Atualmente a taxa de um empréstimo pessoal é a mais baixa desde agosto do 2013, com 44,25% ao ano

 

Atualmente a taxa de um empréstimo pessoal é a mais baixa desde agosto do 2013, com 44,25% ao ano

A queda nos valores das taxas de juros faz tempo que é uma generalidade na maioria das linhas de créditos existentes no país. Um dos principais fatores é o nível histórico da Taxa Selic que atualmente alcançou o patamar de 2% anual. Esta é a taxa básica de juros e o importante é saber que quando a Selic aumenta, os bancos escolhem emprestar ao governo, no entanto quando ela cai as instituições precisam emprestar aos consumidores para conseguir maior lucro, isto gera mais concorrência e consequentemente queda nos valores dos créditos.

201119 Receita Federal

A baixa é importante se pensarmos que, só três anos atrás, a Selic estava em 2 dígitos, isto é superior ao 10%. Já para o fim de 2021, segundo as projeções, espera-se que a taxa básica chegue a 2,75% anual. No cenário atual de recessão econômica e pouca inflação, as operações de crédito com juros convenientes se adicionam aos aportes do governo para pagamento de folhas das pequenas e médias empresas, entre outras medidas tendentes a evitar agravar o quadro de inadimplência e solvência das pessoas físicas e jurídicas.

Nessa linha as taxas de juros das operações de crédito para pessoas físicas voltaram a cair no mês passado sendo a 7° redução consecutiva. Isto inclui cheque especial, cartão de crédito, juros do comércio, financiamento de veículos e empréstimo pessoal em bancos e financeiras.

O destaque é para os créditos destinados a pessoas físicas que passou a ter uma taxa média de 5,56% ao mês em setembro para 5,54% em outubro e registra a menor taxa desde agosto de 2013 (em que o valor era de 5,51% – 90,34% anual). É claro que ainda existem opções mais econômicas especialmente no caso dos empréstimos para assalariados que se oferecem no país: o consignado para quem tiver carteira assinada no setor privado apresenta taxas de 2% mensal em média, e o consignado do setor público tem uma taxa de aproximadamente 1,5% por mês.

Para as operações feitas com cartão de crédito os juros são de 11,01% ao mês com uma redução de 0,18%. O a taxa de juros no cheque especial, por exemplo, está atingindo o seu menor patamar da história com 6,99% mensal.

201119 Cartões de crédito

Outra boa notícia para quem estiver precisando de financiar as contas nesta época de crise é que o governo Federal prorrogou a suspensão da cobrança do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) até o final do ano. A suspensão já tinha começado em abril e foi prorrogada em julho. É uma medida importante que visa aliviar as dificuldades financeiras tanto das pessoas físicas quanto empresas já que acaba reduzindo os custos dos créditos contratados. No ano passado, com este imposto foram arrecadados R$ 41,7 bilhões.

Para as operações alcançadas, a isenção vale até a parcela final, mesmo que aquela não seja paga no 2020. É importante levar em conta que o benefício está vigente para empréstimos, financiamentos, cheque especial e rotativo do cartão. O imposto se mantém para outras operações como compras internacionais, câmbio e seguro.

Deixe uma resposta

Top