Mudar o que comemos para alimentos de origem vegetal pode compensar anos de emissões de CO2

 

alimentação
Foto: EBC

Mudar o que comemos para alimentos de origem vegetal pode compensar anos de emissões de CO2

Mudar drasticamente a produção agrícola de animais para alimentos de origem vegetal poderia remover mais de uma década de nossas emissões de dióxido de carbono da atmosfera

New York University*

Alimentos com proteínas vegetais – como lentilhas, feijões e nozes – podem fornecer nutrientes vitais usando uma pequena fração da terra necessária para produzir carne e laticínios. Ao mudar para esses alimentos, grande parte da terra restante poderia sustentar ecossistemas que absorvem CO2, de acordo com um novo estudo publicado na revista Nature Sustainability .

Em seu estudo, os pesquisadores analisaram e mapearam áreas onde a produção extensiva de alimentos de origem animal, que requer 83 por cento das terras agrícolas da Terra, suprime a vegetação nativa, incluindo florestas.

O estudo destaca lugares onde mudar o que as pessoas crescem e comem poderia liberar espaço para o crescimento dos ecossistemas, compensando nossas emissões de CO2 no processo.

“O maior potencial de regeneração florestal e os benefícios climáticos que isso acarreta existem em países de renda alta e média alta, lugares onde reduzir a fome de carne e laticínios teria impactos relativamente menores na segurança alimentar”, diz Matthew Hayek , o principal autor do estudo e professor assistente do Departamento de Estudos Ambientais da New York University.

A queima de combustíveis fósseis para obter energia emite CO2, aquecendo o planeta. Quando o aquecimento atinge 1,5 ° C (2,7 ° F) acima dos níveis pré-industriais, são esperados impactos mais graves, como secas e aumento do nível do mar. Os cientistas descrevem quanto combustível fóssil podemos queimar antes de atingir esse limite, usando o “orçamento de carbono” global.

De acordo com as descobertas dos autores, o recrescimento da vegetação poderia remover até nove a 16 anos das emissões globais de CO2 dos combustíveis fósseis, se a demanda por carne despencasse drasticamente nas próximas décadas junto com suas enormes necessidades de terra. Essa quantidade de remoção de CO2 efetivamente dobraria o orçamento de carbono em rápida redução da Terra.

“Podemos pensar em mudar nossos hábitos alimentares em direção a dietas amigáveis ??à terra como um suplemento para a mudança de energia, em vez de um substituto”, diz Hayek. “A restauração de florestas nativas poderia ganhar o tempo necessário para os países fazerem a transição de suas redes de energia para uma infraestrutura renovável e livre de fósseis.”

Em seu relatório, os autores enfatizam que suas descobertas foram elaboradas para auxiliar em estratégias adaptadas localmente para mitigar as mudanças climáticas. Embora o consumo de carne em muitos países hoje seja excessivo e continue a aumentar, a criação de animais continua crítica em alguns lugares.

Essas considerações serão importantes à medida que os países tentam desenvolver suas economias de forma sustentável, de acordo com Nathan Mueller da Colorado State University, um dos co-autores do estudo.

“O uso da terra tem tudo a ver com compensações”, explica Mueller, professor assistente do Departamento de Ciência do Ecossistema e Sustentabilidade e do Departamento de Ciências do Solo e Culturas. “Embora o potencial para restaurar ecossistemas seja substancial, a pecuária extensiva é cultural e economicamente importante em muitas regiões ao redor do mundo. Em última análise, nossas descobertas podem ajudar a visar lugares onde a restauração de ecossistemas e a interrupção do desmatamento em curso teriam os maiores benefícios de carbono.”

Propostas recentes para cobrir grande parte da superfície da Terra em florestas geraram polêmica como uma solução climática. Plantar fisicamente mais de um trilhão de árvores exigiria um esforço físico substancial. Além disso, o planejamento inadequado pode encorajar plantações de árvores uniformes, limitar a biodiversidade ou esgotar a água cada vez menor em áreas secas. Por último, os desafios consistem em encontrar terra suficiente para manter as árvores protegidas de corte ou queima no futuro, liberando o carbono armazenado de volta na atmosfera como CO2.

No entanto, os pesquisadores mantiveram esses problemas potenciais em mente ao elaborar seu estudo.

“Nós mapeamos apenas áreas onde as sementes poderiam se dispersar naturalmente, crescendo e se multiplicando em florestas densas e biodiversas e outros ecossistemas que trabalham para remover CO2¬ para nós”, diz Hayek. “Nossos resultados revelaram mais de 7 milhões de quilômetros quadrados onde as florestas seriam úmidas o suficiente para crescer novamente e prosperar naturalmente, coletivamente uma área do tamanho da Rússia.”

Em breve, soluções tecnológicas para as mudanças climáticas podem estar no horizonte, como máquinas que removem CO2 diretamente da atmosfera ou canos de exaustão de usinas. Colocar muita confiança nessas tecnologias pode ser perigoso, no entanto, de acordo com a co-autora do estudo Helen Harwatt, uma bolsista da Harvard Law School.

“Restaurar a vegetação nativa em grandes extensões de terras agrícolas de baixo rendimento é atualmente nossa opção mais segura para remover o CO2”, diz Harwatt. “Não há necessidade de apostar nosso futuro apenas em tecnologias que ainda não foram comprovadas em escalas maiores.”

Mas os benefícios de reduzir o consumo de carne e laticínios vão muito além da abordagem da mudança climática.

“A redução da produção de carne também seria benéfica para a qualidade e quantidade da água, habitat da vida selvagem e biodiversidade”, observa William Ripple, co-autor do estudo e professor de ecologia da Universidade Estadual de Oregon.

Eventos recentes também destacaram a importância de ecossistemas saudáveis na prevenção de doenças pandêmicas de origem animal, como a COVID-19.

“Agora sabemos que ecossistemas intactos e funcionais e áreas adequadas de habitat da vida selvagem ajudam a reduzir o risco de pandemias”, acrescenta Harwatt. “Nossa pesquisa mostra que há potencial para devolver grandes áreas de terra à vida selvagem. A restauração de ecossistemas nativos não só ajuda o clima; quando combinada com a redução das populações de gado, a restauração reduz a transmissão de doenças da vida selvagem para porcos, galinhas e vacas e, finalmente, para os humanos. ”

Referência

Hayek, M.N., Harwatt, H., Ripple, W.J. et al. The carbon opportunity cost of animal-sourced food production on land. Nat Sustain (2020). https://doi.org/10.1038/s41893-020-00603-4

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 09/09/2020

 

Para pesquisar mais sobre este tema ou outros, use a ferramenta de pesquisa

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top