Rio do Ouro, um patrimônio que insiste em não ser moribundo, artigo de Gervásio Lima

 

Rio do Ouro
Rio do ouro. Foto: Gervásio Lima

 

[EcoDebate] Cantado em versos e prosas, o rio que melhor caracteriza a história de Jacobina e seu codinome ‘Cidade do Ouro’ agoniza, apesar de insistir por existir. O lendário e importante Rio do Ouro, outrora responsável em fornecer energia elétrica e água para consumo para a população que teima em subestimá-lo, timidamente e ferido segue combalido, mas perene.

Local utilizado para passeios, piqueniques, banhos e até utilizado como ‘lavanderia comunitária’, o leito do Rio do Ouro foi fonte também de riqueza de garimpeiros que buscavam o metal precioso que empresta o seu nome. O sofrimento vem de longe, da época quando não se discutia sustentabilidade, preservação, condutas éticas, consciência ambiental e outros temas relacionados. Passaram-se os intendentes, os coronéis e inúmeros mandatos de prefeitos, e o Rio do Ouro sendo o mesmo, desprezado.

Vez ou outra o ‘rei do Parque da Macaqueira’ tenta avisar que não está satisfeito com o tratamento que tem recebido. Em curtos espaços de tempo, considerando o número de acontecimentos, vários transbordamentos aconteceram, provocando destruições e danos materiais.

A falta de cuidado com os principais rios que cortam a cidade (do Ouro e Itapicuru) é um problema visivelmente percebido pela população e tem contribuído para o aumento dos estragos após os temporais. Impedida de percorrer seu curso natural a água tende a procurar outros atalhos e, consequentemente, enchentes provocam os prejuízos já conhecidos.

Há sempre água fluindo no Rio do Ouro, com colorações diferentes em diversos trechos por conta dos inúmeros despejos de esgotos sem tratamento em seu leito. As grandes e bonitas moradias construídas ao longo de sua margem contrastam com a sua realidade e demonstram que poder aquisitivo não é necessariamente sinônimo de consciência e cidadania.

Em meio a um cenário de poluição e degradação cada vez mais preocupante do rio mais querido da população jacobinense, torna-se mais do que necessário evidenciar o alerta e o pedido de engajamento da população para o cuidado com um dos principais patrimônios do município. É incompreensível que um bem natural com o legado histórico que possui o Rio do Ouro não seja respeitado e preservado.

Por Gervásio Lima
Jornalista e historiador

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 31/10/2019

Rio do Ouro, um patrimônio que insiste em não ser moribundo, artigo de Gervásio Lima, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 31/10/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/10/31/rio-do-ouro-um-patrimonio-que-insiste-em-nao-ser-moribundo-artigo-de-gervasio-lima/.

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top