Bandeira vermelha em novembro reforça vantagem no uso de placas solares

Por: Ruy Fontes – Agência #movidos

energia solar

Os consumidores de todo o país sentirão novo peso no bolso em novembro com o acionamento da bandeira vermelha – patamar 1 na conta de luz.

Segundo o anúncio feito pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), na última sexta-feira (25), serão R$ 4,169 a mais cobrados para cada 100 quilowatts-hora consumidos.

O motivo alegado é mais uma vez o baixo volume de chuvas nas regiões das hidrelétricas, fonte na qual depende a maior parte da geração elétrica no Brasil.

Com os níveis dos reservatórios já abaixo das médias históricas, é esperada a queda da produção hídrica e aumento no uso de termelétricas.

Assim, o custo mais elevado dessa fonte de geração repercute no bolso dos brasileiros, que arcam com a conta no final do mês.

Este novo aumento marca o sexto mês de 2019 com acréscimo nas contas dos consumidores, que já pagaram por três bandeiras amarelas e duas vermelhas – patamar 1.

Reajuste Deixa Bandeiras Mais Caras

Em maio deste ano, a Aneel aprovou o reajuste dos valores das bandeiras tarifárias, que entrou em vigor a partir do dia 1º de junho de 2019.

O aumento veio por conta de uma nova metodologia aplicada para avaliar os riscos na geração das hidrelétricas do país, a qual alegou ser mais assertiva com a realidade do setor.

Todas as bandeiras com cobrança adicional tiveram acréscimos, que chegaram a até 50% do valor original.

Com o novo sistema, a bandeira amarela aumentou de R$ 1,00 para R$ 1,50, a vermelha patamar 1 passou de R$ 3,00 para R$ 4,00 e a patamar 2 de R$ 5,00 para R$ 6,00.

A bandeira verde, que já era sem acréscimo, foi a única sem alteração. Todos os adicionais são válidos para cada 100 quilowatts-hora consumidos.

Solução Está no Sol

Estes novos aumentos nas já onerosas contas de luz têm levado cada vez mais brasileiros a apostarem na geração própria de energia por placas solares.

A tecnologia, que permite redução de até 95% nas faturas, também livra o consumidor dos aumentos das bandeiras e novos reajustes nas tarifas das distribuidoras.

Com a queda dos preços dos sistemas fotovoltaicos, a fonte se espalha em todo o país, impulsionada também pelas mais de 70 linhas de financiamento para energia solar disponíveis.

O segmento de geração distribuída, criado em 2012 pela Aneel, registra quase 129 mil conexões, sendo 99% delas de geradores solares.

A tendência se intensificou em 2019, que já registra o dobro de conexões do ano passado.

Segundo a última previsão da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), serão 1,35 milhão de brasileiros gerando a própria energia até 2027.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 08/11/2019

Bandeira vermelha em novembro reforça vantagem no uso de placas solares, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 8/11/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/11/08/bandeira-vermelha-em-novembro-reforca-vantagem-no-uso-de-placas-solares/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top