Mudanças climáticas e o uso da terra estão acelerando a erosão do solo

 

irrigação
Foto: EBC

Mudanças climáticas e o uso da terra estão acelerando a erosão do solo

A perda de solo devido ao escoamento de água pode aumentar muito em todo o mundo nos próximos 50 anos devido às mudanças climáticas e ao cultivo intensivo da terra.

Essa foi a conclusão de uma equipe internacional de pesquisadores liderada pela Universidade de Basel, que publicou os resultados do cálculo do seu modelo na revista científica PNAS.

A erosão do solo tem consequências de longo alcance. Por exemplo, resulta na perda de solo fértil, reduz a produtividade agrícola e, portanto, ameaça o suprimento de alimentos para a população mundial. Com base em um modelo global, o novo estudo agora prevê como a perda de solo devido à erosão hídrica provavelmente mudará até o ano 2070.

Erosão é o processo pelo qual o solo é levado pelo vento e, principalmente, pela água. O uso intensivo da terra para agricultura e métodos agrícolas que aumentam a erosão, juntamente com o desmatamento e o sobrepastoreio, são responsáveis por acelerar a perda de solo. Além disso, em algumas partes do mundo, a mudança climática deve aumentar ainda mais a quantidade de precipitação que erodirá o solo.

Três cenários até o ano 2070

Os pesquisadores basearam suas previsões em três cenários que também são usados pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC). Os cenários delineiam desenvolvimentos potenciais no século 21 com base em várias postulações socioeconômicas diferentes.

Todos os cenários, incluindo os efeitos do clima e das mudanças no uso da terra, prevêem a erosão hídrica persistente, independentemente das condições climáticas na maioria dos cerca de 200 países que foram incluídos no estudo. Ao mesmo tempo, os resultados indicam que as mudanças climáticas são o principal fator que leva ao aumento da erosão do solo.

Dependendo do cenário, as simulações prevêem que até 2070 a erosão do solo aumentará significativamente, de 30% a 66%, em relação aos números de 2015. Se as práticas agrícolas não mudarem e não forem tomadas medidas para deter o aquecimento global, o estudo prevê que mais de 28 bilhões de toneladas métricas adicionais de solo serão perdidas anualmente. Isso é cerca de dois terços a mais do que os 43 bilhões de toneladas estimados para 2015.

Uma chamada para o cultivo sustentável da terra

Os locais mais vulneráveis a um aumento acentuado da erosão são os países tropicais e subtropicais de baixa e média renda. Os autores afirmam que, portanto, será fundamental que os países do Sul Global promovam o uso mais amplo de práticas agrícolas sustentáveis.

“A erosão do solo pode ser mitigada pelo cultivo sustentável da terra e pelas políticas certas”, diz o Dr. Pasquale Borrelli, cientista ambiental da Universidade de Basel. “Esperamos que nossas previsões ajudem a identificar a magnitude da ameaça da erosão e permitam que os formuladores de políticas desenvolvam medidas eficazes para amenizar o impacto.”

Pesquisadores da University of Basel, da Kangwon National University, do UK Centre for Ecology & Hydrology, do Joint Research Centre da Comissão Europeia e do ETH Zurich contribuíram para o estudo.

Referência:

Pasquale Borrelli, David A. Robinson, Panos Panagos, Emanuele Lugato, Jae E. Yang, Christine Alewell, David Wuepper, Luca Montanarella, and Cristiano Ballabio
Land use and climate change impacts on global soil erosion by water (2015-2070)
PNAS (2020), doi: 10.1073/pnas.2001403117
http://dx.doi.org/10.1073/pnas.2001403117

 

Da University of Basel, com tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 25/08/2020

 

Para pesquisar mais sobre este tema ou outros, use a ferramenta de pesquisa

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top