Influência do clima e meio ambiente na pandemia COVID-19

 

Covid-19

Influência do clima e meio ambiente na pandemia COVID-19

Uma estrutura para pesquisa que liga tempo, clima e COVID-19 foi publicada na Nature Communication. O artigo segue o Simpósio Virtual, co-patrocinado pela OMM, sobre Fatores Climatológicos, Meteorológicos e Ambientais na Pandemia COVID-19,realizado no início de agosto.

“Os primeiros estudos de clima, sazonalidade e influências ambientais no COVID19 produziram resultados inconsistentes e confusos. Para fornecer aos formuladores de políticas e ao público estimativas de risco COVID-19 significativas e viáveis com base no ambiente, a comunidade de pesquisa deve atender a padrões metodológicos e de comunicação robustos ”, afirmam os autores do artigo.

“Por meio de pesquisa e comunicação ágil, mas cuidadosa, é possível encontrar um equilíbrio entre a pesquisa de resposta rápida que a crise do COVID-19 exige e a necessidade de revisão cuidadosa e comunicação dos resultados que podem informar a política”, conclui.

Quando o COVID-19 começou a se espalhar, os cientistas ambientais reconheceram que o mundo enfrentava uma perigosa doença viral do trato respiratório superior que pode exibir sensibilidade às condições climáticas sazonais.

Muitos cientistas procuraram auxiliar a resposta do COVID-19 estudando o potencial de monitorar, prever ou projetar taxas de transmissão de doenças ou gravidade dos sintomas em função da zona climática, estação do ano, variabilidade meteorológica, qualidade do ar e outros parâmetros ambientais.

No entanto, o ritmo acelerado da pesquisa COVID-19 em 2020 significou que os estudos com dados limitados apareceram mais rápido do que as informações poderiam ser verificadas e revisadas por pares. Logo ficou claro que as evidências relatadas eram frequentemente contraditórias ou seletivas devido a deficiências metodológicas e relacionadas aos dados. A estrutura apresenta um processo e uma lista de verificação que pode ajudar a encorajar boas práticas em pesquisa e comunicação.

“A comunidade de pesquisa deve agir para garantir que o trabalho neste tópico atenda ao seu potencial de contribuir para a compreensão e resposta à pandemia, e que o medo de uma análise de dados inadequada ou falta de comunicação não prejudique a inovação ou o uso eficaz dos resultados da pesquisa”, comenta o Comunicado da Nature os autores do artigo, que incluem o Prof. Jürg Luterbacher, Cientista Chefe da OMM e Diretor de Ciência e Inovação, e a Dra. Joy Shumake-Guillemot do Escritório Conjunto de Clima e Saúde da OMS / OMM.

O simpósio virtual internacional sobre fatores Climatológicos, Meteorológicos e Ambientais (CME) na pandemia COVID-19 ocorreu em agosto de 2020 e reuniu centenas de pesquisadores de uma ampla gama de disciplinas e organizações. Foi uma oportunidade para revisar o estado global do conhecimento até o momento, discutir aplicações em potencial e identificar necessidades adicionais de pesquisa e comunicação.

O simpósio virtual emitiu uma declaração de resultados detalhada, incluindo as seguintes conclusões:

  • Publicações revisadas por pares atuais sobre o vírus SARS-CoV-2 e a doença COVID-19 não mostram uma resposta robusta e consistente à temperatura, umidade, vento, radiação solar, nem outros propósitos meteorológicos e ambientais propostos. Mais pesquisas são necessárias sobre quais variáveis ??climáticas são mais críticas para compreender a probabilidade de sua influência e para reduzir o risco de doenças.
  • As evidências indicam que a exposição da população à poluição do ar, na forma de partículas finas, afeta a gravidade dos sintomas do COVID-19. Esta informação deve ser considerada ao avaliar e responder aos padrões de vulnerabilidade do COVID-19. Os impactos de outros parâmetros de qualidade do ar são menos claros, e o papel da qualidade do ar nas taxas de transmissão ainda está sob investigação.
  • A sazonalidade do COVID-19 ainda não foi estabelecida, pois os sinais sazonais são difíceis de distinguir nesta fase inicial da pandemia. A experiência com outros vírus respiratórios sugere que um sinal sazonal pode surgir mais tarde, conforme a doença se torna endêmica.

O Conselho de Pesquisa da OMM estabeleceu uma Equipe de Tarefa para monitorar o estado do conhecimento sobre COVID-19 e as ligações com as condições ambientais, incluindo qualidade do ar, radiação solar, condições meteorológicas e climáticas. Este grupo de especialistas emitirá declarações oficiais periódicas, ajudará a informar a resposta global imediata ao COVID-19, promoverá boas práticas em pesquisa interdisciplinar e ajudará a operacionalizar a modelagem preditiva, se necessário. Ele está preparando um resumo para formuladores de políticas e orientação técnica para a comunidade de pesquisa com foco no entendimento atual sobre como realizar um estudo COVID-19 útil – meteorológico / qualidade do ar e julgar a adequação de produtos operacionais em potencial.

WMO*

Referência: Zaitchik, B.F., Sweijd, N., Shumake-Guillemot, J., Luterbacher, J., et al., 2020: A framework for research linking weather, climate and COVID-19. Nat. Commun. 11, 5730. https://doi.org/10.1038/s41467-020-19546-7

 

Informe da World Meteorological Organization*, com tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 16/11/2020

 

CONTEÚDO SUGERIDO / PUBLICIDADE



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top