El Niño oscila mais violentamente na era industrial

pesquisa

El Niño se tornou mais intenso na era industrial, o que pode piorar tempestades, secas e branqueamento de corais nos anos de El Niño.

Um novo estudo encontrou evidências convincentes no Oceano Pacífico de que os El Niños mais fortes fazem parte de um padrão climático novo.

GeorgiaTech*

É a primeira vez que se sabe que evidências físicas suficientes ao longo de milênios se reuniram para permitir que os pesquisadores dissessem definitivamente que: El Niños, La Niñas e o fenômeno climático que os impulsiona se tornaram mais extremos nos tempos das mudanças climáticas induzidas pelo homem.

A primeira autora do estudo, Pam Grothe, comparou os depósitos químicos dependentes da temperatura dos corais atuais com os dos registros de corais mais antigos que representam temperaturas relevantes da superfície do mar nos últimos 7.000 anos. Com a ajuda de colaboradores da Georgia Tech e de instituições parceiras de pesquisa, Grothe identificou padrões de oscilação do sul de El Nino (ENSO), oscilações de aquecimento e resfriamento das águas equatoriais do Pacífico que, a cada poucos anos, estimulam El Niños e La Niñas, respectivamente.

A equipe constatou que a era industrial ENSO é 25% mais forte do que nos registros pré-industriais. Os pesquisadores publicaram seus resultados na revista Geophysical Review Letters em outubro de 2019. O trabalho foi financiado pela National Science Foundation.

Evidência adormecida

As evidências haviam adormecido nas águas rasas do Pacífico, onde ENSO El Niños se originaram até que Cobb e seus alunos mergulharam brocas ocas em colônias de corais vivas e depósitos de corais fósseis para extraí-la. Em mais de 20 anos de expedições de campo, eles coletaram núcleos que continham centenas de registros.

As gravações dos corais das temperaturas da superfície do mar mostraram-se incrivelmente precisas quando comparadas. Os registros de coral de 1981 a 2015 coincidiram com as temperaturas da superfície do mar medidas via satélite no mesmo período, de modo exatamente que, em um gráfico, as linhas irregulares do registro de corais cobriam as medidas do satélite, obscurecendo-as de vista.

Primeira bandeira vermelha?

Em 2018, foram coletados dados suficientes sobre os corais para distinguir a atividade recente da ENSO de seus padrões pré-industriais naturais.

Para testar os dados com esforço, Grothe deixou de fora os fragmentos para ver se o sinal da era industrial ENSO ainda se destacava. Ela removeu o recorde de 1997/1998 El Nino-La Nina e examinou as janelas da era industrial entre 30 e 100 anos.

O sinal estava em todas as janelas, mas os dados precisavam que o evento 97/98 fosse estatisticamente significativo. Isso pode significar que as mudanças nas atividades do ENSO atingiram um limite que as torna detectáveis.

O que é o El Niño?

A cada dois a sete anos na primavera, nasce um El Niño quando a fase quente do ENSO se transforma em uma longa bolha de calor no Pacífico tropical, tipicamente atingindo o pico no início do inverno. Ela sopra pelos oceanos e pelo ar ao redor do mundo, iniciando dilúvios, ventos, calor ou frio em lugares incomuns.

Depois que El Niño passa, o ciclo reverte para La Nina no outono seguinte, quando as correntes de ar empurram a água quente para o oeste e afundam água gelada no Pacífico equatorial. Isso desencadeia um conjunto diferente de extremos climáticos globais.

Os corais do Pacífico Tropical registram as oscilações quente-frio absorvendo menos isótopo de oxigênio (O18) durante as fases quentes do ENSO e progressivamente mais durante as fases frias do ENSO. À medida que os corais crescem, eles criam camadas de registros de isótopos de oxigênio, crônicas da história da temperatura.

Modelos impressionantes

A prova física tirada de três ilhas que pontilham o coração da zona do ENSO também derrubou manoplas científicas, desafiando fortemente os modelos de computador dos padrões e causas do ENSO. Um excelente exemplo: anteriormente desconhecido pela ciência, o estudo mostrou que em um período de 3.000 a 5.000 anos atrás, as oscilações de El Niño-La Niña eram extremamente leves.

Referência:

Grothe, P. R., Cobb, K. M., Liguori, G., Di Lorenzo, E., Capotondi, A., Lu, Y., et al ( 2019). Enhanced El Niño Southern Oscillation variability in recent decades. Geophysical Research Letters, 46. https://doi.org/10.1029/2019GL083906

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 25/11/2019

[cite]

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top