PIX: o que é, como funciona, vantagens e riscos

 

PIX
Imagem: Banco Central

PIX : o que é, como funciona, vantagens e riscos

Especialista tira principais dúvidas e comenta sobre a possibilidade de golpes e cuidados com o novo meio de pagamento disponibilizado no Brasil

Por Déborah Ribeiro

O novo sistema de pagamento eletrônico do Banco Central, o PIX, já começou o processo de cadastramento e chega, oficialmente, em novembro para toda a população. O modelo promete revolucionar o sistema financeiro nacional. Porém, algo novo sempre causa dúvidas, principalmente quando envolve finanças pessoais.

O CEO da fintech U4crypto, Túlio Iannini, explica que a novidade será um enorme passo para a modernidade e liberdade que o mercado econômico exige. “Há algum tempo precisávamos rever diversos pontos para conseguirmos movimentar mais nosso sistema financeiro e promover a aguardada inclusão financeira que necessitamos. Por anos, nós utilizamos meios defasados em outros países que dificultavam bastante a vida de quem não possui muita habilidade com transações bancárias, além de sofrermos com processos burocráticos e demorados sem real necessidade. Agora, com o PIX, esses pequenos pontos serão solucionados e poderemos agilizar todos os aspectos”, afirma.

Entre as facilidades, a mais comentada é exatamente a agilidade em realizar pagamentos e transferências para qualquer pessoa e em qualquer lugar. “Agora, um boleto poderá ser finalizado em poucos segundos. Será muito mais fácil fazer tudo na palma da mão, no próprio celular e em aplicativos de mensagens instantâneas”, completou o CEO.

PIX – Principais dúvidas

Exatamente por fornecer tanta facilidade, muita gente ainda possui receio e questionamentos sobre o PIX. Será que é realmente seguro? Golpes serão mais fáceis? Túlio Ianinni responde essas e outras perguntas. Confira:

É confiável?

Sim. O modelo foi criado pelo Banco Central e continua tendo todas as medidas de segurança para impedir utilização inadequada dos serviços. Todos os processos realizados com o PIX precisam ser autenticados conforme as normas de segurança de cada banco que, em sua maioria, envolvem identificação pessoal, biometria, senha, dentre outras informações.

Será mais fácil cair em golpes?

Infelizmente, ainda existe o risco de golpes, mas não devido ao PIX em si. O sistema é totalmente seguro. O problema é que muitos golpistas podem agir de má fé enviando links falsos para realização de cadastro, em que pode haver roubo de informações pessoais e, até mesmo, dinheiro. Para evitar esse tipo de golpe, siga as orientações básicas:

– Não envie dados pessoais por canais que não sejam oficiais do seu banco;

– Evite passar tais dados para terceiros, mesmo conhecidos;

– Não clique em links estranhos, verifique a procedência de qualquer notícia sobre o assunto e desconfie sempre de promoções ou atividades que oferecem dinheiro fácil na internet.

O que é a chave de identificação?

Esses são alguns dados importantes para garantir a segurança de quem está realizando a transação e também de quem será o beneficiado. A chave de identificação será exigida para quem for receber o pagamento. Assim, devem conter CPF, número de telefone ou e-mail para garantia de que o valor está sendo direcionado para o local correto.

Quem pode usar o PIX?

O PIX estará disponível em território nacional a partir do dia 16 de novembro para qualquer pessoa que faça parte do sistema financeiro, ou seja, que possuam contas de qualquer modelo em bancos que operam no Brasil. Muitos bancos já estão realizando o pré-cadastro de seus clientes. Porém, lembre-se: o contato sempre é feito por meios seguros e oficiais disponibilizados pelos bancos. Para saber como o seu está realizando, procure o gerente ou canais de atendimento oficiais.

O que é possível fazer com o PIX?

O PIX vale para qualquer transação financeira: transferências, pagamentos de boleto, compras com utilização do QR Code, dentre outros.

O PIX será 100% gratuito?

O PIX é 100% gratuito para pessoas físicas. Todas as ações poderão ser realizadas sem pagamento de taxas. Já para pessoas jurídicas, as instituições financeiras poderão cobrar taxas de acordo com cada tipo de transação. Porém, os valores ainda não foram oficializados pelo Banco Central.

Existe limite para utilizar o PIX?

Não. Será possível realizar quantas transações forem necessárias.

Será possível usar os outros meios de pagamento antigos?

Por enquanto, sim. Porém, o objetivo é acabar com os já conhecidos modelos de TEDs e DOCs. Primeiro, a população passará pela fase de readaptação e, assim que possível, o PIX será o modelo oficial utilizado no Brasil.

Fonte: Túlio Iannini, CEO da U4crypto.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 08/10/2020

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top