COVID afeta o coração e gera complicações em pelo menos 8% dos casos

 

Covid19

COVID afeta o coração e gera complicações em pelo menos 8% dos casos

Por Bruno Folli

Pacientes recuperados da COVID-19, especialmente aqueles que enfrentaram sintomas mais severos, devem estar atentos à saúde do coração. Dados científicos mundiais sugerem que pelo menos 8% dos casos evoluem para complicações cardíacas, que podem resultar em arritmias e, nos casos mais graves, até morte súbita.

A origem do problema está no processo inflamatório desencadeado pelo novo coronavírus. Assim que o organismo do paciente detecta a presença do vírus nocivo, mecanismos naturais de defesa são acionados para combater a doença. Esse processo ocorre na fase aguda da COVID, gerando uma inflamação que pode afetar órgãos vitais.

“Cada pessoa tem uma resposta inflamatória diferente. A evolução é individual. Há casos em que a inflamação acomete rins, fígado e outros órgãos, podendo também atingir o coração”, explica o Dr. Heron Rached, coordenador do Centro de Cardiologia do Grupo Leforte.

A complicação cardíaca mais frequente é a miocardite, inflamação do tecido muscular do coração. Ela prejudica o funcionamento do órgão, responsável por bombear sangue e nutrientes para todo o corpo. “Há também as arritmias, mas muitas vezes elas já são uma consequência da miocardite”, afirma o Dr. Heron. O especialista acredita que essa inflamação cardíaca gerada pela COVID ainda esteja subnotificada.

O grande desafio é identificar a sequela cardíaca precocemente, pois o início de sua evolução costuma ser silenciosa, sem sintomas. Quando os primeiros sinais aparecem e levam o paciente de volta ao hospital, a sua saúde pode já estar mais debilitada e, por consequência, o tratamento e a recuperação acabam se tornando mais desafiadores.

Cada caso precisa ser avaliado de forma individualizada, por equipe multidisciplinar, para estipular o risco de futuros desdobramentos à saúde do paciente recuperado da COVID-19. “Desenvolvemos protocolos específicos para esse paciente, com acompanhamento e exames no período pós-alta, para que possamos identificar precocemente o surgimento de eventuais sequelas”, esclarece o cardiologista. Quanto mais cedo for o diagnóstico, maior a chance de o paciente se recuperar totalmente.

As sequelas da COVID ao coração têm gerado esforços da comunidade científica mundial para a melhor compreensão de seus mecanismos e, a partir disso, a elaboração de protocolos terapêuticos mais seguros e eficientes.

No Grupo Leforte, existe um Centro de Estudos com pesquisas focadas na relação entre COVID e doenças cardiovasculares.

Uma das pesquisas, recentemente iniciada, consiste na investigação de alternativas terapêuticas para a redução do risco de tromboembolismo venoso em pacientes COVID. Batizada de Michelle Trial, a pesquisa clínica compara o tratamento padrão versus o uso de rivaroxabana (medicamento anticoagulante).

“Já havia um grande esforço de pesquisa clínica na área cardiovascular. Com a chegada da pandemia, passamos a combinar esses esforços com a necessidade de investigar essa nova doença”, explica o Dr. Heron.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 30/09/2020

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top