O mito do crescimento populacional

O mito do crescimento populacional

A população mundial passou de 1 bilhão de habitantes em 1800 para quase 8 bilhões em 2020 por conta do mito da necessidade do crescimento e da ideologia pronatalista, vindas dos nacionalistas e patriotas que querem mais força e influência internacional; do Estado que quer mais impostos e mais contribuintes; dos militares que desejam bucha de canhão para as suas guerras; dos capitalistas que desejavam o aumento da força de trabalho e o crescimento do mercado consumidor; dos políticos que querem mais votos do eleitorado; dos sindicatos que querem ampliar suas bases; das igrejas que querem mais dízimos dos seus fiéis; e dos pais que querem cuidado e riqueza vinda dos filhos”

João Abegão – 2019

Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

[EcoDebate] Há 12 mil anos, no início do Holoceno, a população mundial era de apenas 4 milhões de habitantes (menos do que a população atual da cidade do Rio de Janeiro) e as taxas de mortalidade eram muito elevadas. Neste contexto, qualquer crescimento populacional era comemorado como uma vitória. Ao longo dos séculos, os povos passaram a comemorar o aumento do número de habitantes, como uma conquista sobre as forças incontroláveis da natureza. De certa forma, o crescimento populacional passou a fazer parte do “DNA” das sociedades.

Mas o quadro começou a mudar quando a população global chegou a 3 bilhões de habitantes em 1960 e a 4 milhões em 1974. O peso das atividades econômicas do ser humano ultrapassou a capacidade de carga da Terra. Ao invés da natureza ameaçar a humanidade foi a humanidade que passou a ameaçar a natureza. Mesmo assim, o crescimento da população continuou aumentando e chegou a 6 bilhões em 1999 e deve alcançar 8 bilhões de habitantes em 2023. A humanidade gastou cerca de 200 mil anos para chegar a 4 bilhões de habitantes, mas houve um aumento de outros 4 bilhões de pessoas nos últimos 50 anos. Desde o início da Revolução Industrial e Energética, a presença humana aumenta em todos os cantos do mundo, enquanto diminui a biodiversidade e a vida selvagem.

Mesmo com todos os sinais de colapso ambiental, há quem continue defendendo o crescimento populacional. O economista neoliberal, Julian Simon (1932-1998), que era um negacionista do clima e fundamentalista de mercado (foi um dos fundadores do movimento free-market environment), costumava repetir: “quanto mais gente melhor”. Ele fez escola e há uma proliferação de autores pronatalistas, até mesmo nos Estados Unidos (EUA).

O demógrafo Joseph Chamie, publicou um artigo em 2013, no site Yale Global, propondo que os EUA se tornem o país mais populoso do globo até 2100, com uma população de 1,6 bilhão de habitantes, montante maior do que as estimativas para a China e a Índia. Ignorando todas as dificuldades sociais e ambientais dos EUA, Chamie defendeu o engrandecimento da América, mesmo antes de Donald Trump.

Os jornalistas canadenses Darrell Bricker e John Ibbitson lançaram o livro “Empty Planet: The Shock of Global Population Decline” (2019), onde contestam as previsões da Divisão de População da ONU que apontam que a população mundial vai continuar crescendo (mesmo que em ritmo menor) ao longo do século XXI, devendo alcançar cerca de 11 bilhões de habitantes em 2100.

De fato, o livro “Empty Planet” faz um alarmismo com a possibilidade de um decrescimento da população e assume uma postura pronatalista antropocêntrica e ecocida. Os autores reforçam o mito sobre a possibilidade de um crescimento populacional e econômico ilimitado (“Growthism”), embora maior crescimento populacional tem gerado menos qualidade de vida ambiental e pode levar a um colapso ecológico.

literatura pronatalista

O novo manifesto a favor do “Big is beautiful” é o livro “One Billion Americans: The Case for thinking bigger”, do jornalista Norte-americano Matthew Yglesias, que defende o aumento da população para que o país possa competir com o 1,4 bilhão de chineses e manter a hegemonia americana no mundo. É a ideia do aumento da população para o engrandecimento da população.

Porém, os EUA possuem um déficit ambiental crescente entre 1961 e 2016. Com uma população de mais de 300 milhões de habitantes, os EUA tinha um déficit ambiental de 61% em 1961 e dobrou para 123% em 2016. Evidentemente, o déficit ambiental americano aumentaria muito se a população do país chegasse a 1 bilhão de habitantes.

pegada ecológica e biocapacidade nos EUA

Kurt Cobb (06/092020) diz: “Estou cada vez mais surpreso com a capacidade de pessoas inteligentes de ignorar completamente as ameaças desestabilizadoras sistêmicas das mudanças climáticas e do esgotamento do solo, água, pesca, energia e metais importantes e fingir que a sociedade global avançará ao longo de linhas de tendência ininterruptas extrapoladas do passado. O caminho para 1 bilhão de americanos, ao que parece, não é caminho algum. É uma fantasia que só se torna plausível se ignorarmos todos os índices de deterioração da saúde planetária”.

No Antropoceno o mundo caminha para um colapso ambiental. Ao invés do crescimento populacional, o mundo precisa de decrescimento demoeconômico.

Com menos gente, com redução do PIB e com regeneração dos ecossistemas, o mundo ainda poderá ter condições de evitar um colapso sistêmico global e civilizacional. A redução da população dos EUA e a diminuição da pegada ecológica americana é um condição necessária para o equilíbrio homeostático do Planeta.

Referência:

ALVES, JED. Planejando o decrescimento demoeconômico. Ecodebate, Rio de Janeiro, 05/06/2013 http://www.ecodebate.com.br/2013/06/05/planejando-o-decrescimento-demo-economico-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. O déficit ambiental dos Estados Unidos e o superávit ambiental do Canadá, Ecodebate, 09/08/2013

http://www.ecodebate.com.br/2013/08/09/o-deficit-ambiental-dos-estados-unidos-e-o-superavit-ambiental-do-canada-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. “Planeta vazio” ou pronatalismo antropocêntrico e ecocida? Ecodebate, 15/03/2019

https://www.ecodebate.com.br/2019/03/15/planeta-vazio-ou-pronatalismo-antropocentrico-e-ecocida-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

CHAMIE, Joseph. US Could Be World’s Most Populous Country. YaleGlobal, 15/04/2013

https://yaleglobal.yale.edu/content/us-could-be-worlds-most-populous-country

COBB, Kurt. Do we have room for a billion Americans? Resilience, September 6, 2020

https://www.resilience.org/stories/2020-09-06/do-we-have-room-for-a-billion-americans/

Global Footprint Network, 2020

http://data.footprintnetwork.org/#/countryTrends?type=BCtot,EFCtot&cn=231

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 23/09/2020

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top