Emergência Climática: Indicadores Globais do Clima 2019

 

Diferença de temperatura_ERA5

A temperatura média global para o período de janeiro a outubro de 2019 foi de 1,1 ± 0,1 ° C acima das condições pré-industriais (1850-1900). As médias de cinco anos (2015-2019) e de dez anos (2010-2019) são, respectivamente, quase certamente o período mais quente de cinco anos e a década já registrada. Desde a década de 1980, cada década sucessiva tem sido mais quente que a última.

Espera-se que 2019 seja o segundo ou terceiro ano mais quente já registrado. 2016, que começou com um El Niño excepcionalmente forte, continua sendo o ano mais quente.

Grandes áreas do Ártico estavam excepcionalmente quentes em 2019. A maioria das áreas terrestres era mais quente que a média recente, incluindo América do Sul, Europa, África, Ásia e Oceania. O estado americano do Alasca também foi excepcionalmente quente. Em contraste, uma grande área da América do Norte tem sido mais fria que a média recente.

Registre as concentrações de gases de efeito estufa

Em 2018, as concentrações de gases de efeito estufa atingiram novos picos, com frações molares médias globais de dióxido de carbono (CO 2 ) em 407,8 ± 0,1 partes por milhão (ppm), metano (CH 4 ) em 1869 ± 2 partes por bilhão (ppb) e nitroso óxido (N 2 O), 331,1 ± 0,1 ppb. Esses valores constituem, respectivamente, 147%, 259% e 123% dos níveis pré-industriais 1750.

Os números médios globais de 2019 não estarão disponíveis até o final de 2020, mas dados em tempo real de vários locais específicos indicam que os níveis de CO 2 continuaram subindo em 2019.

Aceleração da elevação média do nível do mar global

O nível do mar aumentou ao longo do registro do satélite do satélite, mas a taxa aumentou ao longo desse tempo, devido em parte ao derretimento das camadas de gelo na Groenlândia e na Antártica. Em outubro de 2019, o nível médio global do mar alcançou seu valor mais alto desde o início do registro de altimetria de alta precisão (janeiro de 1993).

Calor do oceano

Mais de 90% do excesso de energia acumulada no sistema climático como resultado do aumento da concentração de gases de efeito estufa entra no oceano. Em 2019, o conteúdo de calor oceânico nos 700m superior (em uma série iniciada nos anos 50) e 2000m superior (em uma série iniciada em 2005) continuou em níveis recordes ou quase recordes, com a média do ano excedendo as anteriores recordes estabelecidos em 2018.

As recuperações de satélite da temperatura da superfície do mar podem ser usadas para monitorar as ondas de calor marinhas. Até agora em 2019, o oceano experimentou, em média, cerca de 1,5 meses de temperaturas incomumente quentes. Mais do oceano teve uma onda de calor marinha classificada como “Forte” (38%) que “Moderada” (28%). No nordeste do Pacífico, grandes áreas atingiram a categoria de ondas de calor marinhas “Severa”.

Acidificação oceânica contínua

Na década 2009-2018, o oceano absorveu cerca de 22% das emissões anuais de CO 2 , o que ajuda a atenuar as mudanças climáticas. No entanto, o aumento das concentrações atmosféricas de CO 2 afeta a química do oceano.

As observações do oceano mostraram uma diminuição no pH médio global da superfície do oceano a uma taxa de 0,017-0,027 unidades de pH por década desde o final dos anos 80, conforme relatado no Relatório Especial do IPCC sobre o Oceano e a Criosfera em um clima em mudança, o que equivale um aumento na acidez de 26% desde o início da revolução industrial.

Declínio do gelo marinho

O declínio contínuo e prolongado do gelo do Ártico no mar foi confirmado em 2019. A extensão média mensal de setembro (geralmente a mais baixa do ano) foi a terceira mais baixa já registrada, com a extensão mínima diária vinculada à segunda mais baixa

Até 2016, a extensão do gelo marinho antártico havia mostrado um pequeno aumento a longo prazo. No final de 2016, isso foi interrompido por uma queda repentina em extensão a valores extremos. Desde então, a extensão do gelo marinho antártico permaneceu em níveis relativamente baixos.

Manta de gelo da Groenlândia

O Balanço de Massa Total de Gelo (TMB) da placa de gelo da Groenlândia dá uma perda líquida de gelo entre setembro de 2018 e agosto de 2019 de 329 Gigatonnes (Gt). Para contextualizar, dados dos satélites Gravity Recovery and Climate Experiment (GRACE) nos dizem que a Groenlândia perdeu cerca de 260 Gt de gelo por ano no período 2002-2016, com um máximo de 458 Gt em 2011/12.

Eventos de alto impacto

Inundações

O centro dos EUA, norte do Canadá, norte da Rússia e sudoeste da Ásia recebeu uma precipitação anormalmente alta. A pluviosidade média anual de 12 meses nos Estados Unidos contíguos no período de julho de 2018 a junho de 2019 (962 mm) foi a mais alta já registrada.

O início e a retirada da monção indiana foram adiados, causando um grande déficit de precipitação em junho, mas um excesso de precipitação nos meses seguintes.

Condições muito úmidas afetaram partes da América do Sul em janeiro. Houve grandes inundações no norte da Argentina, Uruguai e sul do Brasil, com perdas na Argentina e no Uruguai estimadas em US $ 2,5 bilhões.

A República Islâmica do Irã foi seriamente afetada pelas inundações no final de março e no início de abril. As grandes inundações afetaram muitas partes até agora afetadas pela seca no leste da África em outubro e início de novembro.

Seca

A seca afetou muitas partes do sudeste da Ásia e do sudoeste do Pacífico em 2019, associadas em muitos casos à forte fase positiva do dipolo do Oceano Índico. Condições excepcionalmente secas prevaleceram a partir de meados do ano na Indonésia e nos países vizinhos, bem como em partes da bacia do Mekong, mais ao norte. As condições de seca de longo prazo que afetaram muitas partes do interior da Austrália Oriental em 2017 e 2018 se expandiram e se intensificaram em 2019. Em média na Austrália como um todo, janeiro-outubro foi o mais seco desde 1902.

As condições de seca afetaram muitas partes da América Central. Foi substancialmente mais seco do que o normal em Honduras, Guatemala, Nicarágua e El Salvador, até chuvas fortes em outubro. O Chile central também teve um ano excepcionalmente seco, com chuvas de 20 a 20 de novembro em Santiago, apenas 82 mm, menos de 25% da média de longo prazo.

Ondas de calor

Duas grandes ondas de calor ocorreram na Europa no final de junho e no final de julho. Na França, um recorde nacional de 46,0 ° C (1,9 ° C acima do recorde anterior) foi estabelecido em 28 de junho. Também foram estabelecidos recordes nacionais na Alemanha (42,6 ° C), Holanda (40,7 ° C), Bélgica (41,8 ° C), Luxemburgo (40,8 ° C) e Reino Unido (38,7 ° C), com o calor também se estendendo para os países nórdicos, onde Helsinque teve sua temperatura mais alta já registrada (33,2 ° C em 28 de julho).

A Austrália teve um verão excepcionalmente quente. A temperatura média do verão foi a mais alta registrada em quase 1 ° C, e janeiro foi o mês mais quente da Austrália. O calor foi mais notável por sua persistência, mas também houve extremos individuais significativos, incluindo 46,6 ° C em Adelaide, em 24 de janeiro, a temperatura mais alta da cidade já registrada.

Incêndios florestais

Foi um ano de incêndio acima da média em várias regiões de alta latitude, incluindo Sibéria (Federação Russa) e Alasca (EUA), com atividade de incêndio ocorrendo em algumas partes do Ártico, onde anteriormente era extremamente raro.

A seca severa na Indonésia e nos países vizinhos levou à estação de incêndios mais significativa desde 2015. O número de incêndios relatados na região amazônica do Brasil estava apenas ligeiramente acima da média de 10 anos, mas a atividade total de incêndios na América do Sul foi a mais alta desde 2010, Bolívia e Venezuela entre os países com anos de incêndio particularmente ativos.

Ciclones tropicais

A atividade de ciclones tropicais em todo o mundo em 2019 ficou um pouco acima da média. O Hemisfério Norte, até o momento, teve 66 ciclones tropicais, em comparação com a média nessa época do ano de 56, embora a energia acumulada do ciclone (ECA) esteja apenas 2% acima da média. A temporada 2018-19 do Hemisfério Sul também ficou acima da média, com 27 ciclones.

O ciclone tropical Idai chegou a Moçambique em 15 de março como um dos mais fortes conhecidos na costa leste da África, resultando em muitas vítimas e devastação generalizada. Idai contribuiu para a destruição completa de cerca de 780 000 ha de culturas no Malawi, Moçambique e Zimbábue, comprometendo ainda mais uma situação precária de segurança alimentar na região. O ciclone também resultou em pelo menos 50 905 pessoas deslocadas no Zimbábue, 53 237 no sul do Malawi e 77 019 em Moçambique.

Um dos ciclones tropicais mais intensos do ano foi o Dorian, que atingiu a categoria 5 nas Bahamas. A destruição foi agravada, pois era excepcionalmente lenta e permaneceu quase estacionária por cerca de 24 horas.

O tufão Hagibis atingiu o oeste de Tóquio em 12 de outubro, causando graves inundações.

Riscos e impactos relacionados ao clima

Saúde em risco crescente (Organização Mundial da Saúde)

Em 2019, o recorde de altas temperaturas da Austrália, Índia, Japão e Europa impactou a saúde e o bem-estar. No Japão, um grande evento de onda de calor afetou o país no final de julho até o início de agosto de 2019, resultando em mais de 100 mortes e mais 18.000 hospitalizações. A Europa experimentou duas ondas de calor significativas no verão de 2019. Em junho, uma onda de calor que afetou o sudoeste da Europa central resultou em várias mortes na Espanha e na França. A onda de calor mais significativa ocorreu no final de julho, afetando grande parte da Europa Central e Ocidental. Na Holanda, a onda de calor foi associada a 2 964 mortes, quase 400 a mais do que durante uma semana média de verão

As mudanças nas condições climáticas desde 1950 estão facilitando a transmissão do vírus da dengue pelas espécies de mosquitos Aedes, aumentando o risco de ocorrência de doenças. Paralelamente, a incidência global da dengue cresceu dramaticamente nas últimas décadas, e cerca de metade da população mundial está agora em risco de infecção. Em 2019, o mundo sofreu um grande aumento nos casos de dengue, em comparação com o mesmo período de 2018.

A segurança alimentar continua sendo afetada negativamente

(Organização para Agricultura e Alimentação)

Na África Austral, o início das chuvas sazonais foi atrasado e houve extensos períodos de seca. Prevê-se que a produção regional de cereais seja cerca de 8% abaixo da média de cinco anos, com 12,5 milhões de pessoas na região que deverão sofrer grave insegurança alimentar até março de 2020, um aumento de mais de 10% em relação ao ano anterior.

A segurança alimentar está se deteriorando em várias áreas da Etiópia, Somália, Quênia e Uganda devido a uma baixa estação chuvosa / Gu . No geral, cerca de 12,3 milhões de pessoas têm insegurança alimentar na região do Corno de África. Entre outubro e novembro de 2019, a Somália foi ainda mais afetada por intensas inundações.

Associados às piores inundações em uma década que afetam algumas partes do Afeganistão em março de 2019, 13,5 milhões de pessoas estão com insegurança alimentar no país, com 22 das 34 províncias ainda se recuperando das severas condições de seca enfrentadas em 2018.

Desastres aumentam o deslocamento da população (Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados e Organização Internacional para as Migrações)

Mais de 10 milhões de novos deslocamentos internos foram registrados entre janeiro e junho de 2019, sendo 7 milhões causados ​​por desastres como o ciclone Idai no sudeste da África, ciclone Fani no sul da Ásia, furacão Dorian no Caribe, inundações no Irã, Filipinas e Etiópia, associados a necessidades humanitárias e de proteção agudas.

As inundações foram os riscos naturais mais citados, contribuindo para o deslocamento, seguidos por tempestades e secas. A Ásia e o Pacífico continuam sendo a região mais propensa a deslocamento de desastres do mundo devido a desastres repentinos e de início lento.

O número de novos deslocamentos associados a extremos climáticos pode mais que triplicar para cerca de 22 milhões até o final de 2019.

Informe da World Meteorological Organization (WMO), com tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 03/12/2019

Emergência Climática: Indicadores Globais do Clima 2019, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 3/12/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/12/03/emergencia-climatica-indicadores-globais-do-clima-2019/.

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top