Conscientização sobre as mudanças climáticas e seus impactos não é suficiente para levar as pessoas a agir

 

linha de tempo das anomalias de temperatura

Novas pesquisas sobre como as visões de mundo das pessoas afetam suas percepções e ações podem ajudar os formuladores de políticas e ativistas a reformular a discussão sobre a mitigação das mudanças climáticas.

International Institute for Applied Systems Analysis (IIASA)*

Apesar de um nível muito alto de conscientização sobre as mudanças climáticas e seus impactos, as pessoas geralmente hesitam em tomar medidas para mudar seu comportamento, de acordo com um novo estudo publicado na revista Energy and Environment.

Em 2015, os países concordaram em limitar a mudança climática a “bem abaixo de 2°C” para evitar os piores impactos. No entanto, para atingir esse objetivo de mitigação das mudanças climáticas, as atuais metas nacionais devem ser significativamente fortalecidas. Isso requer apoio do público para mudanças de políticas, que incluem não apenas a aceitação de uma transição energética, mas também a disposição de usar e pagar por fontes de energia renováveis, bem como de participar ativamente de uma transição energética. Também requer mudanças de comportamento individual no consumo pessoal de energia, comida e transporte.

“O principal objetivo deste artigo foi entender como a conscientização sobre a necessidade de mitigação das mudanças climáticas pode ser transformada em ação”, diz Nadejda Komendantova, pesquisadora do IIASA, que liderou o estudo.

Para entender como as visões de mundo das pessoas afetam suas ações, Nadejda Komendantova e Sonata Neumueller usaram a metodologia de ciências sociais, incluindo pesquisas e entrevistas com pessoas em três regiões da Áustria, variando de rural a semi-rural e suburbana.

Como um país com um alto nível de conscientização sobre os impactos das mudanças climáticas, nacional e globalmente, os pesquisadores esperavam encontrar amplo apoio aos esforços de mitigação das mudanças climáticas, e o fizeram. Mas, apesar de um alto, quase universal, nível de conscientização sobre a necessidade de mitigação das mudanças climáticas, houve uma grande heterogeneidade nas opiniões sobre cuja responsabilidade é implementar os esforços de mitigação das mudanças climáticas e como elas devem ser implementadas.

“As pessoas têm maneiras diferentes de ver o mundo, e essas visões influenciam suas percepções de riscos, benefícios e custos de várias intervenções políticas e moldam a maneira como as pessoas agem”, diz Komendantova. Usando uma rubrica de ciências sociais conhecida como teoria cultural, Komendantova e Neumueller traduziram seus dados de entrevistas e pesquisas em quatro visões de mundo diferentes, para categorizar os tipos de opiniões em uma estrutura analisável.

“A teoria cultural diz que existem quatro visões e discursos de mundo principais: hierárquico, igualitário, individualista ou anárquico”, explica Komendantova. “Por exemplo, os representantes das visões hierárquicas preferem que o governo assuma a responsabilidade pela transição energética. O igualitário diria que todos devem ser responsáveis pela transição energética com os principais argumentos de distribuição justa e igual de riscos e responsabilidades. Os representantes do discurso individual diriam que é uma questão de responsabilidade pessoal e que coisas como tecnologia, inovação e remuneração são importantes. ”

Essas diferenças nas visões de mundo significam que, embora as pessoas possam concordar com a verdade fundamental de que a mudança climática é um problema e algo deve ser feito, elas podem diferir em como e quais políticas devem ser implementadas, bem como em sua disposição de mudar seu próprio comportamento.

Esse entendimento pode ajudar os formuladores de políticas a desenvolver soluções de compromisso que refletem essas várias visões de mundo.

Komendantova observa que o estudo foi pequeno e restrito a um país, mas métodos semelhantes podem fornecer informações sobre um cenário europeu ou internacional mais amplo.

“Há uma variedade de pontos de vista sobre política energética, e também existem conflitos entre esses pontos de vista”, diz Komendantova. “Para passar da conscientização sobre a mitigação das mudanças climáticas para a ação, precisamos entender a variedade existente de visões de mundo”.

Referência:

Komentantova N & Neumuller S (2020). Discourses about energy transition in Austrian climate and energy model regions: Turning awareness into action. Energy & Environment DOI: 10.1177/0958305X20907086
http://dx.doi.org/10.1177/0958305X20907086

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 13/03/2020

[cite]

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top