Países devem acelerar ações para limitar o aquecimento a 1,5°C

 

Países devem acelerar ações para limitar o aquecimento a 1,5°C

Novo relatório mostra que o progresso em todos os setores está muito lento para limitar o aquecimento a 1,5°C

 Relatório conjunto do World Resources Institute e ClimateWorks conclui que as nações devem acelerar a ação climática mais acentuadamente do que as tendências recentes

Por Karol Domingues

Para manter a janela aberta para limitar o aquecimento global a 1,5°C, os países precisam acelerar a transformação em direção a um futuro de emissões líquidas zero em todos os setores em um ritmo muito mais rápido do que as tendências recentes, de acordo com um novo relatório do World Resources Institute e a Fundação ClimateWorks.

O relatório do Estado da Ação Climática, divulgado no encerramento dos Diálogos Climáticos Race-to-Zero e pouco antes do quinto aniversário da adoção do Acordo de Paris, avaliou o progresso global e nacional em seis setores-chave para atingir os benchmarks de 2030 e 2050 para manter o aquecimento global sob controle. Ele descobriu que, embora o progresso esteja sendo feito em muitos setores, para a grande maioria deles a taxa de mudança é muito lenta para que o mundo corte as emissões de gases de efeito estufa pela metade até 2030 e alcance as emissões líquidas zero em meados do século, o que são necessárias para atingir os objetivos do Acordo de Paris.

Este relatório deixa claro que precisamos intensificar drasticamente a ação em todos os setores econômicos globalmente, se quisermos um futuro climático estável. Embora estejamos fazendo um progresso gradual, o tempo está se esgotando”, disse Surabi Menon, vice-presidente de Inteligência Global da Fundação ClimateWorks. “Felizmente, o relatório também apresenta algumas das soluções que os setores público e privado, bem como a filantropia, podem buscar para acelerar nosso progresso em direção a um planeta saudável com um futuro próspero.”

Benchmarks para quatro setores (energia, edifícios, indústria e transporte) foram desenvolvidos pelo consórcio Climate Action Tracker; o World Resources Institute desenvolveu benchmarks para florestas e agricultura.

Para a grande maioria dos 21 indicadores avaliados, manter as taxas históricas de progresso seria altamente insuficiente. Por exemplo, o relatório conclui que, para entrar no caminho certo para os cortes de emissões exigidos até 2030, o mundo precisa:

Acelerar cinco vezes mais o aumento da participação das energias renováveis na geração de eletricidade;

Eliminar gradualmente o carvão na geração de eletricidade cinco vezes mais rápido;

Reduzir três vezes mais rápido a intensidade de carbono da geração de eletricidade;

Acelerar 22 vezes a adoção de veículos elétricos do que as taxas significativas de adoção nos últimos anos;

Acelerar oito vezes o aumento da participação de combustíveis com baixo teor de carbono; e

Acelerar cinco vezes o aumento no ganho anual de cobertura de árvores.

As decisões que os países tomarem antes das negociações climáticas da COP26 da ONU no próximo ano podem nos conduzir a um futuro mais seguro e resiliente ou aumentar muito a probabilidade de impactos climáticos mortais e onerosos, como ondas de calor, secas, tempestades e outros fatores extremos eventos climáticos”, disse Helen Mountford, vice-presidente de Clima e Economia do World Resources Institute. “Esta análise mostra que nossos esforços para enfrentar as mudanças climáticas precisam ser bastante acelerados se quisermos entrar no caminho de um futuro mais seguro e brilhante.”

Duas áreas onde o mundo está indo especialmente mal são a interrupção do desmatamento e a redução das emissões da produção agrícola. Apesar do amplo compromisso de governos, sociedade civil e empresas para proteger as florestas, elas continuam a ser desmatadas ou degradadas em quase todos os países avaliados. Para cumprir as metas do Acordo de Paris, precisamos não apenas interromper o desmatamento, mas também adicionar mais árvores à paisagem. Enquanto isso, as emissões da produção agrícola cresceram 3% entre 2012 e 2017. As emissões agrícolas podem crescer 27% entre 2017 e 2050, enquanto para manter as temperaturas globais abaixo de 1,5°C elas deveriam cair 22% até 2030 e 39% até 2050 em comparação para os níveis de 2017.

Em contraste com outros indicadores, duas medidas estão a caminho de atingir os níveis necessários até 2030, caso sua taxa histórica de progresso seja mantida: aumentar a produtividade das safras e manter o consumo per capita constante de carne de ruminante (bovino, ovino e caprino). Entre 2012 e 2017, as safras globais cresceram em média 0,11 toneladas por hectare anualmente. Se essa taxa continuar, os rendimentos devem ser capazes de atender à demanda elevada por safras à medida que a população global aumenta. O consumo de carne de ruminantes per capita globalmente diminuiu 3% entre 2012 e 2017. No entanto, essas tendências globais mascaram variações regionais importantes. Por exemplo, na África Subsaariana, o crescimento da produção agrícola precisaria ser 12 vezes mais rápido entre 2017 e 2030 para atender à crescente demanda de alimentos sem mais pressões sobre a terra ou dependência de importações. E nas Américas e na Europa, o consumo de carne de ruminantes precisaria diminuir três vezes mais rápido para permitir que o consumo aumentasse um pouco nos países em desenvolvimento à medida que a renda aumentasse.

A rápida transformação necessária para reduzir as emissões pela metade até 2030 exigirá investimentos financeiros significativos, tecnologia transferência e capacitação para os países em desenvolvimento. Embora o financiamento do clima tenha aumentado significativamente nos últimos anos nos setores público, privado e filantrópico, ainda não está na escala necessária para revolucionar nossos sistemas de energia e transporte, acelerar a eficiência energética e proteger as florestas. As estimativas indicam que entre US$ 1,6 e US$ 3,8 trilhões por ano serão necessários até 2050 para transformar apenas o sistema de energia.

A experiência mostra que a mudança transformadora pode acontecer a uma taxa exponencial e não linear. Mudanças sistêmicas que antes pareciam impossíveis foram finalmente alcançadas, como avanços tecnológicos com carros, telefones e computadores. Uma rápida transição para um futuro zero carbono oferece a mesma oportunidade – mas apenas com investimentos inteligentes e proativos em setores-chave.

O relatório descreve oportunidades em todos os seis setores para alinhar as trajetórias de emissões com o que a ciência sugere ser necessário para evitar os piores impactos climáticos. Países, negócios, filantropia e outros devem implementar políticas, incentivos e investimentos financeiros urgentemente para nos acelerar em direção a um futuro mais seguro, próspero e mais justo.

O relatório do Estado da Ação Climática pode ser baixado aqui.

##

Sobre o World Resources Institute

O World Resources Institute (WRI) é uma organização global de pesquisa que abrange mais de 60 países, com escritórios na África, Brasil, China, Europa, Índia, Indonésia, México e Estados Unidos. Seus mais de 1.000 especialistas e funcionários trabalham em estreita colaboração com os líderes para transformar grandes ideias em ação no nexo entre meio ambiente, oportunidade econômica e bem-estar humano. Mais informações sobre o WRI podem ser encontradas em www.wri.org ou no Twitter @WorldResources.

Sobre a Fundação ClimateWorks

ClimateWorks Foundation é uma plataforma global de filantropia para inovar e acelerar soluções climáticas em escala. Oferecemos programas e serviços globais que equipam a filantropia com o conhecimento, redes e soluções para impulsionar o progresso do clima. Desde 2008, o ClimateWorks concedeu mais de $ 1 bilhão a mais de 500 donatários em mais de 40 países.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 23/11/2020

Nota: Para receber atualizações pelo grupo de notícias do EcoDebate no WhatsApp, adicione o telefone 21 98682-4779 e, em seguida, envie uma mensagem com o texto ADICIONAR.

 

CONTEÚDO SUGERIDO / PUBLICIDADE



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top