mais quentes desde 2015, de acordo com a Organização Meteorológica Mundial.

O calor do oceano está em níveis recordes e mais de 80% do oceano global experimentou uma onda de calor marinha em algum momento de 2020, com repercussões generalizadas para os ecossistemas marinhos que já sofrem com águas mais ácidas devido à absorção de dióxido de carbono (CO 2 ), de acordo com o relatório provisório da OMM sobre o estado do clima global em 2020 .

O relatório, que se baseia em contribuições de dezenas de organizações internacionais e especialistas , mostra como eventos de alto impacto, incluindo calor extremo, incêndios florestais e inundações, bem como a temporada recorde de furacões no Atlântico, afetaram milhões de pessoas, agravando ameaças aos humanos saúde e segurança e estabilidade econômica representada pela pandemia de COVID-19.

Apesar do bloqueio do COVID-19, as concentrações atmosféricas de gases de efeito estufa continuaram a aumentar , comprometendo o planeta a um aquecimento ainda maior por muitas gerações por causa da longa vida útil do CO 2 na atmosfera, de acordo com o relatório.

aumento das temperaturas globais desde 1880

“A temperatura média global em 2020 está definida em cerca de 1,2 ° C acima do nível pré-industrial (1850-1900). Há pelo menos uma chance em cinco de exceder temporariamente 1,5 ° C até 2024 ”, disse o Secretário-Geral da OMM, Prof. Petteri Taalas.

“Este ano é o quinto aniversário do Acordo de Paris sobre Mudanças Climáticas. Saudamos todos os compromissos recentes dos governos para reduzir as emissões de gases de efeito estufa porque atualmente não estamos no caminho certo e mais esforços são necessários. ”

“Anos recordes de calor costumam coincidir com um forte evento El Niño, como foi o caso em 2016. Estamos agora passando por um La Niña, que tem um efeito de resfriamento nas temperaturas globais, mas não foi suficiente para travar as deste ano calor. Apesar das condições atuais do La Niña, este ano já mostrou um calor quase recorde comparável ao recorde anterior de 2016 ”, disse o Prof. Taalas.

“2020 foi, infelizmente, mais um ano extraordinário para o nosso clima. Vimos novas temperaturas extremas na terra, no mar e especialmente no Ártico. Os incêndios florestais consumiram vastas áreas na Austrália, Sibéria, Costa Oeste dos Estados Unidos e América do Sul, enviando nuvens de fumaça que circunavegam o globo. Vimos um número recorde de furacões no Atlântico, incluindo furacões consecutivos de categoria 4 sem precedentes na América Central em novembro. Inundações em partes da África e no Sudeste Asiático levaram ao deslocamento de uma população em massa e prejudicou a segurança alimentar de milhões ”, disse ele.

O relatório provisório do Estado do Clima Global para 2020 é baseado em dados de temperatura de janeiro a outubro. O relatório final de 2020 será publicado em março de 2021. Ele incorpora informações dos Serviços Meteorológicos e Hidrológicos Nacionais, centros climáticos regionais e globais e parceiros das Nações Unidas, incluindo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), Fundo Monetário Internacional (FMI) , Comissão Oceanográfica Intergovernamental da UNESCO (UNESCO-IOC), Organização Internacional para as Migrações (OIM), Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) e Programa Mundial de Alimentos (PMA).

Temperaturas e calor

A temperatura média global de janeiro a outubro de 2020 foi de cerca de 1,2 ° C acima da linha de base de 1850–1900, usada como uma aproximação dos níveis pré-industriais.

É muito provável que 2020 seja um dos três anos mais quentes já registrados em todo o mundo. Os registros modernos de temperatura começaram em 1850.

A avaliação da WMO é baseada em cinco conjuntos de dados de temperatura global (Figura 1). Todos os cinco desses conjuntos de dados atualmente colocam 2020 como o segundo mais quente para o ano até hoje, após 2016 e antes de 2019. A diferença entre os três anos mais quentes é pequena, no entanto, e as classificações exatas para cada conjunto de dados podem mudar uma vez que os dados para o o ano inteiro estão disponíveis.

O calor mais notável foi observado no norte da Ásia, particularmente no Ártico da Sibéria, onde as temperaturas estavam mais de 5 ° C acima da média. O calor da Sibéria culminou no final de junho, quando atingiu 38,0 ° C em Verkhoyansk no dia 20, provisoriamente a temperatura mais alta conhecida em qualquer lugar ao norte do Círculo Polar Ártico. Isso alimentou a temporada de incêndios florestais mais ativa em um registro de dados de 18 anos, conforme estimado em termos de emissões de CO 2 liberadas por incêndios.

Da World Meteorological Organization (WMO), com tradução e edição de Henrique Cortez, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 03/12/2020

Nota: Para receber atualizações pelo grupo de notícias do EcoDebate no WhatsApp, adicione o telefone 21 98682-4779 e, em seguida, envie uma mensagem com o texto ADICIONAR.

 

CONTEÚDO SUGERIDO / PUBLICIDADE



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top