Mudanças climáticas podem interferir na circulação oceânica do Atlântico

 

Se a circulação de águas profundas no Atlântico parar ou diminuir devido às mudanças climáticas, isso poderá causar resfriamento no norte da América do Norte e Europa – um cenário que ocorreu durante os períodos glaciais frios do passado.

Rutgers*, The State University of New Jersey

Agora, um estudo em co-autoria de Rutgers sugere que as interrupções de curto prazo da circulação oceânica profunda ocorreram durante períodos interglaciais quentes nos últimos 450.000 anos e podem ocorrer novamente.

Ironicamente, o derretimento da camada de gelo polar na região do Ártico em um mundo mais quente, resultando em mais água doce entrando no oceano e alterando a circulação, pode ter causado resfriados anteriores. Ainda assim, um rápido congelamento profundo como no filme de 2004 “O dia depois de amanhã” é altamente improvável.

O estudo, publicado na revista Science e liderado por cientistas da Universidade de Bergen, na Noruega, segue um estudo de 2014 sobre o mesmo tópico .

“Essas descobertas sugerem que nosso sistema climático, que depende muito da circulação oceânica profunda, está criticamente próximo de um ponto de inflexão por interrupções abruptas”, disse o co-autor Yair Rosenthal , ilustre professor do Departamento de Ciências Marinhas e Costeiras e do Departamento de Terra e Terra. Ciências planetárias na Universidade Rutgers – New Brunswick . “Embora as interrupções na circulação e os possíveis resfriados possam ter uma vida relativamente curta – durando talvez um século ou mais -, as consequências podem ser grandes.”

A corrente quente do Atlântico Norte – a parte mais ao norte da corrente do Golfo – deságua no mar da Groenlândia. Torna-se progressivamente mais fria e salgada devido à perda de calor no ar, afundando e formando a formação de águas profundas do Atlântico Norte – uma massa de água fria e profunda que flui para o sul. O derretimento da camada de gelo polar na região do Ártico resultaria em mais água doce entrando no oceano e interrompendo esse padrão de circulação, potencialmente causando resfriamento nas áreas do norte da Europa e América do Norte.

Em seu estudo de 2014, os cientistas apresentaram evidências de interrupções na formação de águas profundas do Atlântico Norte durante o último período interglacial (o Eemian) cerca de 116.000 a 128.000 anos atrás. O aumento da água doce que entra na região do Ártico devido ao derretimento da camada de gelo polar em um mundo mais quente pode ter prejudicado a circulação, o que normalmente leva água mais quente ao oceano nas regiões norte da América do Norte e Europa. Tais interrupções parecem durar cerca de um século ou mais.

O último estudo abrange três outros períodos interglaciais quentes nos últimos 450.000 anos. Durante todos eles, independentemente do grau de aquecimento global, os cientistas descobriram interrupções semelhantes de um século na formação de águas profundas do Atlântico Norte. E eles descobriram que essas rupturas são mais facilmente alcançadas do que se acreditava e ocorreram em condições climáticas semelhantes às que em breve enfrentaremos com o aquecimento global.

Os próximos passos incluem validar as observações dos cientistas com evidências de outros locais próximos à Groenlândia durante outros intervalos quentes.

Cientistas do Centro de Pesquisa Climática Bjerknes; Universidade Paris-Saclay; Universidade de Amsterdã; e a Universidade de Cambridge contribuíram para o estudo.

 

A corrente quente do Atlântico Norte (mais ao norte da corrente do Golfo) leva calor ao norte da Europa. Torna-se mais fria e mais salgada, eventualmente afundando para formar a fria Água Profunda do Atlântico Norte (NADW). Imagem: Yair Rosenthal
A corrente quente do Atlântico Norte (mais ao norte da corrente do Golfo) leva calor ao norte da Europa. Torna-se mais fria e mais salgada, eventualmente afundando para formar a fria Água Profunda do Atlântico Norte (NADW). Imagem: Yair Rosenthal

 

Referência:

Interglacial instability of North Atlantic Deep Water ventilation
BY EIRIK VINJE GALAASEN, ULYSSES S. NINNEMANN, AUGUSTIN KESSLER, NIL IRVALI, YAIR ROSENTHAL, JERRY TJIPUTRA, NATHAËLLE BOUTTES, DIDIER M. ROCHE, HELGA (KIKKI) F. KLEIVEN, DAVID A. HODELL
SCIENCE 27 MAR 2020 : 1485-1489
DOI http://dx.doi.org/10.1126/science.aay6381

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 02/04/2020

Mudanças climáticas podem interferir na circulação oceânica do Atlântico, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 2/04/2020, https://www.ecodebate.com.br/2020/04/02/mudancas-climaticas-podem-interferir-na-circulacao-oceanica-do-atlantico/.

 

PUBLICIDADE




 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top