A crise climática é mais grave e urgente do que dizem os meios de comunicação e os cientistas

 

IHU

“Para evitar ser rotulados como alarmistas ou partidaristas, os cientistas tendem a endossar posições de consenso que são inevitavelmente o denominador comum entre diagnósticos distintos da crise. Esse consenso acaba subestimando a gravidade da situação”, escreve César Rodríguez Garavito, advogado e sociólogo colombiano, defensor dos direitos humanos, em artigo publicado por El Espectador, 08-11-2019. A tradução é do Cepat.

Eis o artigo.

Alguns leitores me perguntaram por que estou insistindo na crise climática nesta coluna. Agradeço a observação e, no momento, tenho duas respostas.

A primeira é que o aquecimento global não é um problema como outro qualquer. É o problema que envolve todos os demais. Como David WallaceWells escreveu em A terra inabitável, “a mudança climática não é mais um desafio para um planeta que já sofre guerras, desigualdades indecentes e muitas outras. É o cenário em que todos esses desafios devem ser enfrentados – uma esfera total que literalmente contém todos os problemas futuros e todas as soluções possíveis para eles”.

Isso não significa que esses outros desafios não sejam importantes e urgentes. Mas, as manifestações recentes da crise climática – os incêndios na Amazônia e na Califórnia, os furacões mais frequentes e vorazes do Caribe, a migração massiva de camponeses arruinados pelo aumento da temperatura na América Central – tornam presente que aquilo que antes costumávamos chamar “ambiente” não é apenas o “meio” dos dramas humanos, mas uma parte integral deles, sem o qual não podem ser resolvidos. De tal modo que não é possível pensar a política, a economia, a cultura, os direitos e outras criações humanas sem levar em consideração suas condições de possibilidades climáticas e ecológica em geral.

A segunda razão para discutir sobre o assunto é que continua recebendo pouca atenção em comparação com a escalada e urgência do desafio. Apesar de projetos louváveis de meios de comunicação como The Guardian, a crise climática tende a ser abordada como um assunto a mais, confinado nas seções ambientais das notícias. Embora os especialistas se pronunciem em termos cada vez mais categóricos – como fizeram, esta semana, 11.000 pesquisadores que declararam a existência de uma emergência climática -, o tom dominante nos meios de comunicação e os relatórios científicos mais influentes tendem a ser muito mais complacentes do que exige a dimensão e a urgência do problema.

Há razões profissionais que explicam, mas não justificam, essa complacência. Para evitar ser rotulados como alarmistas ou partidaristas, os cientistas tendem a endossar posições de consenso que são inevitavelmente o denominador comum entre diagnósticos distintos da crise. Esse consenso acaba subestimando a gravidade da situação, como mostram os cientistas Dale JamiesonMichael Oppenheimer e Naomi Oreskes, em um livro recente. Uma aversão profissional semelhante leva os jornalistas a escrever sobre os cenários menos catastróficos, em vez de se concentrar nos mais prováveis, como mostrou WallaceWells.

Enquanto a crise climática for tratada como um problema a mais, e os profissionais da ciência e da comunicação continuarem subestimando-a, será necessário escrever e falar o máximo possível sobre ela. A isso estarei dedicado.

(EcoDebate, 04/11/2019) publicado pela IHU On-line, parceira editorial da revista eletrônica EcoDebate na socialização da informação.

[IHU On-line é publicada pelo Instituto Humanitas Unisinos – IHU, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos Unisinos, em São Leopoldo, RS.]

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top